SÁBADO, 24/02/2024

Os fatores que fazem disparar risco de apagão no Brasil

Reservatórios das regiões Sudeste e Sul estão abaixo do nível de 2001, ano do racionamento.

Publicado em 

Os fatores que fazem disparar risco de apagão no Brasil - News Rondônia

Após sucessivos anos de poucas chuvas, os reservatórios das hidrelétricas brasileiras nas regiões Sudeste e Sul chegaram ao mês de setembro em seu pior nível histórico, abaixo mesmo do patamar de 2001, quando o país enfrentou um severo racionamento de energia.

Os fatores que fazem disparar risco de apagão no Brasil - News Rondônia

Para especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, esse cenário torna elevado o risco de apagões (interrupções temporárias localizadas de fornecimento), ainda mais em momentos de picos de consumo, que ficam mais frequentes com a volta do calor.

Enquanto no inverno o auge do consumo de energia se concentra no início da noite, quando escurece, com a chegada da primavera a demanda fica maior também de tarde, devido ao aumento do uso de ar condicionado.

Os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) mostram que esse fenômeno já começou a ocorrer a partir do final de agosto. Na semana passada, o consumo de energia entre 15h e 16h chegou a superar a demanda da noite nos dias 13 e 14 de setembro.

O risco de apagões é considerado alto porque o sistema já está operando no limite, com o acionamento de mais térmicas para compensar a quantidade menor de energia gerada nas hidrelétricas e uso intenso das linhas de transmissão, que permitem levar energia de regiões em que a oferta está menos apertada para outras em situação mais crítica. Dessa forma, a interrupção de abastecimento pode ocorrer tanto da geração insuficiente, como da falha em algum ponto do sistema, explica o meteorologista da Climatempo Filipe Pungirum.

"Apagões são prováveis. Hoje, estamos com pouca folga no despacho de energia, justamente por estarmos usando próximo ao máximo das linhas que temos para transmitir energia no país", ressalta.

"Então, se algum problema causar interrupção numa linha de transmissão, como não há redundância (espaço disponível em outra linha) nesse transporte de energia, consequentemente alguns apagões poderão ocorrer, principalmente nos momentos de picos de carga, em que a população consome mais energia", acrescenta.

O risco também é apontado por Ana Carla Petti, presidente da consultoria MegaWhat.

"Apesar das medidas do governo, o risco de apagão permanece para o atendimento à carga de ponta, aquele momento do dia em que a sociedade consome mais energia elétrica. Esse momento de ponta tem ocorrido na parte da tarde, por conta de temperatura, uso de ar condicionado, e vai até o início da noite, por volta de 18h. Principalmente o mercado Sudeste tem esse comportamento característico", nota ela.

"Como as termelétricas já estão praticamente todas despachadas, ou seja, tudo que tem disponível está gerando, esse atendimento de ponta deveria ser feito por uma geração hidrelétrica maior, a aí pode ser que em algum momento a gente não tenha água suficiente para poder atender essa demanda de ponta, porque os reservatórios já estão muito baixo. Existem níveis (mínimos dos reservatórios) de segurança de operação das próprias máquinas", explica.

Na noite de sábado (18), um apagão de cerca de uma hora atingiu dezenas de cidades de Minas Gerais e Rio de Janeiro, em especial na Zona da Mata e na Região dos Lagos. Segundo nota do ONS, a interrupção foi causada por uma falha em uma subestação de Furnas.

"O ONS avaliará as causas da ocorrência junto aos agentes envolvidos. Vale ressaltar que o episódio não tem relação com a crise hídrica do país", diz ainda o comunicado.

Reservatórios com 18% da capacidade no Sudeste

A crise hídrica é considerada a pior em 91 anos, segundo especialistas e o próprio Ministério de Minas e Energia. A situação é especialmente grave no Sudeste, a região que responde por 70% da energia produzida no país.

Segundo dados do ONS, o volume útil — quantidade de água que pode ser usada para geração de energia — dos reservatórios que integram o subsistema das regiões Sudeste e Centro-Oeste está em apenas 18% da sua capacidade máxima, segundo o boletim de sábado (18/09). É o pior resultado já registrado para setembro. Um ano atrás, o volume útil desse subsistema era de 32,9%, quase o dobro do atual.

Já em setembro de 2001, quando o governo teve que impor medidas drásticas de racionamento à população e a empresas para reduzir a demanda, a capacidade dos reservatórios estava em 20,7%. Naquele ano, consumidores que ultrapassassem determinado patamar de consumo de energia tinham que pagar multas, e até a iluminação pública nas ruas foi reduzida em diversos estados.

A situação também é preocupante no subsistema Sul, em que os reservatórios estão com capacidade média de 30%. Já no Nordeste e Norte o cenário é mais confortável (44% e 64,5%, respectivamente).

A expectativa é que os reservatórios devem continuar secando até novembro, quando começa a temporada de chuvas na maior parte do país.

Durante audiência pública na Câmara dos Deputados no final de junho, o diretor-geral do ONS, Luiz Carlos Ciocchi, disse que os reservatórios do subsistema Sudeste e Centro-Oeste devem chegar, em média, a 10% da sua capacidade em novembro com as medidas adotadas pelo governo para estimular a redução de consumo e usar outras fontes de energia, nível que ainda seria suficiente para as hidrelétricas seguirem operando.

Com a volta da temporada chuvosa, os reservatórios devem voltar a subir no final do ano, mas a projeção de meteorologistas é que a quantidade de chuva deve ficar novamente abaixo da média histórica, sendo insuficiente para uma recuperação satisfatória.

A mudança climática aumenta o risco de clima quente e seco. Nem todas as secas se devem às mudanças climáticas, mas ambientalistas apontam que o excesso de calor na atmosfera está tirando mais umidade da terra e piorando as secas.

A economista e professora do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (USP), Virginia Parente, explica que os reservatórios das hidrelétricas brasileiras foram projetados para aguentar alguns anos de chuvas abaixo da média. O problema, diz, é que as secas têm sido muito severas, ao mesmo tempo que o consumo de energia e água no país cresceu muito ao longo das décadas.

Diferenças em relação a 2001

Se a situação é pior que há duas décadas, por que, ao menos por enquanto, não houve um racionamento da mesma dimensão daquele ano?

Após a crise de 2001, o país adotou medidas para reduzir esse risco, como aumentar a conexão do sistema com mais linhas de transmissão. Isso permite distribuir melhor a energia de uma região que esteja com mais oferta para outra, em que a geração esteja insuficiente. Além disso, também houve aumento da oferta de outros tipos de eletricidade, com mais geração de energia térmica, solar e eólica.

Hoje, os mercados do Sudeste, Centro-Oeste e Sul, em que a situação é mais crítica, estão sendo em parte abastecidos por energia produzida no Nordeste, onde os reservatórios das hidrelétricas estão mais cheios e há também geração relevante de energia eólica.

A situação, porém, não é confortável porque, ao mesmo tempo que ampliou-se a geração e a transmissão de energia no país, também houve aumento do consumo nas últimas duas décadas, destaca Filipe Pungirum.

Governo deveria ter adotado racionamento?

O baixo nível dos reservatórios é especialmente preocupante porque as hidrelétricas representam 65% da capacidade de geração de energia do país. Por isso, o governo já adotou uma série de medidas para tentar reduzir a demanda e, ao mesmo tempo, aumentar a oferta de outras fontes geradoras — ações que alguns especialistas ainda consideram insuficientes.

Uma dessas medidas foi o aumento do uso de térmicas — como o custo delas é maior que das hidrelétricas, isso aumentou a conta de luz no país, o que acaba tendo o efeito de desestimular o consumo. Segundo o IPCA, principal índice de preços do IBGE, a conta de luz ficou em média 21% mais cara no país nos últimos 12 meses encerrados em agosto, mais que o dobro da inflação geral (9,68%).

Além disso, o Ministério de Minas e Energia também lançou a partir deste mês um programa de desconto na conta de luz para quem reduzir seu consumo, com objetivo de provocar uma redução de 15% na demanda entre setembro e dezembro.

Também foi editado um decreto em agosto com ações para os órgãos públicos federais consumirem de 10% a 20% menos energia de setembro a abril de 2022. Outra providência foi aumentar a importação de energia da Argentina e do Uruguai.

Para o engenheiro Edvaldo Santana, diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) entre 2005 e 2013, o governo deveria ter feito mais, adotando uma estratégia de racionamento a partir de julho para evitar os riscos de apagões agora. Na sua visão, isso não foi feito por temor do impacto eleitoral da medida.

"Desde que o PSDB perdeu a eleição (de 2002 para o PT) por causa do racionamento (no governo Fernando Henrique Cardoso), os governos consideram melhor o consumidor gastar mais (com energia das térmicas) do que fazer um racionamento", ressalta.

"O racionamento não sai em menos de 60 dias. Primeiro tem que planejar, depois as pessoas têm que entender (como funciona). Como a temporada seca está terminando, não faz mais sentido fazer. Agora é esperar o que vai acontecer", disse ainda.

Já a professora da USP Virginia Parente diz que o governo falha em não fazer campanhas maiores para conscientizar a população a economizar energia e luz, ou em estabelecer melhores acordos bilaterais para uso de energia dos países vizinhos. Ela discorda, porém, que deveria ter sido feito um racionamento antes.

"O racionamento tem um custo muito grande, causa sofrimento e desemprego. Se uma fábrica só vai poder gastar 80% ou 70% da energia, por exemplo, ela vai dispensar os funcionários parte dos dias e vai produzir menos, vender menos", nota ela.

"A empresa vai então negociar para reduzir o salário dos funcionários, eles vão ter menos grana pra comprar outros produtos, as outras empresas vão vender menos pra eles e o PIB do Brasil vai afundar", reforça.

Por outro lado, a professora lembra que apagões, ainda que localizados em apenas algumas partes do país, também podem causar grandes prejuízos.

"Os momentos de pico de consumo são perigosos, com maior probabilidade de ter apaguinhos de durações variadas. A gente corre esse risco e é bem grave, porque se você estiver em casa trabalhando no seu computador, a bateria aguenta um tempo. Mas, se você for uma indústria de cerâmica que precisa apagar seu forno, você estraga toda a produção do dia. Pequenos apaguinhos da indústria podem fazer grandes estragos", nota ela.

Publicidade

NEWS QUE VOCÊ VAI QUERER LER

Santo Antônio Energia investe R$ 15 milhões em pesquisa para testar a influência de diferentes tipos de solo na instalação de usinas solares

Estudo inclui a construção de um parque fotovoltaico em Porto Velho (RO), em área de 14 mil m² nas dependências da hidrelétrica
L

Geruzza Vargas e a trajetória de sucesso da 3079 Destilados no Momento Empresarial

De uma experiência negativa a uma marca inovadora: a jornada empreendedora por trás da 3079 Destilados
L

PlayStation vs Xbox: O Duelo dos Titãs no Pahpowcast

Debate acalorado revela as facetas de cada plataforma na busca pelo domínio em 2024
L
Inovações e Personalização no Tratamento Ortopédico: A Visão do Dr. Rodrigo Queiroz no Mais Saúde Podcast

Inovações e personalização no tratamento ortopédico: A visão do Dr. Rodrigo Queiroz no Mais Saúde Podcast

Em uma conversa reveladora, o especialista em ombro e cotovelo destaca a precisão diagnóstica e a abordagem centrada no paciente
L

Em Porto Velho/RO, PRF detém homem com 4 Kg de Skunk

O homem estava acompanhado da sua esposa e sua filha, de 4 meses
10
Publicidade
Publicidade

DESTAQUES NEWS

FIERO inaugura o Observatório da Indústria

FIERO inaugura o Observatório da Indústria

Com esse objetivo, a Federação das Indústrias do Estado (FIERO) inaugurou nesta sexta-feira, 23, o Observatório da Indústria, um ambiente propício para o setor produtivo local.
L

Menor taxa anual de desemprego; adaptação nos critérios do “Programa Vencer” marcam ações do Governo de Rondônia

A liderança da menor taxa de desocupados começou no quarto trimestre de 2022, e desde então Rondônia tem se sobressaído no país
L
Hyundai Creta alcança o topo com a linha 2024

Hyundai Creta alcança o topo com a linha 2024

Modelo assumiu a liderança no segmento dos SUVs compactos
L

Em visita às comunidades do Baixo Madeira, secretário de segurança com sua guarnição prende foragido da justiça

Durante a operação, que faz parte de uma série de visitas às comunidades do Baixo Madeira, a guarnição liderada pelo Coronel Vital visou ouvir as demandas de segurança pública diretamente da população local.
10
Publicidade

EMPREGOS E CONCURSOS

Vagas de Emprego

Marquise abre vaga para Gari em Porto Velho

Se você busca uma colocação profissional e deseja contribuir para a limpeza e conservação da cidade, esta pode ser a chance que você estava esperando
L
Vagas de Emprego

ELLO COMÉRCIO busca Motorista de Carro de Passeio em Porto Velho

Se você é um motorista experiente, comprometido com a segurança e busca uma oportunidade de trabalho em uma empresa sólida e dinâmica, esta pode ser a sua chance
L
VAGAS DE EMPREGO: confira as vagas ofertadas pelo Sine Municipal Porto Velho

Ótica Chilli Beans abre oportunidade para Vendedor Interno em Porto Velho

Se você tem experiência na área de vendas e deseja fazer parte de uma equipe dinâmica e inovadora, esta pode ser a sua chance
L
Vaga de Empregos

B2X CARE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS LTDA. está contratando: Auxiliar de Eletrotécnico

Se você tem experiência na área e busca por uma oportunidade de crescimento profissional, esta pode ser a sua chance
L
Vagas de Emprego

Empresa privada oferece oportunidade para Empregada Doméstica em Porto Velho

Uma empresa privada em Porto Velho está buscando preencher uma vaga para o cargo de Empregada Doméstica
L
Publicidade

POLÍTICA

Ieda Chaves celebra medidas de emergência em meio à estiagem em Porto Velho

Ieda Chaves celebra medidas de emergência em meio à estiagem em Porto Velho

Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil publicou Portaria e recursos devem ser liberados.
L
Cláudia de Jesus solicita do governo estadual recapeamento na RO-472 em Ji-Paraná

Cláudia de Jesus solicita do governo estadual recapeamento na RO-472 em Ji-Paraná

Na Linha 94 existem muitos buracos e falta de iluminação.
L
Deputado Marcelo Cruz prestigia visita do ministro Edson Fachin a Rondônia

Deputado Marcelo Cruz prestigia visita do ministro Edson Fachin a Rondônia

Parlamentar realizou a entrega de maquete da Assembleia ao ministro.
L
Deputado Alan Queiroz fortalece cooperação entre Assembleias Estaduais em encontro com presidente da Unale

Deputado Alan Queiroz fortalece cooperação entre Assembleias Estaduais em encontro com presidente da Unale

Reunião destaca compromisso com o progresso e bem-estar da população estadual.
L
Pedro Fernandes lidera esforços para melhorias significativas nas rodovias de Rondônia

Pedro Fernandes lidera esforços para melhorias significativas nas rodovias de Rondônia

Iniciativa visa compromisso com a segurança, mobilidade e progresso econômico do estado.
L
Publicidade

POLÍCIA

URGENTE: Apenado monitorado é espancado e esfaqueado no Teixeirão

URGENTE: Apenado monitorado é espancado e esfaqueado no Teixeirão

O caso deve ser investigado pela Polícia Civil.
14
URGENTE: Ataque a tiros deixa um morto e outro baleado na zona sul de Porto Velho

IDENTIFICADO: Tiroteio deixa um morto e outro baleado durante bebedeira na zona sul

Uma equipe do Samu fez a constatação do óbito.
18
Em Jaru, PRF detém condutor alcoolizado se passando por militar

Em Jaru, PRF detém condutor alcoolizado se passando por militar

Teste de alcoolemia retornou o valor de 0,99 Mg/L, três vezes superior à quantidade considerada como crime.
10
URGENTE: Carro avança preferencial e causa grave acidente com moto na zona leste

Carro avança preferencial e causa grave acidente com moto na zona leste

A PM foi acionada para registrar a ocorrência.
14
SEQUESTRO: Funcionário dos Correios é mantido refém e tem carro roubado em Porto Velho

Homem agride ex-mulher com garrafada e quebra tudo dentro da casa após fim de relacionamento

A mulher contou que está em outro relacionamento e o suspeito não aceita. Ele teria invadido a casa, e agredido a vítima com uma garrafada na cabeça.
14
Publicidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recebimento da Licença Ambiental: JR FERREIRA LTDA

Licença Ambiental Por Declaração n° 419/SOL/DLA
L
Correios distribuirão provas do Concurso Unificado

Correios distribuirão provas do Concurso Unificado

Provas estão previstas para o dia 5 de maio.
L
Vendas do Tesouro Direto sobem 13% em janeiro

Vendas do Tesouro Direto sobem 13% em janeiro

No mês passado, foram vendidos R$ 3,649 bi em títulos
L
Mulheres são maioria dos candidatos no concurso unificado

Mulheres são maioria dos candidatos no concurso unificado

Inscritos de 5.555 municípios vão participar da seleção.
L
Santo Antônio Energia investe R$ 15 milhões em pesquisa para testar a influência de diferentes tipos de solo na instalação de usinas solares

Santo Antônio Energia investe R$ 15 milhões em pesquisa para testar a influência de diferentes tipos de solo na instalação de usinas solares

Estudo inclui a construção de um parque fotovoltaico em Porto Velho (RO), em área de 14 mil m² nas dependências da hidrelétrica.
L
Hoje tem Alexandre Nery, Jonas & Jaíro e Marcelo Araguaia & Rodrigo no O Monarka

Hoje tem Alexandre Nery, Jonas & Jaíro e Marcelo Araguaia & Rodrigo no O Monarka

O empresário acrescentou que a entrada é grátis das 18h às 21h. Após esse horário, será cobrado entrada de R$ 20.00.
L
Estudo mostra o que o amor provoca no seu cérebro; Desejo maior que vício

Estudo mostra o que o amor provoca no seu cérebro; Desejo maior que vício

Esse tipo de atividade de dopamina explica o desejo avassalador de estar constantemente com a pessoa amada nos estágios iniciais do amor.
L