Sexta-Feira, 01 de Novembro de 2019 - 23:27 (Política)

L
LIVRE

PRESIDENTE LAERTE GOMES PEDE AJUDA PARA APOIAR ESTUDANTES RONDONIENSES NA BOLÍVIA

O presidente pediu apoio para Itamaraty, Embaixada Boliviana e do senador Marcos Rogério para ajudar os alunos que ficaram sem condições de retorno após o fechamento das fronteiras


Imprimir página

Após encaminhar documento em regime de urgência ao ministro das Relações Exteriores, embaixador Ernesto Henrique Fraga Araújo, solicitando apoio aos rondonienses que estudam em território boliviano, o presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Laerte Gomes (PSDB), também está acionando a Embaixada da Bolívia no Brasil, e a intervenção política do senador Marcos Rogério (DEM).

O documento dirigido ao senador foi emitido diante do agravamento da situação política na Bolívia, com a deflagração de greve geral, confronto de grupos e o fechamento da região de fronteira.

No documento encaminhado ao senador Marcos Rogério, Laerte Gomes, assim se manifesta: “Recorro a Vossa Excelência no sentido de intermediar junto ao Ministério das Relações Exteriores e da Embaixada do Brasil na Bolívia, a agilização de medidas diplomáticas necessárias, visando garantir a integridade de cidadãos rondonienses, que estudam nas localidades de Cochabamba, Santa Cruz, Beni e Pando na Bolívia. ”

Segundo o presidente Laerte Gomes, os estudantes estão sem condições de retorno ao território brasileiro, diante do fechamento das fronteiras e sem condições de receber ajuda financeira em decorrência do fechamento das instituições bancárias.

Para Embaixada boliviana

Na quinta-feira (31), Laerte Gomes também encaminhou ofício ao embaixador da Bolívia no Brasil, José Kinn, ao manifestar e destacar o atual e preocupante cenário na Bolívia.

Ao embaixador José Kinn, o deputado apela para que seja de pronto, iniciados esforços, no sentido de que, com o apoio do Governo Boliviano, seja garantida a retirada, em segurança, de brasileiros em território boliviano. O presidente pediu apoio especial aos rondonienses que estudam na Bolívia.

Fonte: DECOM/ALE

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias