Quinta-Feira, 24 de Outubro de 2019 - 06:59 (Colaboradores)

L
LIVRE

POLÍTICA & MURUPI: HORROR INIMPUTÁVEL

Eles ficarão custodiados pelo Estado para ressocialização, salvo o bebê cujo futuro é uma incógnita e, aos dezoito anos terão uma nova vida sem mácula.


Imprimir página

"O reexame da prisão em segunda instância pelo STF parece caso de o inimigo do meu inimigo é meu amigo"Jornalista Claudio Humberto.

1-Lavajato (apesar de tudo) em marcha

Enquanto saem notícias contra operadores da Lavajato e boa parte de integrantes dos poderes constituídos e da imprensa torcem para que a Lavajato afunde, a PF está nas ruas hoje. É a 67ª fase da Lavajato, a Tango&Cash cumprindo 23 mandados de busca e apreensão no Paraná, Rio e São Paulo mirando a multinacional Techint.

Para chegar a este ponto as delações premiadas foram relevantes e bem assim a prisão imediata de envolvidos e a juntada de provas obtidas noutras fases. A Lavajato foi à frente por seguir um rito não ortodoxo, mas pode estar no fim.

2-Lavajato com freio de mão puxado

O STF retorna ao tema cumprir pena com condenação em segunda instância, pacificado desde 2016, à época com voto favorável de Gilmar Mendes, que pugna hoje para mudar seu próprio voto – sabe Deus ou sua consciência o porquê –, um dos pilares da Lavajato.

Com a mudança prejuízo será grande, mas o saldo também, posto que  as conquistas da Lavajato são perenes. Hoje o STF pode condenar-se e alguns ministros serão assustados em seus próprios pesadelos no futuro. A história é madrasta com quem a falseia, omite-se ou com o que dorme no ponto.

3-Eu, robô!

O Ministro Marco Aurélio do STF – haja criatividade– saiu-se com um juízo sólidocomo geleia de jabuticaba: “O problema adquire envergadura maior quando considerada a superlotação dos presídios. Constatou-se o exorbitante número de cidadãos recolhidos provisoriamente, a salientar a malversação do instituto da custódia cautelar e, consequentemente, a inobservância do princípio da não culpabilidade. Inverte-se a ordem natural para prender e, depois, investigar. Conduz-se o processo criminal com automatismo incompatível com a seriedade do direito de ir e vir dos cidadãos.” Será que ele está usando a Inteligência Artificial?

4-Horror inimputável

Não vou descer aos detalhes escabrosos mas propor a reflexão. Refiro-me aos crimes seriados praticados por menores contra menores e com requintes de maldade e barbárie que assustou até peritos policiais. Não é crível crianças fazerem uma cesariana e salvar o bebê.

Eles ficarão custodiados pelo Estado para ressocialização, salvo o bebê cujo futuro é uma incógnita e, aos dezoito anos terão uma nova vida sem mácula. Até lá haverá ressocialização possível? Se eu vou carregar o peso só por conhecer o fato, como eles ficarão pelo resto da vida? Moderno e admirado, o ECA não foi, não é e não será a solução para eles. Rever as políticas para nossas crianças e adolescentes se impõe, sem hipocrisia, sem paternalismo e há que ser de imediato.

5-Reforma possível

Depois de texto básico, um pedido choroso do senador Paim e lá se foi um jabuti pendurado na reforma da previdência. O adicional de periculosidade ou do seu primo irmão insalubridade entrariam no cálculo da aposentadoria.

Como o fato inexiste de 1995, como o INSS não aceita a aposentadoria especial por periculosidade, apesar de algumas categorias de trabalhadores buscarem e conseguirem o benefício na Justiça, por meio de laudos técnicos e para não atrasar a reforma, o jabuti foi posto na árvore e o governo comprometeu-se a apresentar projeto de lei complementar definindo os trabalhadores com direito a essa tipo “aposentadoria especial”.

[email protected]

Fonte: Leo Ladeia/NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias