Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019 - 09:17 (Economia)

L
LIVRE

MITOS E VERDADES SOBRE EMPRÉSTIMOS

Empresário do mercado financeiro esclarece dúvidas sobre as modalidades de crédito disponíveis no mercado


Imprimir página

Uma das principais alternativas para quem quer se ver livre das dívidas ou para quem pretende adquirir um bem ou serviço para o qual não tem o dinheiro em caixa para pagar é o empréstimo. No Brasil, solicitar crédito a bancos e instituições financeiras é algo comum na vida das pessoas: dois em cada 10 brasileiros recorreram a algum tipo de empréstimo em 2018, segundo pesquisa realizada pelo SPC Brasil.

Mas, apesar de ser uma prática frequente, boa parte das pessoas que contrata alguma modalidade de crédito desconhece as principais características do serviço e tira conclusões precipitadas sobre o assunto.

"No Brasil, devido ao histórico de altas taxas de juros, o crédito muitas vezes é tido como vilão, gerador de endividamento e preocupações. Essa é uma visão equivocada. Quando bem utilizado, o crédito permite o saneamento das dívidas e também acesso a produtos e serviços inalcançáveis em condições normais", diz Victor Loyola, com mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro e sócio fundador da Consiga+, empresa especializada em crédito consignado privado.

Para colocar um ponto final nas principais dúvidas sobre o acesso ao crédito, o empresário esclarece alguns mitos e verdades sobre o assunto.

Recorrer a alguma forma de crédito é algo ruim. MITO

As pessoas tendem a relacionar as palavras "crédito" e "empréstimo" a algo ruim. Mas a verdade é que sem crédito a economia travaria. Pessoas, empresas e governos precisam de crédito para questões corriqueiras e projetos de longo prazo. O que acontece é que, como qualquer remédio, recorrer a esse benefício pode se transformar em veneno, se consumido em excesso. Sabendo usar, crédito gera prosperidade e oportunidades.

Negativados não têm acesso a crédito. MITO

Ao contrário do que muitos pensam, o fato de alguém estar negativado não determina se o consumidor terá seu crédito negado. A situação sempre será avaliada em conjunto com outros fatores. Isso pode diminuir as chances de aprovação, mas não determinar. Os grandes bancos tendem a ser mais conservadores na política de crédito para negativados, que normalmente apelam para financeiras com taxas maiores, o que pode agravar ainda mais a situação do devedor ao invés de ajudá-lo.

Contrair mais dívidas para resolver uma pendência financeira pode ser uma saída. VERDADE

Uma pesquisa realizada com clientes da Consiga+ indicou que 80% deles recorrem ao empréstimo para quitar outras dívidas, mais caras. Isso porque a modalidade consignado é mais barata e permite fazer essa troca, desde que não ultrapasse 30% da renda do cliente. Se a nova dívida for, então, mais barata, vale recorrer a ela para quitar pendências financeiras existentes.

Após o acesso ao crédito, os problemas financeiros estão resolvidos. MITO

Muita gente pensa que ter acesso ao crédito resolverá os seus problemas. Mas a verdade é que o consumidor brasileiro não tem uma boa educação financeira. Esse é o problema. O normal no país é que o consumidor verifique se a parcela do empréstimo cabe no bolso naquele mês que ele precisa, negligenciando a taxa de juros associada à transação. Ele normalmente também ignora os três componentes essenciais em um empréstimo: valor, taxa e prazo. A combinação das três variáveis deve ser avaliada cuidadosamente para encontrar a melhor oferta. Vale ressaltar que muitas vezes, além da educação financeira rudimentar, há um outro elemento que atrapalha na hora da decisão adequada de crédito: a renda baixa. As pessoas tendem a tomar decisões impulsivas quando a renda termina antes do fim do mês. Não há como criticá-las por isso, mas é bom tentar evitar que aconteça.

Crédito consignado é mais barato que o rotativo. VERDADE

Enquanto o crédito rotativo possui taxas que podem ultrapassar 19% ao mês, o consignado fica na casa dos 2,8% ao mês. O consignado ainda possui um recurso que ajuda muito no controle financeiro de quem contrata esse tipo de empréstimo: a parcela é debitada direto da folha de pagamento do cliente, o que evita a inadimplência.

O acesso ao crédito no Brasil é muito caro. VERDADE

Se tomarmos o dinheiro como produto, em média paga-se 8x mais caro por ele no Brasil do que nos Estados Unidos. Apesar de ser verdade que quase todos os produtos são mais caros no Brasil, o dinheiro é desproporcionalmente um ponto fora da curva. Mas isso não quer dizer que não existam opções mais baratas: financiamento de automóveis e crédito consignado público e privado são modalidades que oferecem taxas mais acessíveis ao consumidor.

O crédito ao consumidor no Brasil é pouco utilizado em relação a outros países. MITO

Se por um lado o total de crédito não chega a 50% do PIB no Brasil, valor muito menor que nas economias desenvolvidas, quando excluímos o crédito para empresas e o crédito imobiliário, concentrando apenas no crédito ao consumo e suas variações, o mesmo representa 16% do PIB, valor igual ao dos EUA, país notório pela intensa utilização de crédito.

 

.

Fonte: www.consigamais.com.br/Betini Comunicação

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias