Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017 - 10:13 (Polícia)

14
Não recomendado para menores de 14 anos

VIZINHO É SUSPEITO DE EXECUTAR CACHORRO COM TIRO FATAL DE ESPINGARDA DE PRESSÃO EM ARIQUEMES

A morte de um cachorro basset virou caso de polícia durante à tarde desta terça-feira (13/12).


Imprimir página

O fato ocorreu na Rua Turmalina Setor Parque das Gemas, uma guarnição da Polícia Militar foi acionada a comparecer no local onde o fato sinistro foi anunciado aos militares.

Por conta da morte do cachorro ouve trocas de ameaças entre as partes, e por este motivo a necessidade da presença dos militares.

Sobre a morte do cachorro

O dono do cachorro que atendida pelo nome de rock, relatou que estava em seu trabalho quando foi solicitado pela babá do seu filho informando que o cachorro estava morto e que uma pessoa teria atirado no animal com uma arma de pressão, ao chegar na sua residência avistou o cachorro sem vida na calçada de sua casa.

Ao ser informado do ocorrido pela babá, o dono do cachorro foi tirar satisfação com o vizinho, que no ato negou o fato.

Porém em verificação em uma câmera de vigilância a vítima constatou que o animal foi baleado em frente a casa vizinha.

De acordo com o dono do cachorro o atirador é filho do vizinho, e que é de costume do rapaz que tem 18 anos atirar nos animais, principalmente em gatos da redondezas.

Ambas as partes foram conduzidas a Unisp para apuração do caso e registro de ocorrência.

O curioso nesta ocorrência é que a mesma evoluiu depois que autoridades ligadas a movimentos de maus tratos de animais exigiram que fosse feita a perícia, como se fosse um caso de homicídio normal de um ser humano, sendo isolado o local do crime pela Polícia Militar e acionado a perícia técnica para coletar os dados do crime.

A perita localizou no local um chumbinho de espingarda de pressão, o cachorro apresentava uma perfuração no pescoço, o que possivelmente provocou a morte do animal.

A mãe do acusado nega o crime, e relata que o filho não possui tal arma denunciada pela vítima.

A ocorrência incomum atendida pelos policiais durou cerca de quatro horas e ocupou duas viaturas da PM, segundo informações a perícia técnica foi solicitada a abandonar uma outra ocorrência para atender a perícia na morte do cachorro.

Após todo os procedimentos as partes envolvidas foram apresentadas ao delegado de plantão para providências cabíveis.

Fonte: 012 - Alerta Noticias

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias