Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016 - 11:26 (Colaboradores)

L
LIVRE

VERGONHA - PISCINÃO DA DENGUE NO CENTRO DA CAPITAL DESAFIA AUTORIDADES AMBIENTAIS E DE SAÚDE

O perigo é maior nesse terreno porque lá também já virou ponto de encontro de viciados.


Imprimir página

Segundo informações do setor de fiscalização da SEMUSB, os proprietários desses terrenos já foram multados várias vezes e mesmo assim eles não tomam providências, e talvez, por ser de uma família tradicional e de muito poder, tanto político quanto financeiro, eles nem devem pagar as multas, e o problema só vai se agravando cada vez mais.

 

Há vários anos esses terrenos vem sendo alvo de muitas matérias de sites, rádios, TV's e jornais impressos, e os proprietários fingem que não tem nada a ver com o problema, a SEMA (Secretaria Municipal de Meio Ambiente) fecha os olhos como se também não fosse problema seu e o mais grave; a promotoria do Meio Ambiente também não se manifesta no sentido de forçar uma ação dos responsáveis. Talvez seja pelo fato de um dos familiares, Sr. Emerson Castro, ser o chefe da casa civil do governador Confúcio Moura.

E o perigo da proliferação do mosquito aedes aegypti não está somente neste terreno que ocupa um quarteirão inteiro da Jorge Teixeira entre as ruas Sen. Álvaro Maia e Herbert de Azevedo. Um outro terreno ao lado, que também ocupa um quarteirão inteiro, (Jorge Teixeira entre as ruas Herbert de Azevedo e Benjamin Constant), encontra-se em piores condições que o "piscinão da dengue" já que o mesmo além de também manter um "reservatório" considerável de água parada e cheia de lixos, o terreno é uma verdadeira selva no centro da cidade.

A noite é um verdadeiro entra e sai de drogados, que entram para consumir drogas e também esconder pequenos furtos que fazem na região. Alguns chegam a dormir no local. E ninguém toma nenhuma providência.

No ano passado uma grande rede de supermercados chegou até a colocar placa no local anunciando a construção de mais uma grande unidade de seu empreendimento, inclusive colocaram uma equipe de trabalhadores esgotando, com uma bomba de sucção, a água desse piscinão.

Mas depois que encontraram um corpo no bueiro por onde a água estava sendo retirada, essa operação parou e os trabalhadores foram embora e a placa arrancada. Coisas que só acontecem aqui em nossa capital.

 

Fonte: Carlos Caldeira

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias