Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017 - 12:33 (Política)

L
LIVRE

URSO BRANCO, PROVISÓRIO FEMININO E PANDINHA SÃO INSPECIONADOS PELO DEPUTADO ANDERSON DO SINGEPERON

Efetivo de servidores e guaritas desativadas estão dentre os principais problemas apontados pelo parlamentar


Imprimir página

Dando sequência ao trabalho de inspeções das unidades prisionais, o deputado Anderson do Singeperon (PV) esteve na terça-feira (19) no maior presídio de Rondônia, a Casa de Detenção Dr. José Mário Alves da Silva (Urso Branco) e no Presídio Provisório Feminino da Capital. No dia seguinte, inspecionou o Provisório Masculino, mais conhecido por Pandinha.

No Urso Branco, que abriga hoje cerca de 640 apenados, Anderson conversou com a direção e agentes plantonistas, os quais revelaram que a maior dificuldade ainda está no efetivo de servidores.

“Mesmo com as escalas extras, existe essa necessidade de mais agentes penitenciários para reforçar a segurança e desenvolver as atividades rotineiras”, relatou o parlamentar.

Segundo Anderson, a estrutura é antiga e ‘judiada’, consequência das diversas rebeliões e motins o que levou o Estado Brasileiro a responder processo na Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), afirmou.

No entanto, o parlamentar ressaltou uma das iniciativas de reinserção social que será implantado na unidade ao visitar o espaço onde deverá funcionar uma biblioteca. “Aqui o preso poderá diminuir a sua pena por cada livro lido. Um projeto que tem funcionado bem em outros Estados”, destacou.

Feminino

Já no Presídio Provisório Feminino, o deputado Anderson também verificou as condições de trabalho e a estrutura local.

O efetivo de agentes penitenciárias também é baixo, em relação às pouco mais de 40 apenadas. “A estrutura também é ruim, mas nos colocamos à disposição para ajudar no que for preciso a direção e colegas”, evidenciou.

Pandinha

A unidade prisional que recebe os presos provisórios, geralmente advindos da Central de Polícia, também passou pela inspeção do deputado, na quarta-feira (20).

Com pouco mais de 400 presos, Anderson constatou que cerca de 80 condenados cumprem pena na unidade por falta de vagas nas demais penitenciárias. “Além da superlotação, o efetivo de agentes penitenciários fazendo a segurança nas carceragens também é deficiente”, revelou.

Segundo Anderson, a Direção da unidade tem se esforçado para melhorar as condições de trabalho e a estrutura física, onde uma parte se encontra em obras.

Entretanto, o deputado apontou que somente duas guaritas fazem a guarda externa da unidade, o que coloca em risco a segurança dos agentes penitenciários.

“As outras duas guaritas, mais próximas da Colônia Penal, estão abandonadas pela Polícia Militar. Isso é um grande risco para o servidor que fica desguarnecido”, criticou Anderson.

Todas as sugestões, reivindicações e problemas identificados serão encaminhados pelo deputado à Secretaria de Estado de Justiça de Rondônia (Sejus). 

Fonte: 010 - ALE/RO - DEC

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias