Quinta-Feira, 12 de Janeiro de 2017 - 08:23 (MINHA HISTÓRIA)

L
LIVRE

SUPERAÇÃO: DETENTA RECEBE OPORTUNIDADE E IRÁ CURSAR PSICOLOGIA MESMO CUMPRINDO PENA EM REGIME FECHADO

A faculdade cedeu uma bolsa integral para iniciar o sonho de Sandra se tornar psicóloga


Imprimir página

Histórias de superação se iniciam com começos improváveis. Sandra Valério Lima Góes sabe bem disso e realizou o seu maior sonho através de um de seus maiores pesadelos. Detida desde o mês de maio de 2016, por tráfico de drogas, na tentativa de passar drogas ilícitas para o Presídio Cone-Sul, Sandra se encontra em regime fechado no Presídio Feminino, porém irá iniciar o sonho de ser psicóloga começando a estudar de dentro da unidade.

Todo o tempo que está passando na casa de ressocialização está sendo muito bem aproveitado. Segundo o Diretor-Geral da unidade, todas as detentas recebem aulas de ensino fundamental e médio. Neste ano de 2017, uma parceria surpreendeu e acendeu uma chama de esperança a mais para as mulheres que pagam pelos erros cometidos, refletindo e buscando uma mudança de vida.

A Faculdade da Amazônia – FAMA, com uma sede em Vilhena, ofereceu uma bolsa de estudos para as mulheres do Presídio, e com isso, uma oportunidade de iniciar um sonho e inspirar outros.

DEDICAÇÃO

Sandra relatou para a reportagem que sempre estudou, e até tentou o vestibular de psicologia na UNIR em Porto Velho, porém, devido a problemas familiares não conseguiu iniciar o curso, mas o sonho continuou vivo e pulsando dentro dela. “Eu até fiz o vestibular para a UNIR, em Porto Velho, porque o curso é muito caro e eu não conseguiria pagar. Mas meu pai ficou doente e então eu tive que colocar a família em primeiro lugar.” disse.

Ela casou, teve três filhos, e era professora. Mesmo com a profissão, seguia estudando para prestar vestibular outras vezes. Devido ao casamento, e depois a prisão do marido, deixou de lado os estudos e se dedicou mais aos filhos. “Depois que eu fui presa, precisava ocupar a cabeça, comecei a estudar e estudar, uma das minhas companheiras de cela me incentivava bastante, até pedia pras outras fazerem silêncio enquanto eu estava estudando”, contou.

Com auxílio da professora responsável pelas aulas das detentas, Sandra confessou o sonho de ser psicóloga ou assistente social, e após projetos realizados por vários colaboradores, a Drª Patrícia Clara, reitora da faculdade, disponibilizou a bolsa que fez com que Sandra conseguisse dar o primeiro passo.

O vestibular foi realizado no dia 09 de Janeiro, e nesta terça-feira, 10, o resultado da aprovação já estava nas mãos do Diretor Geral do Presídio, Alexsandro Pereira da Silva. “O resultado saiu um dia depois, tivemos que nos segurar para dar a notícia pra ela só hoje, estamos muito contentes por ela.” Completou o diretor da unidade.

INÍCIO DAS AULAS

As aulas de Sandra se iniciam com o calendário acadêmico disponibilizado pela faculdade, e a maneira como ela irá participar ainda está sendo decidida. Caso Sandra assista as aulas no horário previsto, um agente penitenciário irá acompanha-la todo tempo, outra possibilidade, é as aulas serem ministradas no próprio presídio.

Sandra em breve continuará cumprindo a pena no regime semiaberto sobre o uso de tornozeleira eletrônica, porém o processi ainda está em andamento, mas é provável que ela receberá o diploma já em liberdade. O objetivo é que a história atinja outras mulheres e sirva de inspiração para mostrar que a ressocialização realmente funciona e a vida pode abrir novas janelas mostrando infinitos caminhos para o raiar de um novo sol.

Fonte: 010 - vilhenanoticias

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias