Quarta-Feira, 12 de Março de 2014 - 12:08 (Colaboradores)

SINDICATOS PROTESTAM EM FRENTE ÀS CAIXAS D’ÁGUAS E DÃO INÍCIO A NOVOS ENFRENTAMENTOS COM O GOVERNO CONFÚCIO E DILMA ROUSSEFF

Na educação estadual, segundo este site de notícias apurou, ‘as plenárias se resumiram no esgotamento nas alegações do Governo de que não há recursos para atender o que já havia sido apresentado em dezembro do ano passado’.


Imprimir página

Porto Velho/RONDÔNIA– Com a força de quem pode ser grande dentro de um teatro de operações políticas e sindicais, além de garantirem a não regressão de direitos, três dos maiores sindicatos de servidores ameaçam paralisar suas atividades a partir da segunda-feira [17], na inicial, nesta Capital.

Na educação estadual, segundo este site de notícias apurou, ‘as plenárias se resumiram no esgotamento nas alegações do Governo de que não há recursos para atender o que já havia sido apresentado em dezembro do ano passado’.

Sobre, o órgão máximo de decisões dos trabalhadores em educação estadual [Sistema Diretivo] decidiu acompanhar a deliberação tirada, entre todas as regionais, pela participação na greve nacional, convocada pela CNTE [Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação], com atividades nos dias 17, 18 e 19 deste mês’.

Segundo a programação a ser adotada no período, ‘será feito um grande ato público cujo objetivo central é denunciar, outra vez, o descaso do Governo para com os servidores, sobretudo com relação a não conclusão dos processos da transposição’. Nessa grade paredista, ‘o SINTERO sai na frente por deflagrar o novo grito de protestos por três dias consecutivos com intensas atividades no largo das Caixas d’Água’.

Este site apurou ainda que, em relação à polêmica transposição, a intenção do ato ‘é marcar a retomada do calendário das manifestações para exigir celeridade aos processos que já contempla servidores por força da Emenda Constitucional nº 60/2009 à folha da União’, concomitantemente, com outras decisões já tomadas.

Na esteira do calendário das novas manifestações, os protestos que se iniciam na segunda, 17, ‘os sindicalistas querem mostrar aos governantes e a opinião pública que os trabalhadores querem e exigem a manutenção de direitos, bem como a sua ampliação, que beneficiam toda a sociedade’.

TRANSFUGAS FOGEM À LUTA – Além dos trabalhadores em educação e penitenciários, outras categorias envolvidas com negociações com o Governo já confirmaram participação no evento.

XICO NERY é Produtor Executivo de Rádio, Jornal, TV, Repórter Fotográfico e CONTATO de Agências de Notícias nas Amazônias, Países Andinos e Bolivarianos.

Fonte: XICO NERY

Noticias relacionadas

Banner Ale

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias