Quarta-Feira, 01 de Novembro de 2017 - 16:34 (Nacional)

L
LIVRE

SECRETARIA DIZ QUE VAI RETIRAR CINEMA PARTICULAR DE PRISÃO DE CABRAL

Entrada do tocador de blue ray, TV de LED 65 polegadas, caixas de som e 160 CDs havia sido atribuída a duas igrejas evangélicas


Imprimir página

Secretaria de Administração Penitenciária do Rio afirmou em nota que vai retirar os equipamentos de "home theater" da cadeia pública José Frederico Marques, onde está preso o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). A decisão foi tomada após os doadores oficiais negarem ter adquirido o "cinema caseiro".

Reportagem do "Jornal Nacional", da TV Globo, mostrou que a Igreja Batista do Méier apenas "emprestou" o nome para que os aparelhos chegassem ao presídio como doação. À emissora, uma missionária da entidade afirmou que o "home theater" foi adquirido pelos próprios presos.

"A Seap informa que infelizmente vai suspender qualquer tipo de doação feita por entidades religiosas para unidades prisionais. Cabe ressaltar que mesmo a unidade prisional tendo recebido os equipamentos em documentação assinada por três missionários da Igreja Batista do Méier, com a assinatura de missionários que não assumem a doação, todo o material de vídeo recebido será retirado da Cadeia Pública José Frederico Marques, uma vez que se tornam irregulares", diz a nota do órgão.

A entrada do tocador de blue ray, TV de LED 65 polegadas, caixas de som e 160 CDs havia sido atribuída a duas igrejas evangélicas.

A pasta afirma ainda que doação semelhante já ocorreu em outras quatro unidades do sistema penitenciário. A Igreja Batista do Méier já havia negado em nota publicada em sua página no Facebook ter feito a doação. A outra denominação mencionada era a Comunidade Cristão Novo Dia, que não se pronunciou sobre o caso.

"Cabe ressaltar que na Cadeia Pública José Frederico Marques, tal videoteca está sendo instalada e funcionará nos mesmos moldes das outras unidades, com doação total dos equipamentos feitos pela referida igreja. A instalação de videotecas nas unidades prisionais estão dentro das previsões da Lei de Execuções Penais que cita a ressocialização dos internos", afirmava a primeira nota da pasta.

O ex-secretário Wilson Carlos havia sido designado pela direção do presídio para trabalhar na videoteca, o que o habilita a reduzir sua pena em um dia para cada três trabalhado.

"O acesso dos internos à essa videoteca será determinado pelo diretor da unidade prisional. O mesmo irá estabelecer dias e horários de cada galeria para usufruir do benefício. Cabe ressaltar que o acesso dos internos não será todos os dias", dizia a nota. Ele agora perderá o benefício.

O Ministério Público do Rio afirmou, em nota, que instaurou um procedimento para investigar a "possível prática de crimes contra a administração pública, falsidade ideológica ou material".

Cabral vai permanecer na cadeia de Benfica após o ministro Gilmar Mendes deferir em liminar habeas corpus contra a determinação de transferência para um presídio federal. A ordem partiu do juiz Marcelo Bretas e havia sido confirmada pelo juiz Abel Gomes e pela ministra Maria Thereza de Assis Moura.

BIJUTERIAS

Bretas decidiu transferir Cabral para um presídio federal porque, durante audiência na Justiça Federal, o ex-governador fez menção à família do juiz, que trabalha no ramo de bijuterias.

Para o procurador Sérgio Pinel, Cabral teve acesso a "informações indevidas dentro da cadeia".

No pedido ao Supremo, contudo, a defesa afirma que o comentário não pode ser interpretado como ameaça e menciona que o próprio juiz abordou a atividade econômica de seus familiares em uma entrevista.

Gilmar Mendes concordou com os argumentos da defesa. Para o ministro, a menção à família de Bretas não se tratou de ameaça e tampouco Cabral recebeu informação privilegiada estando dentro do presídio.

"Ainda que desastrada, a alegação do réu tem ligação com o caso em julgamento e representa conhecimento de dado tornado público pela própria família do julgador", escreveu o ministro. Com informações da Folhapress.

Fonte: 010 - noticias ao minuto

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias