PSDB PODE TER SIDO VÍTIMA DE FOGO AMIGO COM AJUDINHA DO EX-PRESIDENTE DO SDD, DIZ INVESTIGADOR INDEPENDENTE - News Rondônia Investigadores particulares apontam para a formação de um grande cartel integrado apenas por grupos políticos interessados em subtrair documentos imprescindíveis a uma suposta cassação de registros de candidaturas de opositores tucanos ainda na Primeira Instância.

Porto Velho,

Terça-Feira , 15 de Julho de 2014 - 18:32 - Colaboradores


 


PSDB PODE TER SIDO VÍTIMA DE FOGO AMIGO COM AJUDINHA DO EX-PRESIDENTE DO SDD, DIZ INVESTIGADOR INDEPENDENTE

Investigadores particulares apontam para a formação de um grande cartel integrado apenas por grupos políticos interessados em subtrair documentos imprescindíveis a uma suposta cassação de registros de candidaturas de opositores tucanos ainda na Primeira Instância.

ImprimirImprimir página

Guajará-Mirim, AMAZÔNIA BRASILEIRA - As novas linhas de investigações em cima do arrombamento ocorrido na sede do PSDB há uma semana, em que pese à ação da Polícia rondoniense, começam a mostrar um novo desenho para o modus operandi utilizado pelos criminosos.

Investigadores particulares apontam para a formação de um grande cartel integrado apenas por grupos políticos interessados em subtrair documentos imprescindíveis a uma suposta cassação de registros de candidaturas de opositores tucanos ainda na Primeira Instância.

ASSIS É UM INOCENTE ÚTIL - Segundo disse, há informes saídos das prévias, a partir da formação das nominatas partidárias tratadas com o presidente do SDD, Francisco de Assis e um fonoaudiólogo – de nome ainda não revelado – “que dois deputados se viram ameaçados em uma não reeleição”.

Nas pesquisas prévias, logo após a notícia dada à polícia pela direção do PSDB, que, “o roubo de um computador nos leva a crê que, os bandidos procuravam informações e documentos específicos tirados da convenção tucana no dia 27 de junho”.

Sem cerimônia, ele taxou de “ladrões de galinha aqueles que invadiram e arrombaram o diretório do PSDB, do candidato a governador Expedito Júnior”. O ato foi definido por Maldonado, como “uma cópia fiel de políticos ladrões do dinheiro público, matadores de aluguel e líderes de cachorros soltos no episódio das caças às bruxas”.

Ele foi mais além e atribuiu a ousadia a opositores a Expedito Junior, além de condenar a suposta participação do ex-governador Ivo Narciso Cassol [PP], na cooptação de última hora de Francisco de Assis, além de a prováveis planos de deputados do próprio ninho dos tucanos, possivelmente, ameaçados em não se reelegerem”.

Segundo investigação dentro do SDD de Rondônia, certa vez Assis teria confessado que, “o deputado Jean Oliveira, agora, me procura”, mas me deu chá de cadeira no gabinete quando fui em busca de ajuda e/ou pelo menos, em uma cesta básica, pelo trabalho que fiz na campanha dele e do pai, Carlão de Oliveira”.

Na conversa, detectou-se uma fagulha de ódio aparente de Assis pelo parlamentar tucano, filho do ex-presidente da Assembléia Legislativa, Carlão de Oliveira. Porém, segundo dissera, à época, que, “poderia ajudá-lo com uma nova nominata” que, certamente iria elegê-lo, também, a deputado federal.

Os deputados Jean Oliveira e Euclides Maciel [PSDB], face à avalanche de candidatos nas coligações que apóiam Expedito Júnior ao Governo, ainda podem ter problemas em suas reeleições, atestava Assis duas semanas atrás no calor das articulações com os grupos majoritários.

FOGO AMIGO - De novo, o investigador aponta para a produção de indícios considerados fortíssimos rumo ao esclarecimento de um roubo, cujo caráter é político, para dentro do próprio grupo político tucano. Segundo a fonte, “as atas desfeitas, assinaturas, nomes e endereços desfeitos, os adversários fora do páreo, o caminho estaria livre aos candidatos naturais”.

TRAIÇÃO DE ASSIS E DA MULHER AO SDD LEMBRA SANSÃO E DALILA - Um segundo indício apontado pelo investigador, nos dois lados da fronteira, trata-se do episódio do registro da segunda ata assinada pelo ex-presidente do SDD e da Força Sindical, Francisco de Assis Pinto Rodrigues e entregue, com ausência total de assinaturas de delegados e convencionais.

Jean e Francisco de Assis, de acordo com fontes não reveladas dos Sindicatos dos Metalúrgicos e dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio, Empresas e Escritórios de Serviços Contábeis de Rondônia [SEAAC], “teriam reatado a antiga amizade com o parlamentar e o pai dele, Carlão de Oliveira” em visitas de Assis e da mulher, Ivoneide Ramos da Silva, à fazenda de Alta Floresta do Oeste e a casa deles, na Capital Porto Velho.

Com o suposto impedimento de candidatos opositores a Jean de Oliveira, de Expedito Neto [principal adversário de Assis à Câmara Federal pelo SDD e Expedito Júnior ao Governo, “seriam beneficiados Jean e Jaqueline Cassol”.

A suposta entrega do SDD ao ex-governador Ivo Narciso e à irmã Jaqueline Cassol [PR], de acordo com porta-vozes leais ao presidente nacional do partido, no lado brasileiro [Guajará-Mirim], deputado federal Paulo Pereira da Silva e ao presidente da Força Sindical, Miguel Torres, “pode ter rendido a Assis, também, vantagens oriundas de Jean e Carlão de Oliveira”.

NOTICIAS RELACIONADAS

Fonte: XICO NERY

Veja Também

Publicidade

  • Http://www.Auto-doc.pt