Quinta-Feira, 11 de Janeiro de 2018 - 18:45 (Colaboradores)

L
LIVRE

PORTO VELHO PODE GANHAR SERVIÇO DE TAXI SÓ PARA MULHERES

Em que pese ainda não ter começado o serviço ao público feminino, a porto-velhense confessou está ‘temerosa em sua iniciativa ante a sagacidade dos donos de outros serviços de taxi destinado ao público plural’.


Imprimir página

Porto Velho, Rondônia – A ideia nasceu em outra cidade amazônica, mas na Capital Porto Velho o modelo a ser seguido por aqui é atribuído à viúva de um taxista que, ao menos por enquanto, não pretende revelar o nome nem as linhas mestras do serviço de transporte exclusivo para mulheres.

Em que pese ainda não ter começado o serviço ao público feminino, a porto-velhense confessou está ‘temerosa em sua iniciativa ante a sagacidade dos donos de outros serviços de taxi destinado ao público plural’. A maioria dos que podem reagir, contrariamente, é de profissionais tradicionalistas.

Nossa personagem – tratada a partir de agora de Maria João - refere à resistência dos que temem o novo que chega para causar, ela afirma. Segundo revelou ao NEWSRONDONIA, ‘sou viúva de taxista e um dia quase tomaram a placa do meu marido’, como também intentaram contra as viúvas de moto-taxistas mortos.

Em linhas gerais, o novo serviço de transporte de passageiros só aguardaria apenas pelos pareceres jurídico e técnico do grupo de interesse. A fonte deste site confessou, ainda, que, ‘o serviço é de táxi baseado no modelo UBER e/ou compartilhado, com prestação exclusiva ao público feminino’.

Para isso, o grupo liderado por nossa personagem já fez consultas técnicas aos órgãos de controle e fiscalização, podendo sair às ruas após a solução a ser dada pelo prefeito Hildon Chaves aos polêmicos serviços prestados pelo sistema UBER e Taxi-Compartilhado – ainda funcionando na ilegalidade. 

Ouvida a acadêmica Sandra Regina de Souza, 37, elogiou a atitude pela dupla de mulheres viúvas de taxista e noto-taxista em inovar o mercado de prestação de serviço no setor de transporte de passageiros. Desta feita, ‘voltado exclusivamente ao público feminino’ que, em alguns momentos do translado sofre ameaças de bullying e em outras situações, sequestro relâmpago seguido de morte brutal cujos corpos são achados em varadouros.

Por fim, indagada Maria João sobre tão grande silêncio e sigilo supulcral sobre o novo serviço na cidade, ela citou vários casos tenebrosos que vitimaram moto-taxistas clandestinos, à época, que sofreram forte repressão atribuída a taxistas em fúria. Os tradicionalistas não admitia a chegada do novo serviço que, atualmente, está regularizado no País.

XICO NERY   

Fonte: 010 - NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias