Quinta-Feira, 19 de Abril de 2018 - 13:59 (Colaboradores)

L
LIVRE

PORCO VELHO: LATRINA DO BRASIL - POR PROFESSOR NAZARENO

E quem diz isso é o Instituto Trata Brasil em sua última publicação sobre o ranking do saneamento básico nas cidades do país.


Imprimir página

Agora é oficial. Porto Velho, a imunda, podre e fedorenta capital de Rondônia, é a pior dentre as maiores cidades do país em saneamento básico e água tratada. Até o ano de 2017, estávamos à frente de Ananindeua no Pará e de Macapá, capital do Amapá. Em 2018, com apenas 36,3%das residências com água encanada e de risíveis 3,3% de esgotos e saneamento básico, a capital das sentinelas avançadas ficou em centésimo lugar, ou seja, amarga a lanterna dentre as cem maiores cidades do Brasil. E quem diz isso é o Instituto Trata Brasil em sua última publicação sobre o ranking do saneamento básico nas cidades do país. Uma vergonha se levarmos em consideração o fato de que estamos localizados ao lado do rio Madeira, um dos maiores rios do mundo, com água barrenta, mas potável. Isso sem falar em vários outros rios menores e muitos igarapés.

Além de ser vergonhoso viver em um lugar inóspito, que ostenta estes números ridículos quando se fala em limpeza urbana, somos obrigados a pagar uma das mais altas taxas de IPTU dentre as capitais. Pagamos também taxa de iluminação pública para vivermos praticamente na escuridão.

A Ponte do rio Madeira é escura e o viaduto do antigo Trevo do Roque não tem uma só lâmpada. As ruas do centro e dos bairros mais distantes também imitam o breu. E ainda falta muita energia. Porto Velho fede à merda por onde se vá. A podridão e a carniça podem ser sentidas nos quatro cantos da capital. No inverno, as alagações dão o tom da estação chuvosa. Ruas inteiras e grandes avenidas se parecem rios imundoscom bosta boiando em suas pútridas águas. Isso quando não se veem animais mortos cobertos de tapurus “enfeitando” a triste paisagem.

Infelizmente Porto Velho sempre foi assim. Entra ano e sai ano e nada melhora por aqui. A esculhambação não tem fim. Parece que nunca teve prefeito que mostrasse um mínimo de amor pela “prostituta velha e abandonada”. Só este ano, 150 milhões de reais serão desperdiçados. Se a cidade fosse uma mulher, todos os seus administradores já tinham sido enquadrados na Lei Maria da Penha. Pior: praticamente todos os que a maltrataram estão este ano de 2018 nas ruas pedindo o voto dos tolos porto-velhenses. Porto Velho não tem porto. O barranco escorregadio já substituiu o moderno porto rampeado doado pela Santo Antônio. E ninguém toma providências. Deve ser porque é só gente pobre que usa aquelas instalações. Rodoviária há, mas é suja também. Isso sem falar no acanhado e feio aeroporto, que de internacional não tem absolutamente nada.

Nós somos a latrina do Brasil. Uma cidade porca, cheia de lixo e fedorenta. Ninguém de fora quer investir num lugar onde a sujeira é rotina. Depois de um show ou mesmo um desfile de carnaval, toneladas de lixo invadem as ruas entupindo os poucos bueiros que existem. Depois, as infectas águas pluviais fazem o resto do serviço. Aqui não há praças floridas como em Curitiba, que ficou em primeiro lugar dentre as capitais. Não há recantos de lazer. Flores, nem nos cemitérios existem. Nem Natal iluminado tem por aqui como nas cidades de verdade do sul do país. Mas Porto Velho tem passarela no Espaço Alternativo onde os mais simplórios se deleitam e fazem “fotinhas” para postar nas redes sociais. Tem também bandeiras na entrada da cidade em vez da estátua do Jeca Tatu. Impossível não sentir vergonha quando os nossos parentes insistem em nos visitar. Pelos recursos que existem, Porto Velho não merecia essa situação deprimente.

*É Professor em Porto Velho.

Fonte: Professor Nazareno / NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias