Quinta-Feira, 09 de Novembro de 2017 - 18:01 (Colaboradores)

L
LIVRE

POLÍTICA & MURUPI: FALHA NOSSA - POR LEO LADEIA

Isso vale para celulares e em tempos de bisbilhotice explícita para a parafernália eletrônica que pode mandar sua reputação literalmente para o ciberespaço.


Imprimir página

“Lula e Bolsonaro acabam sendo cabos eleitorais um do outro” – Marina Silva.

1-Falha nossa

O jornalista e apresentador William Waack da Rede Globo esqueceu uma regra de ouro: jamais confie em microfones e câmeras, eles podem estar ligados. Isso vale para celulares e em tempos de bisbilhotice explícita para a parafernália eletrônica que pode mandar sua reputação literalmente para o ciberespaço.

Que o digam Temer, Lula, Dilma e em tempos de antanho, Ricúpero. Wack que dizem não ser exemplo de cordialidade entre colegas fez a piada de péssimo gosto, infame e racista e alguém o entregou. E agora? A Globo não perdoa coisas do tipo. Danou-se!

2-PF sob nova direção

A esteira rolante que deu acesso ao delegado Fernando Segóvia na Polícia Federal passou a girar no sentido inverso defenestrando duas figuras bem conhecidas da segurança: o primeiro a sair foi opróprio secretário nacional de Justiça, Astério Pereira que pediu exoneração do cargo.

Jorge da Silva que era diretor do Departamento de Políticas de Justiça da SNJ também se pirulitou. Daqui até a efetivação do chefe Segóvia, a PF está sob comando duplo ou se preferem em transição.

3-Firmeza na segurança

Para o cidadão comum o que paga a conta de carros, gasolina, armas, fardas, salários, diárias e tudo mais a segurança no Brasil é uma esculhambação. A estrutura para funcionar é precária e aí sobram os resultados que envergonham o país com as balas perdidas, cadeias superlotadas, BO mal feito, investigação incompleta e linha de comando quebrada pela corrupção. Só para se ter um pálida ideia, o ministro da Defesa mal fala com o da Segurança Institucional, que não fala com o da Justiça, que fala mal da PM do Rio, que dá chapéu no governador. É osso barão! É a treva!

4-Privatizações I

Sairam as regras para privatização das distribuidoras de energia, dentre elas a nossa velha Ceron ou Eletrobrás Distribuição Rondônia. Defensor do estado mínimo, sou favorável a que o estado se dedique a algumas áreas específicas e deixe com a iniciativa privada a exploração regulamentada do restante.  

A União – que somos todos nós, povo que paga o imposto – terá que arcar com um prejuízo de R$ 11 bilhões. Para a “tchurma do diga não à privatização” seria relevante dar uma olhada na origem do rombo. A discussão vai se estender com as furadas explicações de que a conta vai subir. Prefiro a conta maior por um serviço melhor. E não há recurso para investimentos.

5-Privatizações II                                                                                                                                  

Na mesma linha da Ceron, mas em termos bem mais modestos a Caerd também deve, precisa e terá que trocar de mãos. De novo o povo, ou seja, nós que pagamos tudo com nossos impostos, teremos que assumir uma dívida para entregar a torneira para outros donos. De novo a conta é alta e no caso da Caerd nem se sabe ao certo quanto, mas nada menos que R$ 2 bilhões. Quero água de qualidade para todo mundo ainda que tenha pagar mais caro.                                                     

6-Privatições III

Nesta sexta nova audiência pública para debater a questão da BR 364. Rondônia precisa de uma rodovia duplicada, sinalizada, com acostamento, manutenção full-time, serviço de internet, pontos de controle, balanças, enfim tudo que existe noutros lugares importantes.

Claro que iremos pagar o pedágio nos postos como todo mundo. Prefiro pagar o pedágio e já, em dinheiro, do que com vidas como ocorre hoje. que é bem mais barato.  do que o valor que pagamos todos os dias.

leoladeia@hotmail.com
Facebook Leo LadeiaII

Fonte: Leo Ladeia/NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias