Terça-Feira, 22 de Maio de 2018 - 11:28 (Colaboradores)

L
LIVRE

POLÍTICA & MURUPI: ESTANCANDO A SANGRIA

Os gastos explodiram e as necessárias reformas foram bombardeadas e não aconteceram. Some-se a isto uma ocorrência externa.


Imprimir página

FRASE DO DIA:

“Esse trabalho não tem sido fácil. Velhas práticas da corrução do sistema e impunidade são difíceis de serem superadas. Há ameaças, riscos e tentativas de difamação. Alguns criminosos não querem mudar o status quo da corrupção e da impunidade. E eles são muitos. E são poderosos”. – Juiz Sérgio Moro na Universidade Notre Dame nos EUA.

1-Estancando a sangria

O país está novamente como o bêbado buscando a saída da loja de louças às escuras. Antes de sair, destrói quase tudo. A economia que vinha desarrumada começou a andar pelas mãos da dupla Meireles e Ilan Goldfajn do BC, mas o governo errou feio no ajuste fino. Os gastos explodiram e as necessárias reformas foram bombardeadas e não aconteceram. Some-se a isto uma ocorrência externa.

O dólar se valorizou e o mundo se viu frente a frente com a saúde dos EUA que tem o incrível dom de ficar forte e sugar a saúde do resto do mundo.

2-Receita vencida

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia ao ver caminhões parados começou a ter ideias. Fim da Cide, redução do PIS/Confins, ICMS dos estados e creiam, uma comissão com  Petrobras, distribuidoras, postos, governo e especialistas da área. Maia age como viciado: doença velha, o remédio de sempre mesmo se for câncer: band-aid, mertiolate e chá de camomila.

Soluções simples para problemas complexos podem causar efeitos colaterais até mais complexos que os originais. É a tentação intervencionista. E ainda reclamam do ativismo judiciário. Ora, ora...   

3-Faça o que eu mando

Maia ainda pensava o que fazer e o “sanatório geral” já enviava sinais de fumaça. A Petrobras vai ter que reduzir o preço de diesel e gasolina nas refinarias já a partir de amanhã. Diesel em R$2,3351 e gasolina em R$2,0433.

É o vício antigo de se intervir na economia para empurrar com a barriga. A Petrobrás, que vinha saindo da crise sentiu o peso do estado lento e pesado. E a gente reclama do Maduro. Não temos governo e não sabemos o que é gestão.   

4-Década perdida

Deixar o Brasil de ponta cabeça não foi difícil. Qualquer Temer, Rodrigo Maia ou Bolsonaro o fariam. É só aumentar gastos, não priorizar demandas, meter a mão na economia, aumentar impostos e atuar como se estivesse em campanha permanente. Reverter a posição demanda tempo, conhecimento e foco.

Nossa classe política é ruim e desplugado do povo. É preciso reduzir o tamanho do estado e aceitar o mercado que sem ser a panaceia absoluta, é a via para o país se abrir a uma nova ordem. Vejam o agronegócio... 

5-Perdidões

Temer chamou seu marqueteiro, Elsinho Mouco para uma sessão de aconselhamento e pelo jeito com “descarrego brabo” pra ver se afasta o “encosto da candidatura”.

Seriamente Temer estuda a possibilidade de deixar a vaga para Francisco Meireles, que anda mais perdido que cachorro em procissão e nas pesquisas mais queimado que dedo de noiado. Esse povo tem mais sorte que juízo. Gastar dinheiro pra nada. Ara sô...

leoladeia@hotmail.com

Fonte: Leo Ladeia/NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias