Sabado, 26 de Agosto de 2017 - 10:02 (Colaboradores)

L
LIVRE

PLANOS DE ‘FACÇÃO’ CRIMINOSA É EXECUTAR AUTORIDADES ATÉ 31 DE AGOSTO

Na mira da facção criminosa estariam jurados para morrer um juiz corregedor da penitenciária federal de porto velho, um procurador da república, um delegado da polícia federal.


Imprimir página

Uma reportagem do publicada pelo ‘Site UOL’ divulgou os planos ‘facção’ criminosa primeiro comando da capital,PCC parar matar autoridades de Rondônia.  A ordem seria uma ‘represália’ da organização por causa da suspensão da visita intima e do tempo de permanência de presos do ‘PCC’ por um período maior de tempo na penitenciaria federal.

Na mira da facção criminosa estariam jurados para morrer um juiz corregedor da penitenciária federal de porto velho, um procurador da república, um delegado da polícia federal. Além quatro agentes federais. Todos com atuação em Rondônia.

Essas autoridades estiveram à frente da operação ‘epistolas’ desencadeada no dia 24 de março deste ano. Na ação a polícia federal colocou fim em um esquema criminoso envolvendo diversos familiares do traficante Luiz Fernando da costa o ‘Fernandinho’ ‘beira mar’. Na investigação a polícia descobriu que os negócios do traficante diversificaram, além do trafico de drogas. E ainda: que o bandido mesmo preso dava ordens de dentro da penitenciária federal daqui de porto velho.

O documento escrito pelo diretor do presídio federal de porto velho, Cristiano Tavares Torquato foi enviado ao superintendente da polícia federal de Rondônia, Araquém Alencar. A ordem seria uma vingança da organização como forma de intimidar os servidores que trabalham nas penitenciárias de Catanduvas, no Paraná, campo grande, no mato grosso do sul, Mossoró no rio grande do norte e porto velho.

Na reportagem do UOL a ‘orcrim’ aponta uma meta para matar até dois agentes por presídios. Após as ameaças o departamento penitenciário federal emitiu um alerta para que os servidores redobrassem os cuidados.

O primeiro atentado atribuído à facção ocorreu em 02 de setembro, dois depois da data de aniversário do PCC. O agente penitenciário Belarmino Almeida da Silva foi morto com 24 tiros nas costas quando seguia de carro para o trabalho na unidade de catanduvas.

A ordem de matar as autoridades seria uma represália após o ministério dá justiça proibir a visitação íntima e de manter por um prazo maior de tempo presos do PCC. Consta no documento que as ações de execução deveriam ocorrer até o dia 31 de agosto, data em que a ramificação criminosa completa 24 anos de existência.

Nossa reportagem procurou em Rondônia as autoridades da Polícia Federal e do Ministério Publico Federal (MPF/RO) para falar sobre o assunto. Suas assessorias informaram que não iam se manifestar.

Fonte: NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias