Terça-Feira, 09 de Julho de 2013 - 21:29 (Colaboradores)

OS DESCAMINHOS DO DINHEIRO NA COMPRA DE ELEIÇÕES E CRISE ENTRE OS PODERES

De outro lado, sabe-se, no entanto, que a crise entre parte de deputados e Confúcio teve início, verdadeiramente, ‘no pós eleição para o Palácio Presidente Vargas com a derrota de João Aparecido Cahulla e a unção do foragido Walter Araújo’, atestou uma fonte deste site.


Imprimir página

Ariquemes, Rondônia – Com o andamento célere da ‘Operação Apocalipse’ da Polícia Civil, a oposição ao governador Confúcio Moura, no afã de obter o seu desdobramento, contra ataca e chama para o mesmo campo de batalha o Ministério Público e seus agentes, laureados ainda pela mídia acreditada no Parlamento rondoniense e do entorno de outros poderes mais à direita.

Neste ex-grotão da lavoura cacaueira, ‘o prato do dia é quem ainda falta ser preso’. Afinal, 500 policiais foram mobilizados para isso pelo homem forte do Governo, o delegado federal licenciado Marcelo Bessa, este acusado por José Hermínio Coelho [PSD e ex-PT], em se ‘homiziar no Tribunal de Contas do Estado, em cargo vitalício’.

De outro lado, sabe-se, no entanto, que a crise entre parte de deputados e Confúcio teve início, verdadeiramente, ‘no pós eleição para o Palácio Presidente Vargas com a derrota de João Aparecido Cahulla e a unção do foragido Walter Araújo’, atestou uma fonte deste site.

A fonte afirma que, ‘Dr. Confúcio pegou um limão e não conseguiu fazer uma boa limonada’. A intenção dele no jogo de xadrez posto à mesa da ALE, sempre foi a de não ceder a favores ou a compras de votos para obter o controle do Legislativo’. Em miúdos, ‘manter a independência dos poderes’, revelou.

Hermínio Coelho chegou a Casa sob a forte influência do PT [Partido dos Trabalhadores] e a voracidade de líder sindical que tenta manter um movimento paredista ao extremo, tal qual ‘o fechamento das garagens de ônibus, trancamento das roletas e ao final melhoria das condições de trabalho, aumento de salários e plano de saúde no teto mil’, disse a fonte.

CADÊ O WALTER ARAÚJO? - Em jogada de ‘mestre’, Walter Araújo arregimentou às suas fileiras, além de Hermínio [eleito vice-presidente], a petista Epifânia Barbosa e outros ligados ao novo governo e se consagrou presidente da Assembléia em substituição Neodi Francisco Oliveira. A partir daí, ‘tensão e medo foram instalados entre o Legislativo e o Executivo’.

Cassado, preso e o agora foragido, Walter Araújo, abriu o caminho para a unção de Hermínio Coelho à presidência em um processo discutível, isso na opinião de aliados da República de Ariquemes. O resultado foi emparedamento da irmã e do cunhado do Governador, Cláudia e Francisco Assis, hoje, envoltos em casos de suposta corrupção e sinecuras fora do Governo.

ALE ACUADA, PALÁCIO TREMENDO – Com Hermínio afastado da Presidência e presos os deputados Jean Oliveira [filho de Carlão Oliveira], deputado Boiadeiro e Cláudio Carvalho, todos associados pelo MP e a Justiça Estadual ‘a traficantes, a agiotas, a nepotismo, a trens da alegria com a contratação de fantasmas’, o Parlamento e o Palácio Presidente Vargas rondonienses repetem uma história já vivida, também, por governos militares.

PEÇA RARA, PRATA DA CASA – Em entrevista, Hermínio negou as relações apontadas pelo MP e pela cúpula da Polícia Civil com o traficante alcunhado de ‘Beto Baba’, cujo banker está sediado na Zona Sul da Capital Porto Velho cujo poder transcenderia ao controle do Estado.

Para a polícia rondoniense, ‘Baba é um contumaz financista de campanhas de políticos, sobretudo de deputados e vereadores’. A Ana da 8, ex-sitiante da Linha 8, do Projeto de Assentamento Sidney Girão, em Nova Mamoré, ‘seria uma delas, ao lado de Hermínio e os vereadores Jair Monte, Marcelo Reis e outros’.

Entre os presos, dois casos chamaram a atenção de investigadores particulares e experientes policiais aposentados. Trata-se da prisão do deputado Cláudio Carvalho [PT] e do filho de Hermínio Coelho. Segundo parte dos autos, ‘Cláudio, que é cunhado de Hermínio, foi alcançado pela Apocalipse por homologar a contratação da mulher de um suposto traficante que já atuava no gabinete de Jesualdo Pires, atual prefeito de Ji-Paraná’.  

No segundo caso, ‘Guga é o apelido do filho de Hermínio’, mas o procurado que apareceria nas escutas feitas com autorização da Justiça, seria o Guga servidor da Câmara de Vereadores de Porto Velho. Contudo, até aqui, ‘esses fatos ainda não esclarecidos pela Polícia nem pela Justiça rondoniense.

O DIA EM QUE HERMÍNIO AJOELHOU E CHOROU – Na coletiva, indignado, o presidente afastado revelou que, ‘o dossiê que obteve em desfavor da irmã e do cunhado de Confúcio Moura foi entregue um dia antes do recesso Legislativo’. E comprovou o fato.    

Na defesa do filho, ele afirmou que ‘prenderam meu filho como traficante, um jovem que não tem envolvimento com nada disso’. Ele, igualmente, disse que ‘a luta, agora, é para libertá-lo, reparar o mal entendido e restabelecer o mandato e reassumir a Presidência e agir em busca de Justiça e dos procedimentos jurídicos’. Aliados, arriscam a existência de intempestividade da operação por acreditarem que ‘só a Polícia Federal pode invadir a Assembléia’.  

TIRO NO PÉ? – Por aqui, aliados do Governo negam que, ‘a operação foi adredemente preparada pelo Palácio Presidente Vargas’. Segundo os mais ousados, ‘não há coincidência com a deflagração da Operação um dia após o recesso parlamentar’. Nem com a viagem de Confúcio e a unção do vice, Airton Gurgarcz [PDT].

Outros, da parcela dos considerados céticos, admitiram, na ocasião, que ‘a Policia está na obrigação de esclarecer o libelo do processo investigatório, bem como a cocaína e o dinheiro movimentados pela quadrilha chefiada por Beto Baba e outros’. Parte deles, de igual modo, ‘se solidarizou com a Polícia e com o MPE por levar à cadeia não mais as arraias miúdas’.

DA HISTÓRIA, OS FATOS – Hermínio Coelho tem origem nas lides sindicais. Pernambucano, da terra de Miguel Arraes [já falecido], segundo seu currículo no banco de dados do TRE [Tribunal Regional Eleitoral], ‘não consta acesso à formação acadêmica’. Para muitos, ‘ele é igual à maioria dos líderes que vem do seio do povo’.

Na condição de presidente da Câmara, na eleição de 2012 rompeu com Roberto Sobrinho. E ensaiou vôo solo na política para deputado. Saiu-se vencedor. Chegou à presidência da Assembléia. Com isso, se auto-denominou pré-candidato à sucessão do governador Confúcio Moura. Desde a deposição de Walter Araújo, trava uma verdadeira guerra com o Governo, sempre exigindo a derrubada do Governo e a prisão de aliados corruptos, da irmã Cláudia e do cunhado Francisco de Assis.

DA OPERAÇÃO – Há, pelo menos, dezoito meses, a Polícia Civil vem coletando informações políticas, econômicas e de campanhas supostamente financiadas pelo traficante alcunhado de ‘Beto baba’, o temido ‘Barão da cocaína da Zona Sul da Capital Porto Velho’.

Foi dele o maior foco das investigações feitas pela SESDEC e órgãos vinculados da sua cúpula de inteligência. O teatro de operações da PC, segundo fontes deste site, ‘não teve a colaboração da Polícia Federal ou da Agência Brasileira de Inteligência [ABIN]. A maioria dos agentes é da Delegacia de Narcótico [DENARC], Captura [Sevic] e da Diretoria Executiva da SESDEC.

Estudos de inteligência foram feitos no período. A princípio, aliados de Hermínio e de vereadores presos, acreditam, contudo, que a oposição ‘é uma revanche do governo à oposição aberta na Assembléia pelos deputados presos’.

Mas a atenção maior, agora, por aqui, é quanto ao afastamento de Hermínio. Para a República de Ariquemes – a maioria dos auxiliares de Confúcio mora na cidade e região – ‘as prisões fizeram com que toda a população volte a entrar em estado de alerta para uma possível cassação e uma suposta deposição da mesa diretora’.

É que a notícia de uma possível derrubada da mesa diretora da Assembléia desabou sobre Rondônia como o impacto de um furacão, a princípio, com o afastamento do Presidente e as prisões de Jean Oliveira [filho de Carlão Oliveira, alcançado pela Operação Dominó e Walter Araújo, pela Termópilas e suas variáveis].

Em um segundo momento, informa-se, em rodas políticas próximas à casa do governador, que ‘a SESDEC teria agentes secretos infiltrados em organizações sindicais e comunitárias ligadas a Hermínio Coelho, passando ainda por fornecedores e agências de viagens à cata de informações e documentos, como os que atestaram gastos com diárias de seguranças e da Polícia Legislativa em praias e balneários do Nordeste’.

GUERRA FRIA, SÓ AQUI? O estado de medo e tensão entre mantenedores do Legislativo e Executivo pode chegar ao Judiciário, apostam experientes agentes da inteligência privada ouvidos por este site. O foco seria a ação de células políticas, empresarial e de informais ligados à extrema direita dentro da Assembléia Legislativa há, pelo menos, nos últimos 23 anos.

A escala, dentro dessas supostas ações [legais ou ilegais] passaria por atenção, observação, alerta e alerta máximo - já que Hermínio Coelho chegou a vice de Walter Araújo. Mas, agora, Presidente está envolto a potencial suspeito de envolvimento com o narcotráfico, revelam fontes deste site de notícias.

Para o chefe da Segurança Pública, delegado Marcelo Bessa, ‘os procedimentos estão embasados em Lei’. Tudo que deve ser feito, será feito com base em fundamentos jurídicos, atestou na coletiva na Capital Porto Velho.

Xico Nery é Produtor Executivo de Rádio, Jornal, TV, Repórter Fotográfico e CONTATO de Agências de Notícias nas Amazônias, Países Andinos e Bolivarianos. 

Fonte: Xico Nery

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias