Sexta-Feira, 11 de Maio de 2018 - 11:20 (Política)

L
LIVRE

NO ACRE, HILDON CHAVES JOGA NA CONTA DA IMPRENSA A SUA IMPOPULARIDADE E MÁ GESTÃO

Como justificativa em não encontrar resolução para esses problemas, Chaves lembrou que é muito difícil para um executivo trabalhar, na Amazônia por conta das estações do ano, do inverno rigoroso.


Imprimir página

São diárias as reclamações da população sobre falta de infraestrutura nos bairros, péssimo atendimento na rede municipal de saúde e da insatisfatória educação de Porto Velho. Alguns creditam a conta na ingerência da equipe da prefeitura e cobram resoluções dos problemas, por meio da imprensa, ao prefeito Hildon Chaves (PSDB). No entanto, aos empresários do Acre, o prefeito apontou que as constantes reclamações que aparecem na mídia fazem parte de uma espécie de trama para desconstruir sua imagem perante a sociedade.

O apontamento feito por Hildon aconteceu durante abertura do 1° Fórum de Lideranças Empresariais do Acre realizado nessa quinta-feira (10) no auditório da FIEAC, na capital acreana. De imediato, os ouvintes queriam ouvir experiências exitosas à frente do grupo empresarial liderado por Hildon e família. No entanto, o prefeito discorreu muito mais sobre política, administração municipal do que aos anseios dos presentes.

Em determinado momento, ao falar sobre o processo que passou nas eleições de 2016 bem como da sua conquista pessoal em ser prefeito, Hildon classificou a sua “impopularidade” ou possível “rejeição” como fruto de um complô arquitetado por grupos e setores da imprensa.

Não demorou muito para o próprio prefeito confirmasse que a cidade de Porto Velho vive um dos seus piores momentos, por exemplo, na infraestrutura urbana por conta das ruas esburacadas, sem pavimentação. Como justificativa em não encontrar resolução para esses problemas, Chaves lembrou que é muito difícil para um executivo trabalhar, na Amazônia por conta das estações do ano, do inverno rigoroso.

“Estou com 15 meses no governo e dois invernos. Estamos terminando o segundo inverno. São dez meses ou mais chovendo e cinco ou seis sem chuva. È muito difícil fechar essa conta na parte da infraestrutura principalmente com buracos. Mais vamos resolver isso”, garantiu ele informando que vai disponibilizar insumo para recapear 100 quilômetros de ruas até julho.  

Fonte: NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias