Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018 - 18:48 (Geral)

L
LIVRE

NASH OSWALDO CRUZ: MARINHA DO BRASIL LEVA ATENDIMENTO AS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DA AMAZÔNIA

Desde inicio de fevereiro os marinheiros do Osvaldo cruz cortam os rios Amazônia. E com eles a missão: levar atendimento médico às populações desassistidas.


Imprimir página

Por Emerson Barbosa

Para os ribeirinhos da Amazônia a importância do navio Hospital Osvaldo cruz pode ser traduzida por números.

“Operados pela marinha, e recebendo recursos para obtenção de medicamentos e combustível do ministério da saúde, a atuação destes navios constitui uma parceria que vem dando certo há mais de duas décadas, e que vem crescendo, recebendo agora a participação mais ativa dos estados do amazonas, Pará e acre, e dos municípios da Amazônia”, informa o capital de corveta, André Luis Candido.

Desde inicio de fevereiro os marinheiros do Osvaldo cruz cortam os rios Amazônia. E com eles a missão: levar atendimento médico às populações desassistidas.

“Isso o que acontece é de fundamental importância, principalmente agora com essa enchente anunciada. É uma soma que só amplia e aproxima as pessoas do direito a saúde”, destaca o secretário de Estado da Saúde, Williames Pimentel.

No baixo-madeira em Porto Velho a comunidade de São Carlos foi a primeira a contar com os serviços da ‘nau’ hospital.

“Com a comunidade de São Carlos atendida, Calama será o próximo distrito ser beneficiado com a ida do barco hospital. Para nós da Delegacia Fluvial da Marinha do Brasil na capital rondoniense é uma honra receber uma navio desse poste”, pontua o delegado fluvial da Marinha em Porto Velho, Alexandre Nascimento.

A Marinha do Brasil conta com três Navios de Assistência Hospitalar. Os NasH “Oswaldo Cruz” e “Carlos Chagas” foram construídos com recursos do Ministério da Saúde.

Com 47 metros o Navio Hospital Oswaldo Cruz conta com sala de cirurgia, enfermaria, laboratório, gabinete odontológico, médico e farmácia. Nos casos onde a navegação é de difícil acesso este helicóptero um modelo esquilo entra em cena.

Nele são transportadas vítimas em estado mais grave. O navio também é dotado de lanchas que colaboram com o sérvio de divulgação e socorro.

Ancorado no porto em frente à Estrada de Ferro Madeira Mamoré o navio atraiu a atenção de curiosos.

“Não é todo o dia que temos um navio com esse porte por aqui. Eu vou ficar por aqui. Quero conhecer a cabine, pretendo vê como é a sala de máquinas”, aguardava o vendedor, Aparecido Sebastião que chegou ao local bem cedinho.

Esta servidora pública também não perdeu a oportunidade. A self é para a recordação. “Isso me fascina. Lembro que eu cheguei a fazer um curso de Marinha Mercante. Mas tive o sonho interrompido na época. Se tivesse prosseguido com toda certeza hoje já seria uma capitã de corveta”, recorda, a servidora, Áurea Rodrigues.

O estudante e jovem aprendiz, Carlos Daniel foi outro que aproveitou para registrar a passagem do navio hospital Oswaldo Cruz em Porto Velho.

“A estrutura dele Impressiona muito, ainda mais quando o navio tem um helicóptero. Só de olhar me deu uma vontade de ser marinheiro”, sonha o jovem Carlos Daniel de 16 anos.

Com o passar das horas uma fila se formou. Ninguém queria perder a chance conhecer a ‘navio’ por dentro, mesmo que fosse apenas por alguns poucos minutos, já que o navio Hospital Oswaldo Cruz estava de partida.  

Fonte: NewsRondônia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias