Domingo, 10 de Abril de 2016 - 16:10 (Entrevistas )

L
LIVRE

MIKAEL ESBER: DE PADEIRO A GRÁFICO – A RODA VIVA DA VIDA

A Imediata é o que podemos considerar como empresa familiar pois seu corpo diretor, é formado pela dona Magda casada há 40 anos com o Mikael, seus filhos Welesley, Célio e Vanessa. Mikael também pode e deve ser considerado um dos fundadores da Banda do Vai Quem Quer.


Imprimir página

Quando Rondônia ainda engatinhava no processo de sua colonização, desembarca em Porto Velho o libanês Mikael Esber que ao contemplar o rio Madeira por algumas horas resolveu fixar residência na capital. “Vim direto de Urbelândia para Vila Rondônia e ao chegar disse aos meus primos que queria conhecer a capital, vim olhei o rio Madeira e decidi ficar”. Padeiro de profissão montou a pizzaria Roda Viva na galeria do Ferroviário, matou um urubu e conheceu o governador Jorge Teixeira e passou a atender os coquetéis oficiais.

Com o Plano Collor teve que fechar a pizzaria. “O povo não podia sair de casa porque não tinha dinheiro para colocar gasolina no carro, por isso fechei a Roda Viva”. Sem ter o que fazer, aceitou ser representante de uma gráfica e depois resolveu colocar seu próprio negócio. “A Gráfica Imediata hoje é uma das mais modernas do Brasil”. 

A Imediata é o que podemos considerar como empresa familiar pois seu corpo diretor, é formado pela dona Magda casada há 40 anos com o Mikael, seus filhos Welesley, Célio e Vanessa. Mikael também pode e deve ser considerado um dos fundadores da Banda do Vai Quem Quer. Acompanhe essas histórias:

ENTREVISTA

Zk – Vamos começar pela sua identificação?

Mikael - Nasci no dia 10 de novembro de 1950, aliás, fui registrado nessa data, mas, nasci mesmo no dia 15 de agosto dia de Nossa Senhora. Nasci no Líbano. Vim pro Brasil com 20 anos de idade, desembarquei em São Paulo depois fui para Uberlândia Minas Gerais.

Zk – Começou a trabalhar em que?

Mikael – Minha profissão na época era a de padeiro, isso desde o Líbano, quando vim pro Brasil eu e meu tio tínhamos padaria em Uberlândia. Nessa mudança de padaria do Líbano pra cá aconteceu uma mudança radical, lá no Líbano é outro tipo de pão. Em Uberlândia era a Panificadora “Pão de Açúcar”. Aconteceu que vim pra ficar apenas 30 dias e meu tio viajou e foi quando o pau estourou no Líbano e eu não podia mais voltar por causa da guerra civil. Meu visto era para 90 dias e com isso consegui renovar por mais 90 dias. Cheguei ao Brasil no dia 23 de maio de 1971.

Zk – Qual a cultura do Líbano?

Mikael – O Líbano é dividido em quatro partes, cada lugar tem um estilo deferente. Apesar de ser considerado pequeno, pra nós é grande demais, ele tem 250 km de comprimento por 55 km de largura com aproximadamente 3 milhões de habitantes.

A guerra da época não foi uma guerra nossa, compramos a guerra pra defender os Palestinos que moravam dentro do Líbano. Foi a nossa cruz na verdade.

Zk – E essa história do brasileiro chamar vocês de Turco?

Mikael – Na verdade as pessoas não são obrigadas a saber o que realmente aconteceu. A Turquia dominou o mundo Árabe e parte da Europa por 450 anos, isso não é novidade pra ninguém. Acontece que os primeiros libaneses que saíram para outros países, saíram com passaporte Turco. Quando terminou o domínio turco entrou a Síria que passou a emitir dinheiro e todos os documentos, aí passamos a ser chamado de Sírio. Só a partir de 1943/45 foi que o Líbano começou a emitir documento. No Brasil é hospital, clube tudo que existe é denominado como Sírio/Libanês.

Zk – Vocês também adotaram a cultura do mascate, daquele vendedor de porta em porta?

Mikael – Sim! A gente chegava aqui ia fazer o que? O fulano trazia o sobrinho chegava aqui dizia: Taqui uma mala cheia de roupa, vai lá vender. O mascate tem origem no mundo Árabe. Nós não sabemos trabalhar de empregado.

Zk – E Porto Velho, aliás, como foi que você veio parar em Rondônia?

Mikael – Essa é uma historia muito bonita! Na época eu casei no dia 29 de fevereiro com a banda de carnaval atrás de mim e eu indo pra igreja. Casei num dia de domingo, era o costume da maioria dos católicos, e eu sou católico ortodoxo, casar aos domingos. Como já falei, tinha uma padaria lá em Uberlândia e o prédio onde essa padaria funcionava foi vendido e eu fiquei sem fazer nada e vim parar em Vila de Rondônia (Ji Paraná). Lá existia o Comercial “Irmão Nicola” que são meus primos que me trouxeram pra cá. Quando cheguei em Vila de Rondônia, falei: Primo quero conhecer a capital e mesmo eles insistindo pra eu ficar, vim conhecer Porto Velho.

Zk – E o que aconteceu?

Mikael – Desembarquei na rodoviária de Porto Velho que era na Sete de Setembro, isso era o ano de 1976, exatamente no dia 15 de abril. Assim que saltei do ônibus desci a Sete e fui até a beira do rio Madeira a pé. A sete de Setembro era mão dupla. Fiquei aproximadamente meia hora contemplando o rio Madeira e disse, esse é o lugar que vou morar. Voltei a pé pela Sete e quando cheguei na Padaria Reski (o nome em Árabe quer dizer patrimônio), conversei com o João em Árabe, subi e vi a Panificadora Caravela do Madeira lotada de gente, quando cheguei na Panificadora Camponesa (na Sete de Setembro com a Joaquim Nabuco), parei pra tomar uma água.

Entrei tomei um café, pedi uma garrafa de água pra levar e tinha um senhor atrás de mim balançando uma chave na mão e disse: Mikael me virei e vi que era um patrício que conheci em Uberlândia. Ele era o arrendatário da Panificadora Camponesa da família Pimentel (Jacinto Pimentel). Falei pra ele que não tinha dinheiro pra ficar com aquilo não e ele, pega a chave, to doido pra ir embora daqui, fica com a Padaria, o que tu tens pra trocar e respondi: Rapaz trouxe sabão, bala doce, fubá, leite ninho ta tudo em Ji Paraná é um caminhão de mercadoria. O nome dele era Remer Salum. No mesmo dia sentei na cadeira da Padaria e depois fui buscar as coisas em Vila de Rondônia e fizemos a troca, farinha de trigo, bebida com o material que tinha no caminhão. Aí começou minha vida em Porto Velho.

Zk – E o nome da Padaria continuou Camponesa?

Mikael – Sim, a empresa era dele eu não sabia que a Padaria era arrendada do Pimentel. Passou um tempo e chegou a festa de São João, entrou um senhor forte pediu um Campari e eu disse que não tinha e foi então que ele se identificou: Sou o Ferreira da “Ferreira Veículo” o senhor vai amanhã na minha loja que vou lhe dar dinheiro pro senhor encher isso aqui de bebida. Eu não o conhecia e na realidade quem me ajudou muito foi ele o Afonso Ferreira de Assis a loja dele era no Hotel Iara na Sete de Setembro. Nessa época conheci o Hugo Dias dono da Comercial Amazônia que vendia móveis, Chico da Curinga, Paulinho da Loja de Móveis.

Zk – E como surgiu a Pizzaria Roda Viva?

Mikael – Na época que estava com a padaria, entrava uma senhora todo dia e pedia: Moço o senhor coloca um pouquinho de queijo numa massa e coloca no forno pra mim. Todo dia ela pedia a mesma coisa; Massa com queijo, banana, colocava dentro do pão e farinha. Com isso fiquei pensando, por que não abro uma pizzaria! Andando pela Sete parei na calçada dos Correios e olhei para o canto da Galeria do Ferroviário e vi “Sorveteria Skimol”, ali é o ponto ideal pra montar uma pizzaria.

Fui lá e fiquei sabendo que o responsável pelos contratos de aluguel era o Dr. Abílio Nascimento, assinei contrato de cinco anos. Inaugurei no dia 17 de dezembro de 1976 a Pizzaria Roda Viva. O único dia que a Roda Viva fechava era na quarta feira de cinzas, assim mesmo, a gente realizava a festa da Roda Viva la no Areal.

Zk – Era só pizza?

Mikael – Como você sabe, eu era padeiro e confeiteiro e então fiz uma massa que misturava a massa pra fazer doce e a de pizza e por isso até hoje ninguém consegue fazer a massa da Roda Viva até mesmo por causa da temperatura do forno.

Zk – Era forno a lenha?

Mikael – Não, era forno elétrico. A pizza exige uma temperatura de 450 a 500 graus, coisa que o forno a lenha não consegue. No forno a lenha eles colocam a massa e não dá tempo dela crescer, porque não é fermentada e quando o forno é quente demais você perde o controle da temperatura. O meu forno tinha resistência em cima e em baixo, portanto a pizza assava por completo. Eu desmanchava mais de trinta sacos de trigo de 50 kg por mês.

Zk – A Roda Viva também lançou vários artistas. Lembra alguns?

Mikael – Tudo aconteceu por acaso, não foi nada programado, conforme o cara chegava e fazia sucesso nas mesas por tocar o que o povo queria, exemplo: tinha uma mulher chamada Rosangela que veio para cá contratada pela boate Acapulco e certo dia ela pediu uma canja na Roda Viva e nunca mais saiu de la. Ela foi daqui gravar em São Paulo e certo dia assistindo um programa na TV Globo ela aprece dizendo que começou a vida artística cantando na Roda Viva em Porto Velho. Teve o Nonato do Cavaquinho que fez sucesso internacional, Bino, Téo o Juanito da Harpa e muitos outros. Todo esse sucesso devo a minha esposa que até hoje cuida dos negócios junto comigo e agora meus filhos. Em conseqüência da Roda Viva montei o restaurante Arabesck também na Galeria do Ferroviário, a discoteca Vagalume que também fez muito sucesso, peguei a lanchonete do Mercado Central, a lanchonete do Ypiranga e a do Botafogo.

Zk – Carnaval?

Mikael – Você sabe mais que todo mundo que quando o Manelão foi Rei Momo chegou na pizzaria e disse da vontade em ser o Rei Momo e eu disse pode contar comigo. Através do restaurante Arabesck bancamos a festa da Corte do Rei Momo, ninguém contribuiu com um centavo. Quando terminou tudo nós bêbados na calçada falei, por que tu não abre um bloco de carnaval e ele respondeu, será que pega e o dinheiro? Vamos começar com cerveja.

Zk – Nesse ínterim acontece a disputa pra ver quem era melhor de tiro?

Mikael - Na realidade tudo começou ali onde é o Bingool (Yamaha) com aposta de tiro. Manelão, Eduardo (genro da dona do hotel Iara) e outros amigos que tinham loja na Galeria. Chega o Manelão toma um café coloca o cigarro na boca, vira pra mim e diz, quero ver se tu é bom de tiro, acende esse cigarro na bala. Não contei conversa saquei a pistola e atirei acertando o cigarro que estava na boca dele. O gordo só não desmaiou porque se fez de forte pra provar que era homem afinal de contas foi ele que instigou. Ai começou o negócio de aposta de tiro. O interessante foi que quem desmaiou foi o Eduardo. Quando o Eduardo acordou me desafiou, vamos ver quem consegue derrubar um urubu, ele atirou primeiro e nada e quando eu atirei com minha 45 acertei o urubu que caiu na Porta da Casa do governador Teixeirão.

Zk – Na porta da casa do governador?

Mikael – Pois é! Teixeirão perguntou do segurança de onde vinha aquilo e o guarda disse que era coisa do loiro da pizzaria. “Então vão buscar esse Diabo Loiro agora”.  Resultado fiquei amigo do Coronel Teixeira que me contratou para fazer todos os coquetéis que o governo oferecia lá no Clube Cujubim, foi aí que surgiu a Banda do Vai Quem Quer.

Zk – Como surgiu a Banda do Vai Quem Quer. Essa ninguém sabe?

Mikael – Acontece que logo que vocês colocaram o nome na Banda Manelão ainda relutava em colocar o bloco na rua, questionei por quê? Não tem dinheiro pra fazer, foi quando disse, eu dou a cerveja. No primeiro ano foram 100 caixas e no segundo 200 caixas. Vale salientar que eram caixas com 24 garrafas de 600 ml cada uma. No terceiro ano surgiu a caipirinha porque o dono da distribuidora da cachaça 51, deu 50 caixas de pinga e quem fazia a caipirinha era eu.

Zk – Você e o Manelão foram muito amigos, até que surgiu a história que ele contava sobre a despesa da Corte do Rei que a prefeitura não pagou. Como aconteceu realmente isso?

Mikael - A Banda surgiu realmente por causa disso. Só não gostei quando o Manelão passou a acusar nas entrevistas que dava, que o Sergio Valente foi o responsável pelo não pagamento da dívida da Corte, quando na realidade o Sergio não tinha nada a ver. Por causa disso me aborreci com o Manelão. Sempre dizia: O Sergio Valente já morreu você não devia falar contra ele porque quem pagou a despesa fui eu. Outra briga foi por causa da música da Banda que ele nunca disse que foi você que fez, ele dizia que era dele com o João do Vale eu briguei com ele por causa disso. Ficamos sem nos falar por algum tempo.

Zk – Como foi que de pizzaiolo você virou gráfico?

Mikael – Na verdade eu não fui pra gráfica, fui empurrado pra gráfica. Por falta de opção na época, depois que vendi tudo la da Rogério Weber (por alguns anos a Roda Viva funcionou na rua Rogério Weber esquina com a Alexandre Guimarães) e fiquei sem fazer nada. Pra completar veio o Plano Collor e acabou de enterrar porque ninguém tinha mais dinheiro pra sair de casa e por isso parei com a pizzaria. Eu tinha 40 funcionários, a Banda Roda Viva tinha doze músicos, garçom também eram 12. Tudo era doze na Roda Viva e o Plano Collor acabou com tudo.

Zk – Ai foi pro ramo de gráfica?

Mikael – Quando fui convidado para atuar no ramo disse que não sabia mexer com gráfica. O Ibraim da gráfica Leonora de Vilhena insistia, você tem prestígio é muito conhecido. Ai fiquei representante da Gráfica Leonora em Porto Velho por falta do que fazer, fiquei por muito tempo até que consegui enxergar que esse ramos é viável. De 95 a 2000 fui apenas representante e então decidi montar o meu negócio. Comecei com a distribuidora de papel, material de expediente, papelaria essa coisa todas e ai surgiu a área de gráfica. Comprei uma maquininha impressora que está guardada até hoje e funciona.

Zk – Surge a Imediata?

Mikael – Até hoje não entendo nada de gráfica, entendo de comercio, de venda, de planejar, essas coisas que os árabes sabem fazer. Somos comerciantes não interessa o ramo. Hoje nosso parque gráfico é um dos mais modernos da Amazônia e do Brasil.

Zk – Em tempo de campanha eleitoral, vocês trabalham só para um candidato ou atendem vários partidos?

Mikael – Hoje em política não existe a ética. O candidato quando começa se diz honesto, acha que vai ganhar, que vai ser bom administrador e quando perde a eleição não tem dinheiro pra sanar parte das dívidas e a gente confia nas pessoas, porque é o nosso ramo. Já levamos muito cano de candidato e de partido e mesmo assim não paramos de atendê-los essa é a nossa política. Atender a todos sem distinção e acima de tudo acreditar que todos são honestos. Quem morre de véspera é peru.

Zk – E o parque da Imediata?

Mikael – Apesar de termos um dos melhores equipamentos do mundo em se falando de gráfica. Hoje aqui é tudo interligado via rede de informática, uma máquina conversa com a outra. Temos um equipamento ligado diretamente com a fábrica na Alemanha, na hora que acontece algum problema, os técnicos da fábrica na Alemanha é quem resolvem e a máquina volta a funcionar aqui em Porto Velho. Porém, não é apenas um equipamento de ponta que faz a gráfica funcionar bem. O maior responsável pelo bom desempenho da empresa são nosso funcionários.

Nossos técnicos, é o ser humano. Investimos na formação profissional dos nossos técnicos que enviamos a São Paulo para se especializarem e outras vezes trazemos os técnicos aqui para aplicar cursos para os nossos funcionários. Tudo que você viu no nosso parque gráfico não foi feito em um dia, levou anos para chegarmos aonde chegamos. Nosso técnicos são todos formados, aqui não existe o curioso. São todos capacitados que passam por cursos de reciclagem constantemente. A única pessoa que não sabe nada de gráfica na Imediata sou eu.

Fonte: Silvio Santos

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias