Quinta-Feira, 26 de Setembro de 2013 - 21:53 (Colaboradores)

MESMO COM VOCAÇÃO PARA CRESCEREM, DISTRITOS DE PORTO VELHO TEM PRODUÇÃO AGRÍCOLA ATRAÍDA POR COOPERATIVAS DOS VIZINHOS ACREANOS

Essas unidades administrativas exigem, sem sucesso, mecanismos jurídicos, econômicos e sociais aceitáveis do lado rondoniense.


Imprimir página

Vista Alegre do Abunã, Porto Velho – Com vocação para crescerem, os distritos Jacy-Paraná, Extrema, Nova Califórnia e região, não decolaram desde os governos Osvaldo Piana, José Bianco, Valdir Raupp, Ivo Cassol e agora no mandatário Confúcio Moura, o avanços são contados nos dedos há duas décadas e meia.

Essas unidades administrativas exigem, sem sucesso, mecanismos jurídicos, econômicos e sociais aceitáveis do lado rondoniense.

SEM PROMESSAS CUMPRIDAS - Na opinião colhida entre os mais antigos, ‘o município e o governo rondonienses deixam a desejar em obras infra-estruturais, ampliação das áreas agriculturáveis e não adotam políticas de créditos de resultados à agricultura familiar’. Tampouco os governos ainda não adotaram programas para aquisição e empréstimos com juros diferenciados.  

Com tantas dificuldades, Jacy, Extrema e Nova Califórnia, respectivamente, refletem nos últimos anos de luta em busca de sua autonomia, verdadeiramente, o descaso de governos rondonienses com a região e do seu entorno. Impulsionados a partir da aquisição de seus produtos pelo Projeto RECA.

O BOOM AGRÍCOLA - É do outro lado da divisa com os acreanos que operários e agricultores miram o futuro da região. Produtos saídos da agricultura familiar têm sua maior aceitação imediata no mercado vizinho.

A maioria das lideranças campesinas e do segmento patronal, espremidas nas fundiárias do sul do Amazonas [Lábrea e Canutama] ainda espera pelo Governo da Cooperação e pelas mudanças anunciadas, em campanha, pelo prefeito dr. Mauro Nazif [PSB].

TUDO COMO ANTES NA CASA DE NOCA - Quase três anos se passaram que Confúcio chegou ao Palácio Presidente Vargas e um do governo socialista de Nazif, e nada mudou e nada mudou desde o governo petista de Roberto Sobrinho. À época, foi posto em prática o Orçamento Participativo idealizado pelo então deputado federal, Eduardo Valverde [falecido].  

Antes de assumir, Confúcio percorreu as linhas e vicinais de Jacy a Nova Califórnia. Eleito, não plantou o pé de Ipê que significaria a Nova Rondônia. Enquanto isso, o Governo da Cooperação está passando, a ponte interligando os dois lados do rio Abunã não saiu, nem os segmentos emergentes foram privilegiados.

ENTUSIASMO COM A PRODUÇÃO - Os maiores produtores da região, por conta do suposto descaso das autoridades rondonienses, fazem a alegria dos consumidores acreanos e mostram como aprimoram as relações de aproximação contidas no passado quando, Rondônia anexou os dois principais distritos em desfavor dos acreanos.

Acrelândia é o principal ponto de apoio dos produtos saídos das safras de Extrema, Nova Califórnia e região. O gosto dos acreanos pela matéria-prima rondoniense mais que dobrou nos últimos 23 anos. Isso vem mexendo com o orgulho, inclusive dos neo-produtores alinhados por José Hermeto Mazurkewicza [o falecido Zé Gaúcho].

De acordo com estudiosos da histórica e suposta guerra entre rondonienses e acreanos, ‘Zé Gaúcho’ tinha um verdadeiro entusiasmo com o desenvolvimento da agricultura e pecuária em pequenas propriedades. Amado e odiado, ainda assim, ‘tornou-se um marco para o desenvolvimento da Ponta do Abunã’, ressalta um porta-voz de grupos rurículas californianos.

Assim mesmo, os principais produtores e uns poucos ousados encontram no estado vizinho do Acre proteção e garantia de comercialização de seus produtos através das Cooperativas Mistas Agrícolas com sede em Acrelândia e da capital acreana.

RONDÔNIA COM CABEÇA ANCESTRAL - O agronegócio rondoniense voltado à agricultura familiar é extremamente jovem se comparado com o célere extrativismo e da agricultura auto-sustentável praticada no lado acreano em pequenas e médias propriedades pelos vizinhos. Ainda assim, agricultores californianos, extremistas e jacystas preferem buscar a evolução tecnológica instalada em Acrelândia nos últimos 10 anos pelos irmãos Jorge e Tião Viana em regiões de grande de pequena, média e grande produção agrícola.

Para que os principais produtores do lado rondoniense não sigam em frente em busca da atração do vizinho acreano, segundo extensionistas amazonenses acreditados no Sul do Estado, ouvidos por este site, ‘só com investimentos em qualidade eficiência da produção e na capacitação permanente de pessoal’. Eles destacam o esforço dos irmãos Viana em financiar, adquirir e utilizar produtos da agricultura familiar na merenda escolar e para fins de exportação, como o café, o milho e a farinha de banana da Linha [Colônia] Granado, em Acrelândia, vizinha do distrito de Nova Califórnia.

XICO NERY é Produtor Executivo de Rádio, Jornal, TV, Repórter Fotográfico e CONTATO de Agências de Notícias nas Amazônias, em Países Andinos e Bolivarianos

Fonte: Xico Nery

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias