Quarta-Feira, 09 de Maio de 2018 - 22:15 (Geral)

L
LIVRE

MELHORIA DO TRANSPORTE PÚBLICO DE PORTO VELHO NÃO VAI DEPENDER DA PREFEITURA, MAS SIM DO BOLSO DO USUÁRIO

O projeto básico com as diretrizes do edital que tratam da primeira etapa de reuniões do plano de concessão do transporte público seria então apresentado.


Imprimir página

Iniciou na última quarta-feira (9) no Teatro Banzeiros a sessão de debates para tratar dos estudos em torno do Plano de Concessão do Serviço de Transporte Público de Porto Velho.

Entidades contrárias a audiência manifestaram em frente ao Teatro Banzeiros. Carros e uma pessoa foram atingidos por ovos jogados pelos manifestantes. A polícia Militar foi chamada para conter os ânimos acalorados. Do lado de dentro do teatro o clima também esquentou.

No sobe e desce até o palco à promotoria de Justiça, Daniela Nicolai de Oliveira Lima protagonizou a cena daquela manhã ensolarada do dia 9 de maio.  Enquanto defendia a isonomia do processo a promotora teve a fala interrompida por uma advogada. A troca de insultos terminou com um sonoro “a senhora me respeite”, rebatia a promotora a advogada.

Após o episodio um grupo que também se posicionou contrário a audiência proposta pelo município se levantou e foi embora. Ainda assim a reunião prosseguiu.

O projeto básico com as diretrizes do edital que tratam da primeira etapa de reuniões do plano de concessão do transporte público seria então apresentado.

No pré-projeto constam os requisitos exigidos para a concessão do transporte público, como itinerário das linhas, o quadro de freqüência delas, além disso, como a futura empresa deverá opera.

“Se através do centro de operações que a Semtran pode fiscalizar e monitorar, ou se pelo sistema de informação ao usuário que deve ser colocado nos pontos", informou o secretário adjunto da pasta, Fábio Sertori.

Um ponto chamou a atenção no projeto. Para dispor de um serviço com algumas vantagens o usuário terá que arcar do próprio bolso. Quanto mais vantagens ele requerer mais cara será a tarifa.

“Caso o usuário escolha as condições do transporte ele terá que pagar um valor a mais no preço da passagem”, declara o secretário da Semtran, Carlos Costa.

A coordenação das Pastorais Sociais, ligada a Igreja Católica classificou a proposta do município de “tendenciosa” e de não ir a favor da população.

“Em tese o que se discute é a melhoria do transporte público, transporte que deve trazer qualidade de vida ao cidadão. Se um ônibus vier com ar-condicionado que é o mínimo para uma região quente como a nossa. Significa que eu vou ter que pagar mais por isso. Como assim? Eu não estou entendendo. Aonde está a melhoria”, questiona a coordenadora,  Maria Petronilia.

No endereço (link) o usuário pode fazer uma simulação da tarifa com os benefícios ou sem eles.

o debate de apresentação para a concessão do transporte público da capital deverá ocorrer também em outras regiões da cidade. Com os questionamentos esgotados o município pretende abrir o processo licitatório.

A próxima etapa de reunião irá acontecer na zona leste na igreja nossa senhora aparecida, antiga paróquia São Tiago maior, no bairro JK.

Fonte: Emerson Barbosa - NewsRondônia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias