Quarta-Feira, 20 de Setembro de 2017 - 10:24 (Colaboradores)

L
LIVRE

LENHA NA FOGUEIRA: TERMINAL HIDROVIÁRIO

O terminal nada mais é, do que a 'Ponte' de atracação dos barcos de passageiro e carga, que fica em frente ao Mercado do Peixe no chamado “Cai N'água”.


Imprimir página

Na edição do Diário da Amazônia de ontem (19), li a matéria desenvolvida pela colega Daniela Castelo Branco: ' Terminal hidroviário sem solução'.

O terminal nada mais é, do que a 'Ponte' de atracação dos barcos de passageiro e carga, que fica em frente ao Mercado do Peixe no chamado “Cai N'água”.

O interessante, é que nenhum órgão sediado em Porto Velho (RO), tem poder para dar andamento a obra que, segundo a reportagem, estava em andamento e parou logo depois de iniciada no mês de junho.

A obra precisa ser autorizada pela Marinha de Manaus e executada pelo DENIT. Quer dizer, em Rondônia não existe um órgão capaz de tomar a frente da reforma ou do concerto do terminal hidroviário.

Olha só, na capital de Rondônia, Porto Velho, a Aeronáutica tem sua unidade ou comando, o Exército nem se fala. Enquanto isso, a Marinha conta apenas com a Delegacia Fluvial que é mais conhecida como “Capitania dos Portos”.

Como vimos na reportagem da Dani, essa Delegacia não tem poder para tocar a obra e assim sendo, continuamos assistindo os estivadores carregando mercadorias na cabeça e enfrentando o barranco escorregadio da beira do Rio, na iminência de sofrer um acidente grave.

Agora, concertar o motor do Terminal e trocar o CABO de atracação ninguém toma providencia e assim sendo, a população ribeirinha e os turistas que gostam de viajar de barco também sofrem o perigo de acidente.

Ai me vem na lembrança, a luta dos ferroviários pela reativação da Madeira Mamoré, pelo menos até a Vila de Santo Antônio. Seria bacana reviver parte do trajeto do trem da estrada de ferro.

Porém, enquanto o Ministério Público move ação solicitando que a Santo Antônio Energia faça isso e faça aquilo na Madeira Mamoré. Seria bom que exigisse que a Usina antes de tudo, providenciasse o muro de arrimo que evitaria o desbarrancamento da margem direita do Madeira.

Exigisse que se condenasse a Usina a construir um Porto para embarque e desembarque de carga e passageiros, como compensação, pelos danos causados às famílias que tinha suas casas no Triângulo.

 

Enquanto a Marinha de Manaus não toma providencia a respeito do Terminal Hidroviário de Porto Velho, porque não se abre licitação para empresas privadas explorarem o serviço. A tal PPP – Política Pública Privada. O Denit, parece, não tá nem aí para concluir os reparos que devem ser feitos no Terminal do Cai N'água.

A Colônia de Pescadores por sua conta e risco, tá preparando o barranco colocando cascalho e até concretando parte da descida em frente ao Mercado do Peixe, para facilitar seus associados na subida com o produto da pesca, assim como servir para os estivadores carregarem as mercadorias nos barcos que utilizam o porto.

Lembrei do Plano Inclinado. O Plano Inclinado funcionava transportando carga dos navios para os armazéns da Madeira Mamoré ou dos Armazéns para os porões dos navios.

Para facilitar a operação fixaram uma espécie de balsa que colocaram o nome de “Pontão Aripuanã” onde os navios atracavam e os passageiros desembarcavam.

Os troles do Plano Inclinado desciam fixos por cabo de aço até o Pontão e descarregavam ou carregavam de mercadoria, levados ou puxados pelo guincho do Plano Inclinado.

Como o Pontão era flutuante não tinha problema com a vazante ou a cheia do Madeira. O trole do Plano Inclinado descia ou subia pelos trilhos que iam até o fundo do rio.

O estilo do Terminal, que está interditado no Cai Nágua, é bem melhor que o Plano Inclinado. Só está faltando quem tome providencia no sentido de fazê-lo funcionar. É uma vergonha!

Fonte: 010 - Silvio Santos

Noticias relacionadas

Banner Ale

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias