Quinta-Feira, 24 de Novembro de 2016 - 17:27 (Colaboradores)

L
LIVRE

LENHA NA FOGUEIRA: RONDON O DESBRAVADOR

Dois momentos que marcam a história do patrono do nosso estado. Felicitamos as entidades que nos proporcionaram tão significativos eventos.


Imprimir página

Qualquer semelhança é mera coincidência. Estou me referindo a história de Cândido Mariano da Silva Rondon o Bandeirante do século XX.


De uma tacada só o porto-velhense foi agraciado com dois eventos sobre a história do Marechal.


O primeiro foi a exibição do filme “Rondon o Desbravador”, na abertura do Festcine Amazônia na noite de terça-feira.


O segundo foi o lançamento do livro “Rondon o Menino Cândido” patrocinado por uma das hidrelétricas do Madeira, que aconteceu na manhã de ontem 23, no Museu “Rondon” na Vila de Santo Antônio.


Dois momentos que marcam a história do patrono do nosso estado. Felicitamos as entidades que nos proporcionaram tão significativos eventos.


Enquanto isso, o presidente do Grupo Êxodo José Monteiro nos procurou na manhã de ontem, com um calhamaço de documentos embaixo do braço, provando que o Projeto sobre a peça O Homem de Nazaré foi sim apresentado à direção da Funcultural de Porto Velho.


Vimos “com esses olhos que a terra há de comer” que nos documentos apresentados pelo Grupo Êxodo, consta o Carimbo de Recebimento do Protocolo da Funcultural. Temos que admitir que a peça não será encenada apenas por culpa da falta de responsabilidade em cumprir com o prometido por parte da prefeitura de Porto Velho.


Sugerimos ao Monteiro que divulgue nota de repúdio conta a prefeitura e funcultural e volte a apresentar o Projeto, quando o novo prefeito assumir. Criar caso na atual gestão é como dizia o saudoso Manelão “É chutar cachorro morto”.


Não apoiaram porque não quiseram e pronto. O que não ficou legal, foram as entrevistas da presidente da Funcultural dizendo que o Êxodo não tinha apresentado projeto algum. Infelizmente ainda hoje a cultura em Porto Velho é tratada com desleixo.


Esperamos que realmente o prefeito eleito, confirme o nome do Antônio Ocampo como presidente da Funcultural de Porto Velho.


Por falar nisso, sábado passado 19, no encerramento da Marcha Zumbi e durante a realização da Roda de Samba do Nilson do Cavaco e Beto Cezar no Mercado Cultural o comentário era de que: “Pelo menos na área cultural, o Hildon acertou”. Resta saber se realmente o Ocampo será mesmo o escolhido. Tá todo mundo na torcida para que seja. Pelo menos ele é do meio!


Agendamos junto à assessoria do prefeito eleito, entrevista que deve acontecer segunda ou terça-feira da próxima semana, ai então vamos ter certeza de quem será o presidente da Funcultural.


Na entrevista que o prefeito eleito concedeu ao Arimar Sá na rádio Cultura FM ele se esquivou muito bem, quando os ouvintes questionaram sobre o que será realizado em prol da cultura local. Esperamos conseguir tirar alguma coisa da “manga” do prefeito, quando o entrevistarmos.


O Concurso de marchinhas e frevos do Galo da Meia Noite está pegando fogo. Tem gente ligando para a direção do Bloco, querendo reservar mesa para o dia 3 de dezembro.


Uma das composições mais comentadas é a do Torrado só porque ele cita o Paulo Fuá na letra, porém, quem está apostando o que não tem, são as Pastoras. Acontece que a marchinha delas é realmente boa. Não escrevi muito boa, disse apenas boa. Muito boa é a do “Cara de Paca”.


O outro concurso de música que está bombando, é o de Samba de Enredo da escola de samba Acadêmicos do São João Batista. Tem até compositor do Rio de Janeiro que inscreveu samba. Não vai ser fácil para os jurados.


Ontem aconteceu o primeiro ensaio da bateria “Treme Terra” para a apresentação no dia do concurso, 10 de dezembro. Mestre Silfarney não está pra brincadeira e quer os ritmistas da sua bateria na maior afinação possível.

Fonte: Zé Katraca

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias