Quarta-Feira, 29 de Junho de 2016 - 09:10 (Colaboradores)

L
LIVRE

LENHA NA FOGUEIRA: RÁDIO FALANTE NO ORLANDO FREIRE

O projeto Rádio Falante extrapolou os muros da escola, e desde 2012 seu conteúdo é transmitido através de um programa semanal, aos sábados, na rádio comunitária Transamazônica FM 105,9 no horário das 14h às 16h.


Imprimir página

Hoje acontece um dos eventos mais tradicionais de Porto Velho, a procissão de São Pedro, que é realizada parte no rio Madeira e parte em terra firme. Os barcos de recreio, motor de popa, rabeta, barco de pesca e canoa saem com fiéis do Cai N'água por volta das 16 horas, seguem até as proximidades da Usina de Hidrelétrica de Santo Antônio e voltam para o porto do Cai N'água de onde saem em procissão rumo a igreja de São Pedro que fica no Bairro Panair (antigo Novo Estado ou Balsa) na rua Farquar. Após a missa tem início a quermesse com venda de comidas típicas e muitas brincadeiras da época.


Antigamente o cortejo fluvial saia do Porto do Serviço de Navegação do Madeira (SNM) que depois virou ENARO e quando chegava em Santo Antônio (Cachoeira), subia o barranco até a igrejinha, onde aconteceria celebração de missa e depois a procissão saia no rumo dos motores e voltava para Porto Velho. Como ainda não existia a paróquia de São Pedro, a procissão seguia até a Catedral.


A Igreja de São Pedro só começou a funcionar no final da década de 1970. Hoje reúne muita gente durante as celebrações do dia de São Pedro o padroeiro dos pescadores. Minha devoção por São Pedro tem razão de ser, pois foi no dia 29 de junho de 1981, vendendo foguete durante a procissão, que tomei meu último porre. Desde então e lá se vão 35 anos, não consumo qualquer bebida alcoólica. Por isso, na noite de hoje estarei participando dos atos litúrgicos em comemoração a São Pedro, lá na igrejinha do antigo bairro da Balsa.


Antigamente no dia de hoje o que se via em frente as casas, eram fogueiras acessas em homenagem ao Porteiro do Céu e as famílias reunidas, comendo bolo de macaxeira, bebendo aluá de milho, comendo macaxeira assada. A juventude em especial as moças, fazendo adivinhação à beira da fogueira.


Em uma bacia com água, pingavam vela e segundo acreditavam e ainda se acredita até hoje, que aqueles pingos, formariam a letra inicial do nome do futuro marido da jovem. Outra adivinhação também contava com uma bacia com água que se passava por cima da fogueira três vezes e depois se olhava. Tinha que ver o rosto refletido no fundo da bacia se não, não chegaria ao mês de junho do próximo ano.


Existe um forró cuja letra diz o seguinte: Danei a faca no tronco da bananeira, não gostei da brincadeira, Santo Antônio me enganou. Saí correndo lá pra beira da fogueira, ver meu rosto na bacia, água se derramou...


Outra brincadeira que era bastante comum há alguns anos, era a de passar fogueira. Passar fogueira de cumpadi, de primo, madrinha, padrinho e até de namorado. O ritual é assim: Santo Antônio disse, São Pedro confirmou que você será minha namorada, porque São João mandou.


Enquanto a gurizada fazia a maior algazarra soltando “traque” e outros foguetes. O que era mais praticado, talvez por ser considerado perigoso, era o foguete “Pega Moleque”. A turma se divertia. No interior principalmente no beradão do baixo Madeira de vez em quando, um casal desaparecia no rumo do goiabal ou bananal e o resultado dessa fuga só é conhecido nove meses depois e tem gente que diz que foi o BOTO.


No tempo do Galego, Augusto Queixada, Lourenço, Suritiba, Caetano, Cabo Fumaça e outros AMOS de Boi Bumba, no dia de hoje, acontecia a Matança do Boi Bumba. Na realidade o ritual começava na noite do dia 28 e só terminava no início da noite do dia 29 dia de São Pedro. Depois disso o Boi só se apresentaria novamente no próximo ano. Tempo Bom!

Música boa

Villa Lobos sábado no Palácio das Artes

Sob regência do maestro Marcelo Yamakazi, a Orquestra Sinfônica Villa Lobos, de Porto Velho, fará uma apresentação neste sábado, dia 2, no teatro Palácio das Artes, com ingressos pagos.

A audiência deste sábado começa às 19h30 e, conforme o maestro Marcelo Yamakaki, será apresentado um novo repertório, misto de clássicos de grandes compositores e músicas da MPB além de outras internacionais.

A orquestra é composta por mais de 50 músicos, tendo como “spalla” a violinista Jéssica Carvalho. O grupo todo é formado por professores e estudantes da própria Villa Lobos, com idades que variam de sete a 60 anos, estudantes ou profissionais de várias especialidades.

Já com várias apresentações feitas em eventos os mais diversos em Porto Velho e outras cidades do Estado, a Orquestra Villa Lobos tem apoio do sistema Sicoob.

Recentemente, para dar suporte melhor ao grupo, foi criado este ano o Instituto Villa Lobos, que tem dentre seus objetivos fomentar a educação musical e abrir espaço para ampliar a área de ação da própria orquestra.

Direção do Sintero visita Rádio Falante no Orlando Freire

Uma comitiva da Direção do Sintero formada pelo presidente, Manoel Rodrigues da Silva e pelos diretores José Augusto Neto (Secretário de Imprensa e Divulgação) e Dioneida Castoldi (Secretária de Assuntos Municipais), visitou a Escola Estadual Orlando Freire, em Porto Velho.

Um dos objetivos da visita foi conhecer um projeto de sucesso dos estudantes denominado “Rádio Falante”. Os sindicalistas conheceram as instalações do projeto e até participaram da programação.

O projeto Rádio Falante Orlando Freire entrou no ar em caráter experimental no dia 10 de abril de 2010 e permaneceu em fase de testes durante um mês, período que serviu para a definição do seguimento e da atuação da “emissora”.

Durante a fase de testes também foi feita a qualificação dos alunos e dos técnicos que iriam atuar no projeto.

No dia 28 de maio de 2010 a “emissora” entrou no ar em caráter definitivo trazendo uma proposta diferente de comunicação, não só com músicas e recadinhos, mas agregando notícias e informações.

Esse seguimento – notícias e informações – chamou a atenção da coordenação regional do então projeto “Amigos da Escola”, que, capitaneado pela senhora Isabel Cristina Pivetta, realizou, em conjunto com a escola, um dia temático, evento que teve a cobertura da TV Rondônia, cujo conteúdo com imagens do projeto foi divulgado no intervalo do programa Vídeo Show, da Rede Globo.

Os idealizadores do projeto

O projeto foi idealizado por Reinaldo Ramos das Neves e teve como coautora a professora Suely de Souza Ferreira, contando, ainda, com a colaboração do senhor Alcemir Ribeiro de Arruda.

A coordenação geral é de Reinaldo Ramos das Neves, tendo como coordenador de apoio Alcemir Ribeiro de Arruda.

Toda programação da rádio e comandada e executada pelos alunos do 8º e 9º anos, tendo sempre o acompanhamento do coordenador geral Reinaldo Ramos.

A atual equipe da rádio é composta pelos alunos Daniel Campos, Milena Silva, Ana Gabriela e Raquel Martins. A programação é elaborada pelos próprios alunos e começa com uma reunião de pauta. Após esse encontro os alunos vão para a sala de aula deixando definida a programação do dia, que é composta por informativos, entrevistas, jogos de perguntas e respostas com conteúdo educativo e momento musical.

Reconhecimento

Destaque nacional em matéria veiculada (flash nacional) pela Rede Globo de televisão no dia 28 de maio de 2010 no intervalo do programa Vídeo Show.

Destaque nacional no Jornal Hoje da Rede Globo, no dia 28 setembro de 2010, dividindo matéria com uma escola do Sul do país. Link via celular ao vivo de Brasília, diretamente do Ministério da Saúde, oportunidade em que foram usadas adequadamente as TIC's dentro do ambiente escolar.

Dois votos de louvor concedidos pela Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia.

O projeto Rádio Falante foi tema de monografia do curso de jornalismo da UNIRON, em pesquisa feita pela acadêmica Carla Cristina Pereira das Neves, que obteve a nota máxima: 100 pontos.

Conquistou por cinco vezes o prêmio “Construindo a Nação”. Inúmeras matérias veiculadas tanto na mídia falada, televisionada, escrita e sites da internet.

Do pátio da escola para as ondas do radio

O projeto Rádio Falante extrapolou os muros da escola, e desde 2012 seu conteúdo é transmitido através de um programa semanal, aos sábados, na rádio comunitária Transamazônica FM 105,9 no horário das 14h às 16h.

Com o nome de “Rádio Falante”, o programa ganhou voto de louvor da Assembleia Legislativa de Rondônia, foi premiado e conquistou o primeiro lugar do prêmio “Construindo a Nação 2012/2013”, obtendo a pontuação máxima: 100 pontos. O programa é apresentado pelos comunicadores Reinaldo Ramos e Suely Souza.

Fonte: Zé Katraca

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias

Http://www.Auto-doc.pt