Sabado, 14 de Abril de 2018 - 08:55 (Colaboradores)

L
LIVRE

LENHA NA FOGUEIRA: POR FALAR EM FESTA

Neste sábado 14, a partir das 22 horas o grupo Anjos da Madrugada, volta a se apresentar no Country Beer antiga Dimple's.


Imprimir página

A nova temporada de seresta começou sábado passado e o público literalmente, lotou o ambiente, para curtir o repertório da Priscila, Nazareno, Edmar Jucá e todos dos Anjos da Madrugada.

Quer dançar namorando, coladinho, rosto no rosto, vai a Country Beer na noite de hoje, curtir o show dos Anjos da Madrugada. A casa fica a rua Duque de Caxias pertinho da 17ª Brigada.

O encontro do cinema com as diversidades de populações da Amazônia no Brasil, Peru, Bolívia e Colômbia é uma forma de definir a série documental ‘Itinerâncias: uma jornada pelo Cineamazônia Itinerante’ que o canal Amazon Sat começou a exibir a partir da última quinta-feira, (12/04/18). Obra da rondoniense Espaço Vídeo e Cinema, a série mostra as diversas nuances de um festival de cinema itinerante realizado desde 2008 pela produtora entre comunidades ribeirinhas e quilombolas nas fronteiras Brasil-Peru-Bolívia-Colômbia.

Dirigida por Jurandir Costa e Fernanda Kopanakis, com roteiro de Ismael Machado, Itinerâncias é uma série de cinco episódios que, mais do que apresentar um registro puramente documental, envereda por uma linguagem poética e reflexiva a respeito do ponto de encontro que une culturas de países diferentes, mas unidos por um mesmo nome: Amazônia.

Uma das características da série é que toda a equipe técnica é regional. A fotografia é de André Cran, com montagem de Rai de Jesus, trilha sonora de José Alkbal Sodré e finalização de Gilmar Monteiro dos Santos. Fernanda Kopanakis e Jurandir Costa assumem também a produção executiva da série. Muito boa essa série do Festcineamazônia.

Tenho acompanhado as colunas dos colegas, que se dizem articulistas políticos e notei, que para eles, só existem três candidatos com chance de se eleger senador nas próximas eleições. São eles:

Confúcio Moura, Valdir Raupp e Jesualdo Pires. O primeiro e o último concorrem pela primeira vez ao senado federal, enquanto Valdir Raupp é raposa '‘velha’' na disputa.

Apesar de não ser nenhum Carlinhos Vidente e muitos menos Mãe Diná, tenho minha opinião e palpite formado, até porque, lembro da eleição que elegeu senadora a professora Fátima Cleide, praticamente com maior número de votos daquele que todos apostavam que seria o mai votado.

Invoquei a entidade “Zekababolarixão” e ela apontou que dos três citados, apenas um será eleito. O que quer dizer, que pode ser Raupp, Confúcio ou Jesualdo. Apenas um desses três será ungido com a faixa da imunidade de senador da república.

Acontece que o voto mais importante para o senado este ano, é o segundo voto: Exemplo: Vota no Raupp e em outro candidato que não seja Confucio ou Jesualdo e assim sucessivamente.

Isto quer dizer, que um candidato que não faz parte da lista dos cotados, pode ser eleito senador, graças ao segundo voto. Assim aconteceu com Fátima Cleide. Aqui meu amigo Waldir Costa não será o fim da ROSCA e nem tão pouco meu amigo Carlão Esperança, ninguém vai VODUZAR ninguém, é apenas uma questão de coincidência.

Esse quadro, na minha humilde opinião, só poderá mudar, se dois candidatos dos citados, fecharem acordo e caminharem literalmente juntos, pedindo os dois votos. Se não acontecer essa aliança, apenas um dos três deverá ser eleito. Quer apostar Sérgio Pires!

Seria bacana, se todos os gestores que entregaram os cargos ou foram exonerados pelo governador Daniel Pereira, seguissem o exemplo do Júlio Olivar, prestando conta do período em que ficaram como gestores no governo de Rondônia. Dizem que Olivar vai se candidatar a prefeito de Vilhena!

Fonte: 015 - Silvio Santos/News Rondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias