Quarta-Feira, 18 de Maio de 2016 - 11:00 (Colaboradores)

L
LIVRE

LENHA NA FOGUEIRA: MUSEU DA MEMÓRIA RONDONIENSE

Segundo a Palatenologo Ednair Rodrigues do Nascimento, a solenidade servirá para a população tomar conhecimento, do projeto arquitetônico do arquiteto Lucas Varanda que adequa as dependencias do prédio, para receber as peças do Museu Palácio da Memoria Rondoninse.


Imprimir página

Em comemoração ao dia do Museu 18 de maio, o governo do estado/Sejucel, recebe a comunidade portovelhense no prédio do Palácio Presidente Vargas as 19h00, para apreseantar o Projeto da Restauração do Palácio que abrigou até bem pouco tempo, o gabinete do governador de Rondônia e passa a ser o Museu da Memória Rondoniense.

Segundo a Palatenologo Ednair Rodrigues do Nascimento, a solenidade servirá para a população tomar conhecimento, do projeto arquitetônico do arquiteto Lucas Varanda que adequa as dependencias do prédio, para receber as peças do Museu Palácio da Memoria Rondoninse. “Realizamos pesquisas que nos mostraram as carecteristicas originais do palácio, que serão restauradas como a cor rosa original. Tudo vai ficar como o original, inclusive o nome Palácio Presidente Vargas que apenas contará com o nome agregado Palácio da Memória Rondoniense”.

A solenidade da noite de hoje 18, vai acontecr no auditório do Palácio com a presençça de autoridades e do público interessado na história de Rondônia. Duas entrada darão acesso ao acervo do Museu, pela frente do Palácio que fica para o Mercado Cultural e pela rua D. Pedro II. “Quem preferir entrar pela escadaria da José do Patrocínio vai dar de cara com a Maquete do museu que estará esposta no salão nobre e quem preferir entrar pela D. Pedro II vai conhecer o paniel onde as pessoas poderão postar suas observações e sugestões”, disse Ednair.

No Palácio da Mamoria Rondoniense vão funcionar o Museu da Memória, Pinacoteca e o Centro de Documentação Estadual. “O Palácio da Memória Rondoniense será um grande complexo cultural” finalizou Ednair

Lenha na Fogueira

Depois que li a coluna do Sérgio Pires sobre os poucos que foram beneficiados pelo Ministério da Cultura durante o governo antes do interino Michel Temer, fiquei com o pé atrás sobre brigar pela manutenção do MinC.


Segundo Pires, no governo Dilma, 3% das propostas levaram 50% dos incentivos. Um cenário que só contribuiu para a concentração cultural do país, enquanto pouco incentivou projetos menores.


Aí a coluna enumera: Maria Betânia protestou porque em 2011, conseguiu uma verba de 1 milhão e 300 mil para fazer um Blog, só com poesias e clipes.


Cláudia Leite também chiou e quem não chiaria? Em 2013 ela abocanhou 5 milhões e 883 mil para 12 shows no Nordeste. Cada show custou para nós, brasileiros 490 mil reais.


Quem não chiou? O maestro João Carlos Martins, um dos grandes nomes da música clássica mundial. Ele não protestou, mas, poderia. Recebeu um recurso de 25 milhões da Lei Rouanet. Detalhe: Ele jamais pediu esse dinheiro.


Camila Pitanga atriz da Globo conseguiu um dinheirinho. Pouco. Menos de 1 milhão e 300 mil reais, para realizar um documentário sobre “a genialidade do meu pai”, segundo palavras dela. Antônio Pitanga é casado com a ex governadora Benedita da Silva.


Ex mulher de Chico Buarque (Aquela cuja família foi uma das mais beneficiadas, incluindo ele próprio, por gastos do Ministério da Cultura, nos últimos oito anos) a atriz Marieta Severo abocanhou as maiories fatias de verbas. Nos ultimos quatro anos, ela e seu novo companheiro. O diretopr de teatro Aderbal Filho, receberam apoios e verbas superior a 7 milhões e 700 mil reais.


São apenas alguns, nessa lista entra também muitos outros. Me diz aí se algum deles é da região Norte? É tudo do eixo Rio/São Paulo. Aí o Chico Buarque de quem sou fã, posta em carta assinada por ele e pelo Caetano Veloso e outros mamadores de teta, que os Artistas jamais usaram dinheiro do governo. Tá me chamando de Geni é?


Foi preciso participar do 9° Encpontro das Culturas Populares realizado pelo Ministério da Cultura em novembro do ano passado em Serra Talhada (PE), pra ver o quanto nós da Região Norte em especial de Rondônia, somos discriminados dentro do MinC e até por colegas representantes do Amazonas e Pará os únicos que conseguem algum patrocinio na região, assim mesmo com valores pequenos. Basta lembrar que Rondônia só foi convidado para o 9° enconto.


Se a gente não se impõe, com certeza Rondônia passaria despercebido, a sorte foi que além deste amigo de vocês que foi representando as Culturas Populares, tivemos o Antenor karitiana que apesar de não ter ido como represaentante dos índios de Ronmdônia foi como Delegado representante do Artesanato, não nos calamos diante de tante discriminação. Antenor chegou a questionar e protestar porque lhe ofereceram apenas o cargo de suplete no Pleno quanto a nós das culturas populares fomoos vitima de manobras politiqueiras entre os representantes do Amazonas e Pará.


Rondônia tinha como carro chefe no segmento do teatro de Rua, o Grupo O Imaginário o único que chegou a contar com apoio da Lei Rouanet via Caixa Economica Federal, coisa que agora não tem mais e olha que Chicão Santos levava durante as apresentações dos espetáculos, que aonteceiam em praça pública mais de 2 mil pessoas/noite. É de Rondônia corta o patrocínio.


Então meus amigos, não tenho porque ficar brigando pela manutenção do MinC. Isso fica para os colegas Tatá, Ariel e Luciana. Se virem!


Funcultural realiza Mostra de Cinema sobre Patrimônio Cultural

Primeira edição da Mostra Funcultural de Cinema Patrimonial reúne produções que abordam a memória e a identidade cultural pluriétnica do estado de Rondônia.

Realizada pela Funcultural em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Mostra integra a programação da 14ª Semana Nacional de Museus na capital Porto Velho, que tem por tema este ano “Museus e Paisagens Culturais” simbolizando um convite para que o território seja compreendido ou ressignificado como espaço cultural vital das comunidades.

Para além da preservação da memória, os museus têm um importante papel na qualificação dos entornos, sejam eles vilas, cidades, ou quaisquer locais que importem às populações em relação a suas identidades e à preservação de seu patrimônio. E é no sentido de introduzir e propor reflexões críticas sobre a salvaguarda dos bens culturais intangíveis de Porto Velho e de Rondônia através da acessibilidade promovida pela linguagem visual do cinema que nasce a proposta da Mostra Funcultural de Cinema Patrimonial.

A Mostra acontecerá nos dias 21 e 22 de maio de 2016, no Mercado Cultural, a partir das 19h30, sendo o primeiro dia (21) dedicado a curtas que transitam pela cosmologia e problemáticas indígenas (“Mapimaí”), ribeirinhas (“O Que Beira a Beira do Madeira”) e pela memória ferroviária de imigrantes barbadianos e granadinos (“Filhos da Ferrovia”); o segundo dia será dedicado a exibição de um longa sobre o processo de formação e resistência da comunidade negra dos quilombos no sudoeste do estado (“Quilombagem”).

Fonte: Zé Katraca

Noticias relacionadas

  • 06.06.2017 21:36
    CASSAÇÃO DA CHAPA DILMA-TEMER: EU NÃO ACREDITO
  • 05.06.2017 13:43
    EU NÃO ME CANSO DE FALAR!!! - POR ZECCA PAIM
  • 03.06.2017 13:31
    COLUNA SOCIAL MARISA LINHARES: FACIMED
  • 02.06.2017 16:50
    CHEGOU O QUE VOCÊ ESPERAVA N-CONTROL AMANSA O VÍRUS DA MANCHA BRANCA
  • 02.06.2017 11:38
    ZEQUINHA É RECEBIDO POR TITULAR DA SEMES E DISCUTEM AÇÕES AFIRMATIVAS ÀS PERIFERIAS DA CAPITAL
  • Comentários

    Veja também

    Outras notícias + mais notícias

    Http://www.Auto-doc.pt