Domingo, 07 de Agosto de 2016 - 12:10 (Colaboradores)

L
LIVRE

LENHA NA FOGUEIRA: ADALTO MAGALHA

Uma pessoa que bem poderia nos deixar de lado, por ser um dos mais celebrados e gravados compositores brasileiros. O samba, a música brasileira perdeu no dia de ontem 06, o grande compositor Adalto Magalha.


Imprimir página

Começamos a coluna triste. Triste pela perda de um amigo conquistado ha pouco mais de dois anos. Uma amizade que se consolidou de verdade, pela sinceridade e pelo respeito para com nosso trabalho e o trabalho dos compositores de Porto Velho.


Uma pessoa que bem poderia nos deixar de lado, por ser um dos mais celebrados e gravados compositores brasileiros. O samba, a música brasileira perdeu no dia de ontem 06, o grande compositor Adalto Magalha.


Em novembro de 2014 entrevistamos Adalto Magalha e ele nos contou particularidades de sua trajetória como compositor. Coisas que só se tornaram públicas naquela entrevista, por exempo:


São mais de 400 músicas gravadas e a maioria sucesso na voz de cantores como Beth Carvalho, Zeca Pagodinho. Alcione, AGP, Almiguinte (seu maior parceiro), Fundo de Quintal e muitos outros. Adalto Magalha também, compunha samba enredo como aquele que homenageou Silvio Santos do SBT.


Quando esteve em Porto Velho em 2014, ouviu o samba Ceará de Iracema e se interessou em conhecer o compositor. Fui apresentado a ele pelo meu amigo Antônio Neto. De posse do CD com samba Adalto ao chegar no Rio de Janeiro passou a divulgá-lo nas redes sociais e nas rodas de samba onde se apresentava. Assim também ele fez com sambas do Ernesto Melo e Beto Cezar. Por essa e por outras Adalto Magalha se tornou o compositor de samba mais querido pelos sambistas de Porto Velho. Descansa em paz amigo Adalto Magalha.


Voltando a Porto Velho nos encontramos no Flor do Maracujá, justamente na noite de sexta feira dia 4, quando se apresentaram os grupos Rádio Farol (mirim e adulto), o boi mirim Estrelinha e o boi adulto Diamante Negro.


Devo confessar que em virtude de ter dado preferência ao ensaio geral do meu grupo, o bumbá Corre Campo, só assisti a apresentação do boi Diamante Negro.


Após a apresentação do boi do Aluízio Guedes ao passear pelo Arraial encontrei a turma da Rádio Farol que cobrou: “Zekatraca esperamos sua coluna de domingo para saber se nossa apresentação foi boa”. Obrigado pela deferência.


Infelizmente, como já disse, não assisti a apresentação da Rádio Farol o que até agora está me deixando muito chateado, afinal de contas a Rádio Farol merece toda a cobertura possível. Parece até que fui escalado para responder a pergunta feita pelo tema da quadrilha do Severino. “E se o São João fosse acabar hoje?”. Com certeza eu iria pro inferno por não ter assistido a apresentação do Furacão do Norte. Desculpa amigos,


Pelas minhas pesquisas foi uma boa apresentação. Porém ninguém me garantiu que a Farol saiu da arena como campeã. “Se eu fosse eles Zekatraca, só festejaria após a abertura dos envelopes com as notas”, disse uma pessoa catedrática em dança de quadrilha.


Já sobre o boi mirim Estrelinha todos que consultei elogiaram a performance do garotinho que se apresentou como Pajé. “Foi um espetáculo”, disse a diretora administrava da Sejucel Bebel com a confirmação da professora Nazaré. A Rádio Farol Mirim segundo as mesmas foi espetacular.


Sendo assim, arrisco a dizer que a campeã do Flor do Maracujá deste ano está entre os grupos: Juabp, Girassol e Rádio Farol. Quanto a Roça é Nossa não havia se apresentado quando fechamos essa coluna sábado de manhã.


Entre os Bois Bumbás nenhum dos que se apresentaram até a noite de sexta feira, superou a apresentação do Diamante Negro. Falta o Corre Campo que se apresentou na noite de ontem.


Vou arriscar um palpite sobre os bois que já se apresentaram: Diamante Negro, Az de Ouro e Manhoso. Porém como sou do Corre Campo acredito que vamos superá-los e levar o bi para a Baixa da União se Deus quiser!

Fonte: Zé Katraca

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias