Segunda-Feira, 04 de Janeiro de 2016 - 11:42 (Entrevistas )

L
LIVRE

IVAN JUVÊNCIO DE SOUZA - CEARÁ – O AMBULANTE VÍTIMA DO PLANO COLLOR

Vendo pastel e banana frita formou uma filha advogada e a outra está fazendo engenharia civil em faculdade particular.


Imprimir página

Na preparação da festa da virada na tarde da última quinta feira 31, paramos para lanchar justamente na barraca do Ceará, um amigo de longas datas, e conversa-vai conversa-vem fomos fazendo perguntas sobre o motivo dele ter optado em ser ambulante: “Já tinha alguma coisa quando chegou o plano Collor e levou tudo, aí fui junto com minha mulher Luci vender pastel na rua”. Assim ficamos sabendo, que na realidade o Ceará é Paraibano e que veio para Porto Velho em 1986, foi um dos primeiros moradores do bairro Marcos Freire. 

“Naquele tempo ninguém queria morar lá por ser muito longe. No verão era poeira e no inverno muita lama”. Ceará conta que chegou a vender 12 Mil pastéis em uma das edições do Arraial Flor do Maracujá e que o melhor evento de rua para os ambulantes ainda é a Banda do Vai Quem Quer. Vendo pastel e banana frita formou uma filha advogada e a outra está fazendo engenharia civil em faculdade particular. “Minha filha advogada diz, agora o senhor vai parar de trabalhar e eu respondo, nunca minha filha, minha vida é essa aqui”. Vamos acompanhar a história do Ceará – Ambulante:

ENTREVISTA

Zk – Qual seu nome de batismo?

Ceará – Ivan Juvêncio de Souza conhecido como Ceará, nasci no dia 29 de março de 1960 em Conceição de Piancó (PB) terra de Elba e Zé Ramalho.

Zk – Quando veio para Rondônia?

Ceará – Andei praticamente em todos os estados brasileiros e nenhum prestou. Na época Walderedo Paiva o delegado, pegava aqueles cabras do Nordeste pra vim pra cá servir a Polícia porque aqui ninguém queria ser policial. Walderedo era paraibano de João Pessoa.

Zk – E você veio para ser policial aqui?

Ceará – Na realidade, eu só tinha dinheiro pra vir até Brasília mas, queria mesmo era chegar em Porto Velho aí me escondi dentro do banheiro do ônibus. Quando chegou em Vilhena eles deram fé de mim – Você vai pra onde? – Vou pra Brasília, respondi malandramente, sabendo que já estava em terras de Rondônia e o Fiscal da empresa de ônibus falou – Você já está em Rondônia, agora você tem que ir até Porto Velho e de lá você volta. Era justamente o que eu queria.

Zk – Já em Porto Velho?

Ceará – Desci do ônibus e fui embora, me hospedei num hotel perto da rodoviária e fiquei aqui em Porto Velho. Limpei quintal, fiz pintura de casa depois arrumei emprego na Coca Cola. Consegui economizar e criei uma empresa de transporte escolar.

Cheguei a ter nove (9) Kombi escolar, já tava mais ou menos financeiramente falando, porém, o negócio foi abaixo quando chegou o maldito Plano Collor. Fui uma das vítimas dessa quebradeira. Foi quando fui trabalhar na rua. (O plano Collor foi instituído em 16 de Março de 1990, um dia depois de Collor assumir a presidência).

Zk – Virou ambulante?

Ceará – Eu e minha mulher Luci fomos trabalhar como ambulante. Deixa lembrar: conheci a Luci aqui em Porto Velho, namoramos apenas dois meses e casamos, estamos juntos até hoje. Cheguei aqui na época que o prefeito era o Tomaz Correia acrescento até, que se cada prefeito do tempo do Tomaz pra ca, asfaltasse um bairro inclusive com o devido saneamento, essas nossa cidade seria um brinco... Bom!

Zk – Você foi dos primeiros moradores do bairro Marcos Freire. Fala sobre a formação desse bairro?

Ceará – No inicio era uma casinha aqui, outra acolá e ninguém queria morar no bairro Marcos Freire, era muito longe e o acesso era por estradas (ruas) de terra, quando não era poeira era muita lama. Na época, eu comprava terreno com Cem Reais, hoje é um grande bairro com mais de 30 anos e nunca recebeu um benefício do poder público. A única coisa que funciona de verdade no Marcos Freire é o colégio das irmãs Marcelina esse é nota DEZ. Moro na rua Piauí. O Marcos Freire foi um projeto do deputado Chagas Neto e o governador era Jerônimo Santana – Bengala.

Zk – Quando você começou como ambulante vendia o que?

Ceará – Comecei vendendo pastel, bananinha o que faço até hoje, apenas acrescentei mais alguns produtos como cachorro quente e sanduíche de pernil mais a venda de sucos. O vendedor ambulante tem que estar aonde tem gente. Onde tiver piseiro nós vamos, chega lá já monta a barraca e tal. Na verdade, quem faz a festa é o ambulante. Coloca o palco para os artistas se apresentarem e tira os ambulantes da rua pra você ver como fica um vazio, mesmo assim tem gente que quer expulsar o ambulante da rua.

Zk – Ué e a atividade de vocês não é legalizada?

Ceará – Que nada seu moço! Não é fácil a nossa vida de ambulante, Já pensou se a prefeitura legaliza nossa atividade, todo mundo vestido de branco atendendo o povo num padrão, as barracas todas ajeitadinhas e a gente de jaleco e boné como acontece em cidades como Manaus. A prefeitura não aceita que paguemos nossos direitos, já fizemos várias reivindicações para que a prefeitura reconheça nossa atividade. Não nos furtamos em pagar nossos impostos, mas, queremos a garantia de trabalhar sossegado, tenho 23 anos como ambulante e já tentei por diversas vezes legalizar meu negócio e eles não aceitam, a mesma coisa é a Eletrobrás a gente tenta legalizar nossa energia e eles não aceitam.

Zk – Com quem você aprendeu a fazer essas guloseimas principalmente o pastel?

Ceará – Foi com a fome. A fome ensina você ganhar dinheiro. Ninguém te ensina, aqui o jogo é duro, passei dez anos para aprender a receita do pastel e nunca ninguém me ensinou o que se propôs a me ensinar se dizendo meu amigo, ainda ensinou errado. Comecei com uma fritadeira e um espremedorzinho manual de laranja no inicio era no fogão a gás hoje é tudo elétrico, muito mais prático e higiênico.

Zk - Desse eventos qual o que mais vende?

Ceará – Disparadamente é o Arraial Flor do Maracujá já cheguei a vender no Maracujá 12 Mil Pastéis! A Luci minha mulher que é quem prepara a massa, utilizou oito sacos de farinha de trigo, até hoje é o recorde.

Foi assim: quando eu tinha Kombi escolar transportei a filha dele com a dona Chiquinha e veio o Plano Collor e eu fiquei na lona, naquela época eram só 45 vagas era difícil conseguir espaço. Minha banca era fora do Arraial no meio da rua aí o Flávio Carneiro chegou e disse, bota aquele rapaz que está la fora aqui pra dentro. Pense em vender pastel naquela época, saco de laranja podia inventar, era muito bom. Hoje ainda da, mas, não chega nem perto daquele tempo.

Zk – Quais os eventos que são bons para os ambulantes?

Ceará – Depois do Maracujá era a Expovel isso em ambiente fechado, agora, de rua ninguém bate na Banda do Vai Quem Quer. O Carnaval Fora de época era bom também mas, a Banda do Vai Quem Quer é respeitada.

Zk – Você antes do Collor foi mais ou menos rico e agora?

Ceará – Realmente tive alguma coisa antes do Plano Collor, fiquei na pindaíba como se diz, mas como ambulante subi de novo. Hoje tenho um patrimônio muito bem valorizado, terminei de formar uma filha Débora de Souza como advogada já com a OAB e a outra Bárbara de Souza está fazendo engenharia civil na Faro. Tudo é rondoniense inclusive minha mulher Luci.

Zk – Qual o dia de folga para o ambulante?

Ceará – Não tem, quando sai o anuncio de uma festa na televisão a gente fica doido, se a gente não tiver lá não dorme direito, os colegas ficam telefonando, vem Ceará teu ponto ta aqui reservado. Do mesmo jeito que tem a fofoca do carnaval, tem a fofoca dos ambulantes...

Zk – Quer dizer, deixar Porto Velho nem pensar?

Ceará – Sou rondoniense de Porto Velho e daqui não saio de jeito nenhum.  

Fonte: Zé Katraca

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias