Sexta-Feira, 12 de Julho de 2013 - 14:59 (Colaboradores)

HERMÍNIO PODE TER COLOCADO A PF E A POLÍCIA CIVIL À ESPREITA DE UMA SEGUNDA FASE DAS OPERAÇÕES DOMINÓ, TERMÓPILAS E APOCALIPSE CONTRA A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Para início de conversa, ‘as patacoadas a que se meteu parte dos deputados ao longo dos últimos 22 anos não são poucas’, disseram velhas raposas políticas ex-aliadas de Expedito Junior [quando deputado federal], José de Abreu Bianco, Carlão de Oliveira, Marcos Donadon, passando ainda por Ivo Cassol em períodos de prefeito, Governador do PSDB e Senador do Partido Popular [PP] de Paulo Maluf.


Imprimir página

Rolim de Moura, Rondônia – Ao seu estilo, o de demonstrar ‘inocência no peito e na raça’, o presidente afastado do Parlamento rondoniense, deputado José Hermínio Coelho [agora PSD e ex-PT] pediu e o secretário de Segurança e Cidadania, Marcelo Bessa, obteve o apoio do Departamento de Polícia Federal na ‘Operação Apocalipse’.

Em meio à coleta de informações, números e diagnósticos que atestem - ou não - a legalidade das ações da Polícia Civil no seio do povo e analistas de segurança, eles disseram a este site de noticias que ‘a sugestão de Hermínio pode ter sido um tiro no pé, além de produzir novos fatos políticos em entorno dos nomes da irmã e do cunhado do Governador’.

Para início de conversa, ‘as patacoadas a que se meteu parte dos deputados ao longo dos últimos 22 anos não são poucas’, disseram velhas raposas políticas ex-aliadas de Expedito Junior [quando deputado federal], José de Abreu Bianco, Carlão de Oliveira, Marcos Donadon, passando ainda por Ivo Cassol em períodos de prefeito, Governador do PSDB e Senador do Partido Popular [PP] de Paulo Maluf.

NO CANTO DO FUXICO - Por aqui, do agricultor familiar aos representantes do agronegócio, o pensamento é de que ‘a PF deveria ter sido chamada muito antes pela SESDEC, já que alguns presidentes e deputados da ALE-RO já seriam velhos conhecidos da instituição’.

Já no caso, a Polícia Federal não encontrará dificuldades para agir com a Polícia civil e o Judiciário rondoniense. Para analistas, ‘de todo um pouco já tem o longa-metragem político protagonizado por deputados, vereadores, senadores, governadores, prefeitos e agentes ministeriais’.

CORRUPÇÃO NO PODER - Em se tratando de crimes contra o erário, tipificados como corrupção, peculato e danos ao patrimônio dos municípios, do Estado e União Federal, os acusados potenciais percorrem com facilidade de uma trama de espionagem a adversários em sistema de troca de favores e benesses, indo da corrupção [ativa e passiva] a mais bufa das comédias quando insistem emparedar governantes e autoridades mais à esquerda dos planos pessoais desses atores.

Na região, também, corre a notícia de que Hermínio Coelho retornaria ao cargo caso os 15 dias pedidos do seu afastamento feito pela Justiça não sejam prorrogados. A ânsia de partidários dos parlamentares, como os de Adriano Boiadeiro [Nova Brasilândia], remete, segundo experientes lideranças locais, ‘ao caso dos deputados apenas suspensos pela atual Mesa Diretora’.

Ledo engano, disseram outros.

PF NELES! - A chegada da Polícia Federal em um possível desdobramento da “Operação Apocalipse’ pode significar mais precisão na coleta de informações, números e diagnósticos em cima dos investigados e dos acusados já presos no Presídio Pandinha. Além da chegada de Fernando da Gata às sessões de interrogatórios, ‘pode abrir o libelo das ações atribuídas ao financiamento de campanhas pelo narcotraficante de alcunha Beto Bata.

Com o pomposo título ‘nobiliário’ de deputado-presidente, Hermínio Coelho do PSD Gilberto Kassab [ex-prefeito de São Paulo], a ‘Apocalipse’ pode ser desdobrada para uma segunda fase da temida operação sobre lavagem de dinheiro, bem como dá celeridade aos processos investigatórios na linha da corrupção, peculato [Operação Termópilas], associativismo ao narcotráfico, estelionato, crime eleitoral e atentado aos poderes constituídos, afirmam analistas forenses.

ATIÇOU PF VIA SESDEC – Em miúdos, o apelo de Hermínio para que os federais entrassem no caso das prisões de supostos aliados e deputados, pode produzir ações com mais clarezas, pela primeira vez, sobre a aliança com o foragido Walter Araújo e o clã de Carlão Oliveira [PSL de Alta Floresta] para tratar das eleições da Mesa Diretora ao quadriênio 2011-14.

De outro modo, a PF deve esclarecer, em definitivo, as ações do casal Cláudia Moura e o marido Francisco de Assis em um suposto esquema de captação de dinheiro para os programas de reeleição de Confúcio, além das denúncias feitas por Hermínio na compra de mobiliário ao Centro Político Administrativo [CPA] e para um sistema de consignados envolvendo servidores do Estado.

EPIDEMIA DE LAVAGEM - Sobre, uma fonte deste site, no Distrito Federal, revela que a ‘Apocalipse’ poderá ser agregada às operações em andamento pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras [COAF] Contra “Epidemia da Lavagem de Dinheiro, cujo foco deve inserir combinações de ações especiais em empresas consideradas de ‘risco’ para prática de lavagem. O foco, disse a fonte, ‘deve ser centrar na Empresa Reflexo Limpeza e Conservação Ltda’, ligada a Walter Araújo, que tentou receber uma fortuna avaliada em R$ 22 milhões.

- Era tudo mentira, denunciava, à época, a versão impressa de um Jornal Local.

PÃO E CIRCO AO POVO - No dia 13 de novembro de 2011, o mesmo jornal fez denunciar sob o título ‘Assembléia manda comprar iguaria francesa para atender paladar dos deputados’. No subtítulo da reportagem bombástica, divulgou: ‘Casa do Povo exige do fornecedor iguarias de origem francesa e paga banquetes a preço de ouro’.

As iguarias a que o jornal se referiu, trata-se dos famosos ‘Voi au avent’[é um alimento francês feito com massa folhada em formato de cestinhas, recheado com misturas cremosas], ‘Warap’ e ‘Brownie’, exigidas no Edital de Licitação, vencida pela Empresa Maria José da Silva ME, foi, à época,  para atender os futuros coquetéis da Assembléia Legislativa de Rondônia de 2011 a 2012.

BELA FARRA COM DINHEIRO PÚBLICO - Segundo o jornal, ‘pelo serviço, a firma contratada vai receber R$ 670.000,00 [Seiscentos e Setenta Mil Reais] por 12 meses. Só para os meses de novembro e dezembro, quando geralmente acontecem as famosas confraternizações dos deputados estaduais, o Buffet foi contratado a preço de ouro. Segundo a Fonte de Recurso nº 01122102020620000, um total de R$ 184.705,20.

O foragido Walter Araújo teve à disposição, ainda, R$ 3.078,41 todos os dias até o dia 31 de dezembro de 2011, para gastar em café da manhã e jantares requisitados para seus convidados enquanto segurou a sua pré-candidatura a prefeito pelo PTB de Kaká Mendonça, atual líder do Governador Confúcio Moura na Assembléia Legislativa.

De acordo com a reportagem, em 2012, os deputados estaduais tiveram à disposição R$ 55.833,33 por mês para despesas com recepções festivas. Esse dinheiro, segundo o jornal, ‘esse dinheiro daria para comprar 6.979 marmitex ao preço de R$ 8,00, valor popular praticado em restaurantes de Porto Velho’. Com R$ 53 mil/mês, os parlamentares, que se dizem preocupados com a população rondoniense, poderiam doar uma casa popular a cada 30 dias. O valor do imóvel do Programa Minha Casa, Minha Vida  não chega a R$ 53 mil nas planilhas das empresas de construção civil’. 

Xico Nery é Produtor Executivo de Rádio, Jornal, TV, Repórter Fotográfico e CONTATO de Agências de Noticias nas Amazônias, Países Andinos e Bolivarianos

Fonte: Xico Nery

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias

Http://www.Auto-doc.pt