Terça-Feira, 07 de Novembro de 2017 - 17:16 (Saude)

L
LIVRE

FARMÁCIA DO HOSPITAL DE BASE DE PORTO VELHO OBTÉM PONTUAÇÃO MÁXIMA AO PARTICIPAR DE PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO

De acordo com o gerente da farmácia, farmacêutico Wellington Magalhães, em novembro de 2015 o secretário estadual de Saúde, Williames Pimentel, aceitou o desafio de fazer parte dessa reestruturação proposta pelo MS


Imprimir página

A farmácia do Hospital de Base Ary Pinheiro de Porto Velho conquistou o título de Destaque Farmácia Hospitalar, com pontuação 10, após dois anos participando do Projeto de Reestruturação de Hospitais Públicos (PRHP), desenvolvido pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz de São Paulo em parceria com o Ministério da Saúde (MS), através do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS).

De acordo com o gerente da farmácia, farmacêutico Wellington Magalhães, em novembro de 2015 o secretário estadual de Saúde, Williames Pimentel, aceitou o desafio de fazer parte dessa reestruturação proposta pelo MS, que coloca o programa à disposição de todas as secretarias de saúde do País para avaliação dos planos de ações nas unidades médicas.

A partir da adesão ao projeto, que trabalha especificamente as questões de qualidade e segurança do paciente dentro das instituições e melhorias de processos, uma série de ações foi instituída, segundo Wellington Magalhães, visando melhor organizar e aperfeiçoar o controle de medicamentos na farmácia do HB, desde a solicitação até o atendimento ao paciente; e bimestralmente era realizada avaliação por uma equipe de coordenadores do programa.

“Trabalhamos com a mudança da parte estrutural, organização de espaços e da parte documental, identificando as fases desde o recebimento até a dispensação, inserção dos medicamentos de alta vigilância, controle dos “look-sound e look-alike”, que são medicamentos com som ou grafia parecidos, e que por isso podem induzir a erros”, explicou Wellington.

Com uma equipe de 10 farmacêuticos e 20 profissionais de nível técnico, a farmácia do HB é responsável pelo atendimento a 600 leitos, ao serviço de diagnóstico e ao único núcleo de nutrição parenteral de Rondônia. “Recebemos a prescrição via online, analisamos, imprimimos e fazemos a dispensação dos medicamentos para ser liberados para as clínicas. Até este momento é realizada dupla checagem para minimizar riscos de erros. Uma terceira checagem ocorre por parte da equipe de enfermagem, que retira a medicação da farmácia hospitalar”, destacou, observando que o programa de reestruturação já foi estendido à área de enfermagem e a outros setores do HB.

Wellington Magalhães considera que esse resultado é importante para os farmacêuticos e os demais profissionais técnicos que atuam na farmácia do HB, mas principalmente para os pacientes, que têm garantida a segurança quanto ao uso da medicação correta para o restabelecimento de sua saúde.

O gerente também citou o trabalho importante para dar início ao controle de antimicrobianos de uso restrito inserido primeiramente no HB, realizado em conjunto com os médicos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e os da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH).

“A partir de agora, fechamos o ciclo do programa de reestruturação e iniciamos outros projetos executados não só pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz, mas também por outras importantes instituições”, disse, adiantando como próximo passo o início do trabalho de farmácia clínica, tendo a UTI como plano piloto.

Fonte: 010 - SECOM - GOV/RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias