Segunda-Feira, 16 de Outubro de 2017 - 11:59 (Esportes)

L
LIVRE

ESCOLA INDÍGENA VENCE PRIMEIRO JOGO NAS COMPETIÇÕES DE FUTSAL DOS JOGOS ESCOLARES DE RONDÔNIA 2017

Os jogos escolares para as competições de futsal acontecem no ginásio da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), com três jogos pela parte da manhã e dois no período da tarde.


Imprimir página

As sete atletas da Escola Estadual Santa Maria da aldeia Kaxarari venceram cerca de seis times na fase regional para chegar às etapas estaduais. No primeiro jogo dos Jogos Escolares de Rondônia (Joer), a equipe se consagrou vitoriosa por 5×2 e atualmente se encontra empatada no segundo lugar da chave para as classificações gerais.

Os jogos escolares para as competições de futsal acontecem no ginásio da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), com três jogos pela parte da manhã e dois no período da tarde. Seu inicio se dá pela manhã a partir das 8h e a tarde às 14h.

Os jogos na quadra da associação fez com que as atletas tivessem o segundo contato com o equipamento esportivo de nível profissional, pois segundo o professor e treinador da equipe, Carlos Eduardo, as atletas tiveram contato com a quadra na fase regional do Joer. Segundo o treinador as atletas se deslocam da aldeia para quadra no distrito de Extrema, para poder treinar nos finais de semana.

Os treinos são dados a partir da preparação física e seguindo com parte tática. As atletas possuem faixa etária de 15 a 17 anos. Muitas delas passaram a jogar futsal a partir do futebol de campo, que é praticado por boa parte dos membros das aldeias.

Alexandra Karaxari, Thalia Kaxarari e Carla Kaxarari são as atletas que estão no seu primeiro ano das competições juvenis. Elas já jogaram pela escola indigena na categoria infantil. Alexandra é artilheira do time desde a fase regional.  Na aldeia começou a jogar com 6 anos de idade. Quando não está na escola ou jogando futebol, ela pesca e ajuda a família nos afazeres doméstico.

Muitos dos equipamentos esportivos para as jovens atletas participarem das competições são comprados pelos professores e coordenadores, segundo a coordenadora de educação indigena Marcia Fratari

Fonte: 010 - SECOM/GOV-RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias