Quarta-Feira, 14 de Dezembro de 2016 - 09:57 (Colaboradores)

L
LIVRE

ENTREVISTA PARA A REDE DE COMUNICAÇÃO CIG INTERNATIONAL COSMOS – Por Max Diniz Cruzeiro

Como já devem ter percebido adotamos o estilo literário realismo fantástico do terceiro milênio como forma de projetar elementos complexos que não queremos falar diretamente, onde coexiste um conhecimento oculto na estória fictícia que revela algo importante que pode ajudar um indivíduo a captar muitos recursos para sua tragetória de vida. Permanecer na alucinação ou captar a verdadeira informação que estamos transmitindo será sua livre escolha.


Imprimir página

Realismo Fantástico do Terceiro Milênio 

Bom dia,

O Senhor sabe que está em um planeta de Classe de desenvolvimento II, como espera alcançar o seu objetivo com conteúdos tão densos a uma civilização que ainda engatinha no rumo do autoconhecimento?

R. Bom dia. Eu parto do pressuposto que seja possível migrar alguns indivíduos para a Classe de desenvolvimento III com as informações que estou distribuindo neste planeta. E numa tentativa muito ousada, acredito que seja possível deixar traços de desenvolvimento de IV a X, nos moldes que já tem sido feito aqui neste planeta através de películas cinematográficas que mostram conteúdos deste grau de desenvolvimento, não gerando disfunções e alarmes nos habitantes que encaram as informações como pura fantasia.

Sabe das consequências de distribuir informações deste porte a seres que ainda não têm equilíbrio para o gerenciamento das emoções e afetações de extermínio?

R. Tenho visto que muitos orbes falharam no processo de emancipação do solo no sentido de deslocamento para o espaço sideral.  Algumas culturas tiveram seus avanços tecnológicos superiores à sua linha de afetação de outras unidades civilizatórias. Sei que num passado remoto quase condenamos nosso universo a degradação e destruição por causa de nossos atos de conquistas por espaço e expansão no universo. Mas sei que esta espécie deste quadrante se for bem orientada pode conquistar o seu equilíbrio civilizatório sem a necessidade de que guerras clônicas sejam novamente desencadeadas neste setor.

O que o Senhor tem a dizer para nossas crianças?

R. Ampliem a sua capacidade de ouvir outras culturas, mesmo que elas não tenham nada a oferecer, porque existe dentro da limitação e do aspecto paleolítico de espécies um conhecimento que não pode apenas estar contido em máquinas e que pode ser útil para a ampliação do universo num futuro quando estivermos unificados e a necessidade de expansão nos fizermos fortes para construirmos um novo universo que será a base de outra história construída pela cristalização de nossos sonhos.

O que poderia ensinar para nossas crianças sobre esta espécie em que você está inserido?

R. A mente aqui não é unificada, ela requer construção em vários estágios a fim de que o equilíbrio do indivíduo não seja rompido. Os mecanismos de construção do raciocínio ainda não foram produzidos neste planeta, existem alguns protótipos, porém não atingiram uma dimensão planetária. Então todo o conhecimento é utilizado via cooperação estelar. Mas existe uma grande dificuldade por parte dos Paraisanos de controlarem este raciocínio mecânico. Ainda não teve uma maturidade suficiente para eles identificarem a emanação de ondas de rádio diretamente em suas caixas cranianas como forma de aceleração do conhecimento. Entre as explicações básicas para a incidência de comunicação craniana estão: a personificação de um ser onipotente e onipresente conhecido como Deus, o desencadeamento de distúrbios que concebem o raciocínio como um efeito alucinativo, e, processos que levam a crer uma autossuficiente dos indivíduos de um conhecimento próprio na forma de um “saber” que brota exclusivamente de sua própria observação.

Existe um mecanismo biológico não unificado na procedure do pensamento humano que alguns setores cerebrais possuem mais ou menos processos somáticos de ampliação do pensamento, despertando os mecanismos que ativam o raciocínio. Poucas pessoas aqui conseguem mapear esta zona de influência dentro de si mesmos, principalmente por estruturas de recalque, que são geradas sem consciência reflexiva que sirva de base para a sustentação das diretivas do próprio pensamento.

Então deste vazio de leis decorrem processos convergentes e divergentes, na forma de uma divisão de agrupamentos de ações que ora são inibidas e ora são projetadas, numa dinâmica em que a obtenção do prazer é a regência da afetação do indivíduo, onde os fatores de coerência e coesão são colocados de lado em face da vantagem qualitativa de se trabalhar com quantidades neurais.

Porém, mal sabem os paraísanos que com um pouquinho de vontade eles podem começar a agrupar estes pontos em agrupamentos de ideação, através de uma canalização de vizinhança em que permita agrupar através de associações os elementos herdados a partir de várias experiências e experimentações pessoais.

De forma que a instrumentação da CIG possa desenvolver o conhecimento mais acelerado que o efeito normal de um princípio de ação-reação condicionado à apreensão ambiental.

Crianças estelares, eu aprendi desde cedo a agrupar e alinhar as informações, mesmo assim, tive dificuldades de construir um caminho coeso livre de contradições. Para aquelas que ainda estão desenvolvendo o pensamento, eu escrevo para a necessidade de sincronização das instruções psíquicas que são lançadas no intelecto.

Este é meu grande segredo que desenvolvi neste setor. Enquanto a maioria se guia pelo fragmento de informações que são lançadas no intelecto condicionantes de prazer/descarga, eu oriento minha percepção para que eu possa captar do intelecto estruturas de identificação projetivas que despertam a sensação de que algo novo fora percebido no ambiente. A partir desta fixação deste elemento introduzido, eu demoro 30 segundos em torno deste núcleo de saber julgado, para o fortalecimento do nó neural e rede de significantes em torno dele, para buscar diretamente dos computadores em órbita o raciocínio que preciso para gerar a inovação percebida.

Porém isto para as limitações biológicas que dispomos apenas é conseguido com uma prática contínua de no mínimo 5 anos de treinamento.

O instanciamento que desloco minha descarga/prazer se torna uma antena de recepção, onde passo a distribuir em torno dela conhecimentos que podem ser mesclados para ampliar o meu “saber” e assim trazer o novo para esta gente tão carente de perspectivas e condicionada a se viciar nas poucas perspectivas já catalogadas e validadas pelos seus sistemas educacionais.

Você é de qual setor do universo?

R. Informação ignorada, não tenho dados para cruzar as informações que poderão me auxiliar na construção do nó onde a informação será desencadeada no meu cérebro projetivamente a fim de que eu obtenha a resposta. Teria que estudar astrofísica e astronomia, que em razão das minhas atividades não tenho interesse de saciar minha curiosidade no momento.

Aeres Quiver Uradre Indira Ubian Raver Giant Efemer!  

Fonte: 010 - Max Diniz Cruzeiro

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias