ENTRE DELAÇÕES E ABANDONO DE ALIADOS, CONFÚCIO CHEGA, ENFIM, AO 2º TURNO - News Rondônia Por aqui, é fato a ‘quebradeira’ no comércio e na indústria de alimentos cujo protagonista principal seria o não pagamento de dívidas de campanhas do atual Governo e a recusa de conhecidos operadores de parte das campanhas de Confúcio Moura.

Porto Velho,

Segunda-Feira , 20 de Outubro de 2014 - 21:06 - Colaboradores


 


ENTRE DELAÇÕES E ABANDONO DE ALIADOS, CONFÚCIO CHEGA, ENFIM, AO 2º TURNO

Por aqui, é fato a ‘quebradeira’ no comércio e na indústria de alimentos cujo protagonista principal seria o não pagamento de dívidas de campanhas do atual Governo e a recusa de conhecidos operadores de parte das campanhas de Confúcio Moura.

ImprimirImprimir página

Ariquemes, Rondônia – Não pode ser uma raridade ou um fato inusitado denúncias de corrupção não apuradas, plenamente, nos governos rondonienses. A exceção fica por conta, segundo analistas sérios e responsáveis, ‘da intercessão do Ministério Público Federal [MPF], Polícia Federal e Corregedoria Geral da União [CGU]’.

Por aqui, é fato a ‘quebradeira’ no comércio e na indústria de alimentos cujo protagonista principal seria o não pagamento de dívidas de campanhas do atual Governo e a recusa de conhecidos operadores de parte das campanhas de Confúcio Moura. Ele é apelidado, por isso, ‘como o mestre das armas psicológicas’.

Além de não apurar nada ou quase nada, o mandatário rondoniense é acusado de facilitar a atuação dos órgãos de controle de evasão fiscal [crime financeiro] e formação de quadrilha. Exemplo dessa visão simplista, ‘foi à entrega do filho Rômulo aos federais durante a Operação Termópilas quando dormia no ninho semi-palaciano’.

O Bom Velhinho” – esse era o código usado por Rômulo, José Batista e Walter Araújo – é tido sem faro estatal para agir com precisão cirúrgica nos casos de denúncias de corrupção sem secretarias do porte da SEDAM [Secretaria do Desenvolvimento Ambiental], SUPEL [Superintendência Estadual de Licitações], SESAU, SEDUC, SEJUS e Superintendência de Hidrovias e Portos e IPERON.

Sem vigiar e punir servidores denunciados em operações da Polícia Federal, o ‘velhinho de fala mansa deixou nesses quase quatro anos não fechar as torneiras da corrupção’; rico cenário de violentos eventos entre grupos de oposição e servidores de carreira que preferem levá-lo ao cadafalso dia 26 a serem mandados por CDS’.

Na SEDAM pairam ainda dúvidas não tiradas quanto à participação da titular, geógrafa paraense Maria Nanci Rodrigues, recebeu, em mãos ou não, R$ 180.000,00 [Cento e Oitenta Mil Reais] arrecadados entre dragueiros de uma suposta licença repassada a José Alves de Lima, ainda em local incerto e não sabido.

Órgão é considerado por analistas, ‘o principal propinoduto do Governo da Cooperação’, vez que, desde o Governo Valdir Raupp as denúncias são feitas, computadores e documentos são apreendidos, mas os personagens continuam nos cargos, sobretudo na Fiscalização, Licenciamento Ambiental e de arrecadação de taxas e emolumentos.

Nesta parte do Estado, casos de extração ilegal de madeiras e produtos da floresta no viés planos de manejos supostamente esquentados e de extração ilegal de minério, ‘são assuntos recorrentes, nada que um advogado lotado no gabinete da secretária não tenha a solução’.

- A figura atuaria nos jurídicos de cooperativas de dragueiros, ‘fichinhas da Polícia Federal durante as operações Rio de Ouro, Iara, Caiari e Eldorado’, revela uma fonte anônima.

Abismadas fontes da ala mais à esquerda do PMDB, no Vale do Jamari, ‘Confúcio não defende a preservação da integridade territorial do Estado’, pois deixou livre ao agronegócio madeireiro, pecuário e mineral das grandes mineradoras, através da SEDAM e da Companhia de Mineração [CMR], as riquezas regionais.

Por conta, cidadãos comuns temem que o Estado volte a ser governado pela quadrilha, só agora denunciada por José Batista da Silva e Rômulo da Silva Lopes [adotivo de Confúcio]. Ambos foram presos pela Policia Federal na Operação Termópilas, há três anos, cujos depoimentos estão anexados ao Inquérito 784/DF por decisão da Sub-Procuradora-Geral da República, Lindôra Maria Araújo.

NOTICIAS RELACIONADAS

Fonte: Xico Nery

Comentários do Facebook

Veja Também

Publicidade

  • Http://www.Auto-doc.pt