Sexta-Feira, 24 de Outubro de 2014 - 12:05 (Eleições 2014)

ENQUANTO EXPEDITO SAI APLAUDIDO, DANIEL É VAIADO NO SINTERO

O comportamento da plateia foi uma reação à forma com que foram tratados pelos candidatos. Enquanto que o candidato à reeleição se recusou a assumir compromissos com a categoria, Expedito não só assinou o documento, como acrescentou dois itens a já extensa pauta de 23 pontos.


Imprimir página

Por essa o candidato a vice-governador na chapa encabeçada pelo PMDB, o sindicalista Daniel Pereira jamais esperava. Ao representar o candidato a governador no ato onde os candidatos deveriam assinar um termo de compromisso com os trabalhadores em educação, Daniel assistiu o candidato Expedito sair sob efusivos aplausos, enquanto que ele foi recebido sob ensurdecedora vaia dentro do sindicato que ele próprio ajudou a criar e foi um de seus dirigentes.

O comportamento da plateia foi uma reação à forma com que foram tratados pelos candidatos. Enquanto que o candidato à reeleição se recusou a assumir compromissos com a categoria, Expedito não só assinou o documento, como acrescentou dois itens a já extensa pauta de 23 pontos.

Além da ampla pauta, que inclui questões administrativas, Estruturais e salariais, Expedito acrescentou aos compromissos a decisão de tirar de dentro da própria categoria o novo secretário da Educação e a de reativar as representações de ensino em todos os municípios, com escolha direta dos representantes feita pelos próprios educadores e demais trabalhadores da pasta.

“Não vejo ninguém mais preparado para gerir a pasta de educação, que um trabalhador da própria Educação. Em meu governo não vou permitir politicagem na Seduc. A Educação não tem cor partidária”, observou, sendo muito aplaudido.

Comprometido com uma “administração participativa”, Expedito disse que não tomará “nenhuma decisão que impacte nas diferentes categorias e setores econômicos, sem antes ouvir as partes envolvidas”. Expedito declarou também que manterá “um relacionamento de respeito com as pessoas, com cada sindicato, de forma que possamos construir uma política decente, com transparência e que, sobretudo, possa ser cumprida”.

Ao abordar os problemas enfrentados pelo setor, como a falta de professores nas disciplinas de matemática, física, química e biologia, o candidato defendeu um programa de investimento na formação profissional.

Um dos pontos altos, foi ao falar sobre o compromisso de lutar pela transposição. “Se for com Aécio, será mais fácil, pois já conversamos a respeito. Mas se for com a Dilma, não tem problema. Vamos pra cima do mesmo jeito. No Amapá já está se discutindo a transposição dos servidores contratados até 93. Aqui estamos discutindo os contratados até 87, embora a lei que aprovamos no Congresso inclua os contratados até 91. Não vamos esmorecer”, afirmou.

Ao final, Expedito reclamou do baixo nível da campanha do adversário nas redes sociais e alertou para muitas mentiras e provocações que virão até o dia da eleição.  

Fonte: Vip Comunicação

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias