ELIANA CALMON QUER "FAXINA ÉTICA" NO JUDICIÁRIO - por Emerson Barbosa - News Rondônia Investigação pelo CNJ aponta que magistrados estão enriquecendo em desacordo com seus ganhos

Porto Velho,

Quarta-Feira , 28 de Dezembro de 2011 - 08:17 - Colaboradores


 

ELIANA CALMON QUER "FAXINA ÉTICA" NO JUDICIÁRIO - por Emerson Barbosa

Investigação pelo CNJ aponta que magistrados estão enriquecendo em desacordo com seus ganhos

ImprimirImprimir página

A polêmica a qual se meteu a corredora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon é um caso raro dentro do judiciário brasileiro é leva átona a tão blindada e “eficiente” magistratura país a fora. A corregedora resolveu por em xeque toda a instituição ao afirmar que o patrimônio de alguns magistrados não diz respeito ao real valor de seus vencimentos. “Acho que isso é o primeiro caminho para a impunidade da magistratura, que hoje está com gravíssimos problemas de infiltração (desvios e corrupção)  por bandidos que agem escondidos atrás da “toga”, disse a ministra em entrevista ao jornalista Cláudio César de Souza, do jornal O VALE de São Paulo

No ponto de vista da corregedora, existem magistrados usando o Judiciário em beneficio próprio e com isso elevando seus ganhos. Na prática funciona desta forma, “dando um jeitinho de livrar a cara de bandidos de todos os tipos de colarinhos”, complementa a corregedora Nacional do CNJ, Eliana Calmon

Mas com a medida de por fim a farra dentro do Poder Judiciário, a corregedora, Eliana Calmon começa a conquistar desafetos.  “CNJ quer fazer uma investigação para saber como está sendo gerido o dinheiro público nos tribunais. Segundo; porque os magistrados estão com os patrimônios acrescidos e em desacordo com seus ganhos”, enfatiza a corregedora

Em nota enviada ao Conselho Nacional de Justiça, (CNJ) pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamantra) a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajuf) e Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) afirmam que vão investigar as denúncias feitas pela corregedora. Enquanto que por outro lado os magistrados pedem posicionamento por parte das Associações em relação às investigações.

A ministra e corregedora, Eliana Calmon diz está agindo de acordo com a constituição, e não tem nenhum receio sobre a decisão tomada por ela. “Este estardalhaço que estão fazendo, eminentemente técnica tem como simples fundamento de tirar o foco das investigações em cima do Judiciário” declara Eliana Calmon

Outra, existe atualmente uma enorme pressão para que o Supremo Tribunal Federal (STF) reduza as competências do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) o proibindo de investigar Juízes acusados de corrupção e ineficiência no Judiciário.

Em nota divulgada, as associações dizem que reafirmam e apóiam o trabalho da corregedora, que por sua vez levam em conta o pedido do Judiciário para investigar as declarações da ministra.  Porém porque de tanto temor do Judiciário em relação ao que vem fazendo, Eliana Calmon, como é clichê dentro dos tribunais, quem não deve, não teme, ou teme?

Bom e fechando, sabe a quem caberá decidir os rumos de tudo isso, ao Supremo Tribunal Federal (STF). Espero muito que essas investigações da corregedora para por fim a banda podre dentro do Judiciário deem em algo, assim como continuo acreditando em conto de fadas.

Fonte: Emerson Barbosa

Comentários do Facebook

Veja Também

Publicidade

  • Http://www.Auto-doc.pt