Quinta-Feira, 16 de Outubro de 2014 - 09:30 (Colaboradores)

ELEITOS POR CONFÚCIO AINDA LEVANTAM SUSPEITAS E AMEAÇAS A RONDÔNIA

Já o ex-vereador, ex-prefeito, ex-aliado da primeira hora de Ivo Cassol, Lindomar Garçon [ex-PV e agora PMDB], integrou o clube fechado dos parlamentares na Câmara que destinaram R$ 136, 3 milhões para ONGs em estados que não receberam votos.


Imprimir página

Candeias do Jamary, Rondônia – Eleitos como a esperança da direita, Lindomar Garçon, Lúcio Mosquini, Marinha Raupp [PMDB], Nilton Capixaba [PTB] e outros palacianos ainda são tidos como a esperança da direita sob o comando do ex-policial militar do Distrito Federal, Confúcio Aires Moura e suas variáveis do agronegócio.

O parlamentar rondoniense deixou a Mesa Diretora da Câmara, mas escapou da cassação. Não se elegeu em 2006, mas continuou usando o apartamento funcional, conforme o jornal Folha de S. Paulo em 2007. Já em 2008, o Ministério Público em Mato Grosso, denunciou Capixaba e outros cinco parlamentares como integrantes do ‘braço político da máfia dos sanguessugas’ por corrupção passiva, lavagem de dinheiro, fraude e formação de quadrilha.

Já o ex-vereador, ex-prefeito, ex-aliado da primeira hora de Ivo Cassol, Lindomar Garçon [ex-PV e agora PMDB], integrou o clube fechado dos parlamentares na Câmara que destinaram R$ 136, 3 milhões para ONGs em estados que não receberam votos.

- Só de emendas dele saiu meio milhão de reais para o estado de Minas Gerais do orçamento de 2010, revela uma ex-dona de restaurante onde Garçon fazia suas refeições mais reservadas à beira do rio Jamary.

A finalidade do pacote de bondade encabeçado pelo agora deputado federal eleito para mais um mandato, segundo a mesma fonte, ‘foi para aplicação em eventos turísticos no estado de Minas Gerais, do candidato  tucano Aécio Neves, a mais de 5 mil quilômetros de Rondônia.’

Já Mosquini, segundo documentos apócrifos distribuídos em Ouro Preto por opositores ao Governo peemedebista, ‘o doutor do DER não suportaria cinco minutos de pressão dos federais que integraram a Operação 886, de combate às fraudes em licitações públicas’.

- Mas isso está longe de acontecer no atual Governo, diz uma fonte opositora de dentro da aliança de partidos que tenta levar Confúcio à reeleição e à renovação do inquilinato palaciano.

Com relação à Marinha Raupp, de acordo com fontes fidedignas a parlamentar pode ainda ser acusada de suposto estelionato eleitoral por ter, juntamente com o marido Valdir Raupp, ‘usar o nome do ministro Edson Lobão, de Minas e Energia, na suposta liberação, através da SEDAM, da APA [Área de Proteção Ambiental] aos dragueiros fies a José Alves de Lima, O LIMA, ex-vice-Presidente do SINGRO – Sindicato dos Garimpeiros de Rondônia’.

Em síntese, conforme a acadêmica do Serviço Social, Francisco Souza, 52, ‘doutô Confúcio anda mal acompanhado desde a prisão do filho RÔMULO, pela Polícia Federal’, o que denota que ele precisa reprogramar a vida política para separar o joio do trigo vendido ao povo por aliados’.

Fonte: Xico Nery

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias