Sexta-Feira, 20 de Março de 2015 - 07:42 (Colaboradores)

É POSSÍVEL UM NOVO TEMPO PARA CANDEIAS DO JAMARI

Para que a gestão tenha a eficiência esperada, o prefeito, ‘de forma lenta e gradual’ vem substituindo alguns servidores advindos de gestões anteriores, sobretudo em cargos comissionados que não apresentam bons resultados nem celeridade nas decisões mínimas para que ‘a máquina administrativa flua a contento a bem do serviço público’.


Imprimir página

Vila Nova Samuel/CANDEIAS - Ao menos, parte das secretarias e a Procuradoria do Município, segundo pesquisa deste site, se desdobram para que suas ações deslanchem efetivamente no novo modelo de administração impressa pelo prefeito Francisco Sobreira de Soares [O Careca do PSDB].

No cargo desde quatro de abril de 2014, informam servidores de carreira sob a condição de anonimato, ‘ainda não conseguiu se livrar do empirismo de gestores cuja formação não é acadêmica’. É o caso da chefia da Educação em que a legislação obriga o Executivo nomear apenas trabalhadores da educação.

Para que a gestão tenha a eficiência esperada, o prefeito, ‘de forma lenta e gradual’, vem substituindo alguns servidores advindos de gestões anteriores, sobretudo em cargos comissionados que não apresentam bons resultados nem celeridade nas decisões mínimas para que ‘a máquina administrativa flua a contento a bem do serviço público’.

As mudanças feitas nas pastas das secretarias de Obras, Serviços Públicos, na Saúde e na Cultura foram recebidas com ‘bons olhos pelo Poder Legislativo onde o prefeito não detém maioria na Casa. Nem dispõe de uma base aliada capaz de impor, em alguma situação, pequeno ou maior baque nas pretensões de opositores.

Próximo de completar um ano à frente da administração, em substituição ao ex-prefeito Oswaldo de Souza [O DINHO] - derrotado fragorosamente na campanha para deputado com apenas 600 votos sufragados no município que governou por seis anos -, ‘CARECA’ já arranca os primeiros aplausos por onde caminha sem seguranças.

Além das mudanças já impressas no secretariado herdado, ele vê crescer os ‘picos’ de popularidade em meio à população da cidade e do campo que passaram a ver atendidos em horário, data e local determinados. Além do calendário que é cumprido sem data prévia, onde o prefeito ‘pode pegar servidores e auxiliares de calça curta em caso de omissão nos cronogramas de ação de trabalho’.

Apesar de ter trabalhado em 2014 com apenas R$ 11 milhões dos R$ 38 reservados ao cumprimento do orçamento do exercício fiscal, a atual administração priorizou quase a totalidade das obras deixadas pelo antecessor DINHO, tio do deputado Lindomar Garçon [ex-PV e agora, PMDB].

Sobre, já são visíveis os resultados nas áreas da saúde, educação, do meio ambiente, da cultura, limpeza [com coleta seletiva de lixo], saneamento e na agricultura, esta considerada de importância estratégica para que a cadeia da produção agrícola e da logística de transporte escolar, ‘não sofra problemas de continuidade ou beirando o caos por isolamento, descaso e leniência’ – como passado recente...

Com o advento das cobranças em cima de uma atuação mais célere dos secretários e servidores do baixo clero [segundo e terceiro escalão], ainda assim, ‘processos que dependem da liberação de emendas parlamentares, ainda demoram entre 45 e 90 dias para que tenham seu curso normal de tramitação até ao gabinete’.

Sobre essa disfunção ou inabilidade dentro das repartições, sobretudo no Departamento de Convênios e Chefia de Gabinete, o prefeito tem o foco na substituição imediata de seus responsáveis sob pena de o município devolver ou perder recursos imprescindíveis para que se atinja um melhor nível de desenvolvimento no conjunto da atual administração.

É o caso do Hospital Municipal de Pequeno Porte, que poderá ser penalizado com a perda de recursos para reforma e ampliação do estabelecimento, além da compra de remédios, contratação de novos profissionais médicos e equipamentos.  

Fonte: Xico Nery/NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias