Terça-Feira, 26 de Junho de 2018 - 17:44 (Saude)

L
LIVRE

DOUTORES SEM FRONTEIRAS UTILIZAM BARCO HOSPITAL WALTER BÁRTOLO PARA REALIZAR 5 MIL PROCEDIMENTOS DE SAÚDE NO BAIXO MADEIRA

Do dia 9 ao dia 20 de julho, em terras indígenas, e na última etapa, doa dia 21 a 31 de julho, atendendo aos moradores do Baixo Madeira.


Imprimir página

Utilizando a estrutura do Barco Hospital Walter Bártolo, cedido pelo Governo do Estado, a equipe da Associação Doutores Sem Fronteiras vai atender mais de mil pessoas de comunidades indígenas e ribeirinhas do Baixo Madeira, navegando pelo Rio Guaporé e Rio Madeira em Porto Velho. A viagem começa nesta terça-feira (26) e vai até o dia 8 de julho, em comunidades indígenas. Do dia 9 ao dia 20 de julho, em terras indígenas, e na última etapa, doa dia 21 a 31 de julho, atendendo aos moradores do Baixo Madeira.

Os profissionais de saúde são todos voluntários e estimam a realização de 5 mil procedimentos, sendo maior parte da área odontológica. Segundo o presidente fundador da associação, Caio Machado, que é dentista indigenista, cerca de 120 profissionais compõem a equipe. “Essa parceria do governo é muito importante para que a gente consiga realização essa ação, com toda a estrutura que o barco proporciona, facilitando o nosso acesso às comunidades. Esta será a maior ação de odontologia do mundo. Não há registro de ação dessa magnitude, e estaremos realizando ainda implantes dentários e enxertos ósseos”, declara.

Desde 2014, quando foi fundada, a organização sem fins lucrativos atua na região do Baixo Madeira e com comunidades indígenas. “Em 2005, quando eu era estudante, eu estive nas comunidades e percebi a necessidade e a dificuldade de acesso das pessoas para o tratamento especializado. Nós estamos trazendo uma máquina, a cerec cad cam, que faz lentes de contatos dentárias, e que custa cerca de R$ 4 mil por dente. Com o apoio que temos dessas empresas, conseguimos levar esse equipamento, chegando a custar cerca de R$ 30 mil o tratamento por paciente indígena, inteiramente gratuito para essas comunidades. Desta forma nós demonstramos que pode ser feito um tratamento de primeiro mundo em qualquer região”, completa Caio Machado.

A equipe também conta com médicos, biólogos, e testes rápidos de saúde preventiva e eletrocardiogramas também serão realizados. “A área médica está começando agora conosco, pegamos forte na prevenção de saúde, sobretudo a saúde bucal, e o inédito é que tem um pessoal da Alemanha que vai nos acompanhar para aprender mais sobre esse projeto que deve ser lançado em setembro lá. Nós estamos dando exemplo, de uma país de terceiro mundo para um de primeiro, e eles vão adotar a nossa ação. Temos a parceria da Kanindé, do Disei de Vilhena, do Disei de Porto Velho, da Funai, o governo estadual, todos se juntando para que essa ação tenha sucesso”, concluiu.

Em 2017, a expedição atendeu mais de 900 pessoas, com mais de 3.800 procedimentos.

Fonte: 015 - Secom - Governo de Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias