Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2017 - 15:19 (Tecnologia)

L
LIVRE

DIVERSIDADE E ESTRATÉGIA COLOCAM RONDÔNIA NO TOPO DA PESQUISA E TECNOLOGIA

O feito é atribuído à Fundação de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa do Estado (Fapero).


Imprimir página

O volume de editais lançados na área de pesquisas em Rondônia chega a ser superior ao do estado de São Paulo, onde a disponibilidade de recursos é muito superior. O feito é atribuído à Fundação de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa do Estado (Fapero).

A avaliação apresentada por Rodrigo Stábeli, ex-diretor da Fiocruz Rondônia, através de vídeo divulgado no lançamento do Polo de Pesquisa, Inovação, Desenvolvimento e Difusão em Saúde (PID), na terça-feira (21), é confirmada por Francisco Helder Souza Oliveira, presidente da Fapero, mas com ressalvas.

“O estado de São Paulo tem uma fundação com recursos infinitamente superiores aos nossos, mas a nossa diversidade de projetos é maior”, esclarece.

Num ano em que a economia em crise faz com que os governos fazem cortes estratégicos nos orçamentos, Rondônia fez o caminho contrário ampliando os investimentos na área de pesquisa e inovação tecnológica. Para Francisco Hélder, é mérito do governador Confúcio Moura.

“O governador apoia com entusiasmo a ciência e tecnologia e compreende a importância destes meios para o desenvolvimento”, destaca o presidente da Fapero.

A diferença entre Rondônia e os poucos estados que fazem grandes investimentos no setor é a diversificação dos projetos. “Nosso índice de aprovação é de 95%. E os grupos de pesquisa saltaram de 80 para mais de 400, são dados da CNPq”, argumenta.

E a receita para produzir mais com menos recursos é a captação feita junto aos fundos estaduais que tem recursos destinados à pesquisa e tecnologia. “É com este suporte que honramos compromissos e conseguimos lançar mais programas”, diz Leandro Soares Moreira Dill, diretor de Inovação e Transferência de Tecnologia da Fapero.

É fato que, das fundações de apoio à pesquisa, a Fapero é a que faz mais em menos tempo.

Francisco Helder enumera as conquistas. “Conseguimos incluir Rondônia no acordo Nacional de Ciências E Tecnologia”. Isto aconteceu a partir do diálogo travado com o governo federal para conquistar o apoio que estava restrito a estados de outras regiões. “E nestes esforços incluímos outros estados amazônicos. Entramos no mapa”, destaca.

COMPROMISSO

O dirigente da Fapero revela que, a partir do compromisso firmado pelo governador com a causa da inovação tecnológica. Foram abertas as melhores perspectivas para a instituição.

Segundo Leandro Dill, o foco agora está nas pesquisas nas áreas de sanidade animal, piscicultura, com dois projetos, e apoio à inovação tecnológica. Esta é a diversidade utilizada na Fapero. “Fazemos mais com menos, usamos os meios disponíveis de forma estratégica”, complementa.

Entre os benefícios que a pesquisa traz para o estado, o presidente da Fapero cita o Programa de Apoio à Pesquisa no Laboratório de Qualidade do Leite (LQL), que vai agregar valor à produção regional, além de abrir as portas para novos mercados.

“O LQL é fundamental para o estado. Vai oferecer meios para que o nosso produto tenha maior aceitação”, conclui Francisco Helder.

Fonte: 010 - SECOM - GOV/RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias