DIREÇÃO ESTADUAL DA FORÇA ACUSADA DE FUGIR À LUTA DOS TRABALHADORES E ENTERRAR BANDEIRAS DA AGENDA SINDICAL - News Rondônia O ‘golpe’ foi abortado por vereadores e candidatos filiados ao partido.

Porto Velho,

Domingo , 05 de Abril de 2015 - 22:07 - Colaboradores


 


DIREÇÃO ESTADUAL DA FORÇA ACUSADA DE FUGIR À LUTA DOS TRABALHADORES E ENTERRAR BANDEIRAS DA AGENDA SINDICAL

O ‘golpe’ foi abortado por vereadores e candidatos filiados ao partido.

ImprimirImprimir página

Porto Velho/RONDÔNIA - A notória ausência de representantes da Força Sindical rondoniense nos embates titulados como ‘bandeira de luta do trabalhador’ será denunciada aos dirigentes nacionais no decorrer desta semana.

Fora do SOLIDARIEDADE em ato sumário inédito para a realidade de um partido novo - a Direção Nacional empossou no Partido, o presidente da Associação dos Aposentados, sindicalista Marcondes -, Assis nunca mais foi visto em público atuando nas campanhas salariais pela não aprovação da Lei 4330 [Lei da Terceirização], defesa das 40 Horas Semanais ou mesmo, pelo fim do Fator Previdenciário.

O repentino sumiço do ‘sindicalista’ das lides da Central, segundo dirigentes dos municípios onde a Direção Estadual ainda não implantou os Núcleos e as Delegacias Sindicais, ‘deve-se, sobretudo, à repercussão negativa que o caso ainda causa dentro do movimento sindical e político’.

Com relação à intervenção no SD de Rondônia, ‘o ex-presidente tentou impedir a eleição de Expedito Junior ao governo nas eleições de 2014 e, por sua tabela, a do deputado federal eleito, Expedito Neto’. O golpe, segundo tucanos de Candeias do Jamari, Ouro Preto, Jaru, Pimenta Bueno e Porto Velho, ‘era vender o partido a Carlão de Oliveira e a Jaqueline Cassol’.

Em um desdobramento das ações consideradas nefastas atribuídas ainda a Francisco Assis, de acordo com lideranças da Força Sindical, ‘é que ele arrancou o slogan afixado no carro da Central para ir às reuniões com os adversários’. Ainda assim foi flagrado e fotografado por grupos leais ao presidente nacional, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da FORÇA, de São Paulo.     

À época, Francisco de Assis, foi tratado como ‘bandido’ pelo presidente nacional da Força Sindical, pelo traído não só sua confiança. Mas a de Paulino e dos seus companheiros que integravam as Operativas da Central – que foi criada para enfrentar a poderosa Central Única dos Trabalhadores [CUT]. 

Ao menos treze sindicalistas supostamente vinculados aos deputados [estadual e federal] eleitos pelo Partido SOLARIEDADE [Rondônia], durante o decorrer desta semana, receberão dois novos dossiês dando conta de casos de supostas improbidade nos sindicatos ligados à Força Sindical na ainda gestão Francisco de Assis.

Além do relatório final, comentado e detalhado, de autoria da Junta Interventora do Partido em todo o Estado, ‘Assis, ao menos, pode ser ainda investigado na Justiça Eleitoral por fraude eleitoral e falsidade ideológica, desta feita, na Justiça Comum’, afirmam membros do SOLIDARIEDADE e sindicatos do interior ligado à Força Sindical.

NOTICIAS RELACIONADAS

Fonte: Xico Nery/NewsRondonia

Comentários do Facebook

Veja Também

Publicidade

  • Http://www.Auto-doc.pt