Domingo, 07 de Junho de 2015 - 16:43 (Colaboradores)

DEPRESSÃO, SEGUNDO A VISÃO DE QUEM A TEM

A vontade de jogar tudo para cima, de jogar a toalha, de desaparecer é muito grande e às vezes, na verdade, não se tem vontade de fazer nada a não ser ir embora.


Imprimir página

Se está com sono, acha que vai morrer, se está com falta de sono, tem certeza que vai morrer. Se dá vontade de sorrir é porque logo mais o choro virá e se a vontade é de só chorar é porque com certeza não se merece a tal felicidade.

A vontade de jogar tudo para cima, de jogar a toalha, de desaparecer é muito grande e às vezes, na verdade, não se tem vontade de fazer nada a não ser ir embora. Embora? Para onde? Como diria Lewis Carroll, que usarei muito neste texto: “Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve.” Fugir de si mesmo é impossível e esquecer o que realmente nos faz tristes é, para quem está deprimido, praticamente impossível.

A partir daí um desespero e uma inércia vai levando a pessoa ao isolamento ou, em alguns casos, à euforia exagerada, confundida com bipolaridade. Não sente mais vontade de sair, de trabalhar.

Uma irritabilidade constante e um incomodar-se por pequenos contratempos. Em geral, mas não como regra ou exceção (bem depressivo isso) as pessoas depressivas dão conselhos fantásticos para quem deles precisa, mas para si mesmo eles não servem e o julgamento é severo.

A repreensão é tão grande que por vezes as lágrimas são inevitáveis. Muitos escrevem e dizem que nestes casos de depressão é necessário que se diga ao cérebro e à alma quem realmente manda. Difícil, é verdade, mas não impossível. Como também diria Lewis Carrol, o problema não é o tempo, é quanto tempo. Saber o que aconteceu ontem e sonhar com o que poderá acontecer amanhã é fácil, porque o ontem já foi e o amanhã não existe.

A grande dúvida é o que fazer agora, neste momento, no hoje. No começo até se tenta fugir, mas com o passar do tempo, acostuma-se ao sofrimento e à vitimização, que toma conta do corpo e se começa a não ter mais vontade de resolver nada, apenas continuar, mas sem saber como, pra onde ou por quê. Quem se é na verdade? Muda-se tanto no decorrer do dia que, chegando ao final dele, não se sabe mais quem se é, ou que será nos próximos segundos.

Depressão. Para grande parte da humanidade é melhor fazer o julgamento e atribuir isso à loucura. Mas na verdade, quem é louco?

Na verdade, é mesmo um pedido de socorro de pessoas tristes que não compreendem o que lhes está acontecendo. Imerso em seu próprio sofrimento, o depressivo não consegue olhar além de si e não compreende o que acontece dentro de si. É uma doída dor na e da alma. Se a Depressão tem cura? Pensam que sim, uma vez que aquilo que não está na composição do Ser, dele pode ser afastado. A qualquer tempo? Não. A cura segundo grande parte dos estudiosos, apenas acontecerá quando o Ser recuperar a possibilidade de desejar, de sonhar e de acreditar que a Vida ainda vale à pena. Nina Lee Magalhães Professora, Advogada, Palestrante e apresentadora do Programa Rosa Choque pela Rede TV! SGC! E modestamente, colunista do newsrondonia!

Fonte: Nina Lee Magalhães

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias