Sabado, 27 de Agosto de 2011 - 09:15 (Espaço do Internauta)

DENÚNCIA: A ESQUINA DO TORMENTO

É consenso entre os moradores afetados por esse problema que todos têm direito à diversão, desde que para tanto não se cause transtornos de qualquer ordem a quem quer que seja.


Imprimir página

A confluência das Ruas Alexandre Guimarães e Emidio  Alves Feitosa, antiga Rua Três, no Bairro Agenor Martins de Carvalho, é uma  tranqüila esquina como tantas outras, mas somente de domingo à quarta-feira. De quinta a sábado, a partir das 22 horas até alta madrugada, a pacata esquina transforma-se num palco dos mais variados tipos de abuso ao sossego e ao respeito, que vão desde o volume absurdamente alto do som dos carros estacionados nas vias públicas adjacentes a atos de vandalismo, uso  de droga e atitudes obscenas praticados por elementos que se acham no direito de perturbar a paz da população em nome do “direito de se divertir”. Não bastassem esses transtornos, o desrespeito à Lei do Trânsito, com destaque para o excesso de velocidade e a obstrução das vias de trânsito, tem sido responsável por inúmeros acidentes, inclusive com vítimas seriamente lesionadas.

Vale ressaltar que tais fatos são do conhecimento do Ministério Público, da Polícia Militar, da Polícia Civil, da Polícia Ambiental, do Detran e da Semtran, instituições às quais pessoa afetadas  formalizaram denúncias que resultaram em ações dos referidos órgãos, mas que, infelizmente, não surtiram o efeito desejado, servindo apenas como paliativo, vez que a calmaria imposta pela presença dos órgãos repressores  dá lugar à baderna tão logo estes se ausentam.

É consenso entre os moradores afetados por esse problema que todos têm direito à diversão, desde que para tanto não se cause transtornos de qualquer ordem a quem quer que seja. Portanto, o mínimo que se espera das autoridades competentes é que restitua  a esses moradores o direito a transitarem pelas ruas onde moram sem que sejam agredidos com insultos, palavrões e atos promíscuos, bem como o direito de ter não apenas quatro, mas sete noites de sono tranqüilo, o que é humanamente impossível nas atuais circunstâncias.

Ressalto ainda que a boate que ali se instala não é o que incomoda os moradores das proximidades da esquina do tormento, pois a sonorização do ambiente não chega á ser ouvida pelo lado de fora. O que realmente vem atormentando os moradores são os sons excessivos de veículos, a pratica de direção perigosa ao volante e motocicletas, consumo de substâncias entorpecentes que chegam acontecer em frente as residências dos moradores e o tráfico de entorpecente que por ali não existia.

Por: M Barros

Fonte: enviado por internauta

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias