Sexta-Feira, 06 de Março de 2015 - 17:48 (Colaboradores)

CRÔNICAS DA NOVA TERRA: O SONHO

A natureza era bela, o tempo se confundia em minha cabeça, não conseguia definir se estava no futuro ou no passado.


Imprimir página

Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem diga nem todas, só as de verão.
Mas no fundo isso não tem muita importância.
O que interessa mesmo não são as noites em si, são os sonhos.
Sonhos que o homem sonha sempre.
Em todos os lugares, em todas as épocas do ano,
dormindo ou acordado.
Sonhos de Uma noite de Verão

William Shakespeare

Toda guerra é permeada em seus bastidores pelo sonho da vitória de ambos os lados do confronto. Do peão branco ao rei preto, todos sonham com a vitória nesse tabuleiro de xadrez. Em nossa busca pela liberdade não é diferente, sonhamos com o dia em que venceremos os Novos Humanos e teremos a liberdade de todos os humanos. A Nova Terra é nosso planeta e queremos acabar com toda forma de dominação extraterrestre presente aqui.

Hoje tive um sonho (dormindo) baseado no meu maior anseio durante essa guerra que não é só a vitória, mas também o de ver na Nova Terra um lugar melhor para se viver, ver a natureza se reconstituir, os vestígios da guerra nuclear desaparecerem por completo e, acima de tudo, ver os homens se respeitando. Utopia? Pode ser, mas o fato é que tenho esperanças de que não seja.

No sonho, eu estava em uma canoa vestido como um Mura e, consequentemente, como um Novo Humano, o que me causou um misto de sensações. Fui desde o susto ao orgulho, passando por alguns sentimentos ruins que tenho pelos ETs colonizadores. Descia o Rio Madeira no trecho abaixo aos escombros das antigas Usinas do Madeira (que foram destruídas por uma bomba durante a Terceira Guerra Mundial). A natureza era bela, o tempo se confundia em minha cabeça, não conseguia definir se estava no futuro ou no passado.

Ao chegar embaixo da ponte sobre o Rio Madeira vi um boto se achegar próximo de minha canoa. Instintivamente, toquei sua fronte e ele se recolheu à água. Nas margens, em meio à vegetação, avistei macacos e pássaros. Tentei guiar a embarcação que fizera dos meus ancestrais os índios de corso até a beira do rio, pois queria ver de perto os animais, mas não consegui. Abandonei a canoa e tentei nadar até a margem.

Acordei com um sentimento saudosista por um tempo que nunca foi e talvez nunca seja, mas somarei isso ao meu anseio de liberdade e lutarei contra a colonização alienígena em nosso planeta. O espírito guerreiro da nação indígena mura está em mim...

Continua...

Renato Gomez

Fonte: Renato Gomez

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias

Http://www.Auto-doc.pt