Terça-Feira, 07 de Novembro de 2017 - 08:31 (Entrevistas )

L
LIVRE

CONFÚCIO REVELA SEU FUTURO POLÍTICO, DIZ QUE ESTÁ CANSADO E QUE SUA EQUIPE PODE MUDAR

Confira!


Imprimir página

Confúcio Aires Moura. Tocantinense de nascença, rondoniense de coração. Prestes há completar 70 anos, têm 40 anos só de vida política. Recentemente foi considerado o melhor governador do país por cumprir promessas de campanha. Por aqui já foi secretário de Saúde, deputado federal por três consecutivos mandatos. No executivo municipal, ganhou por duas vezes a cadeira de prefeito de Ariquemes. A ambição falou mais alto e deixou o cargo para ser governador. Foi eleito no segundo turno e conseguiu a reeleição. Ainda no extenso curriculum, possui graduação em medicina e atuou como militar.

Em entrevista exclusiva ao News Rondônia, o executivo falou sobre tudo e de tudo. Fez um balanço positivo do mandato, revelou o que deu errado na sua gestão, comentou sobre as eleições 2018, seu destino político pós-governo, os últimos meses no Palácio Rio Madeira e analisou nomes para o executivo nacional.

NEWS – Faltam meses para o seu mandato encerrar. Faça um balanço do que o Governo Confúcio Moura fez por Rondônia!

Eu tenho dois mandatos voltados na estruturação do estado. Rondônia está com suas contas em dias, salários em ordem, e mesmo assim fazendo investimentos. Atacamos na área de Saúde Pública onde reduzimos em muito os déficits. Como muitos estados que aconteceram cortes, nós aumentamos receitas. Regionalizamos hospitais. Investimentos na Agricultura familiar substanciais.

Estamos atualizando os sistemas ambientais, onde somos o estado brasileiro com maior desempenho no CAR. Na área rodoviária, nenhum estado ganhou mais máquina rodoviária do que Rondônia. Nós temos mais de 600 máquinas fazendo trabalhos nas ruas. Inauguramos teatro, palácio, novos centros administrativos e atendemos os municípios nas suas necessidades coletivas quando precisam. Só posso dizer que fizemos bastante.

NEWS – O que não deu certo?

Sempre fica muita coisa que a gente não resolve. Segurança Pública é um assunto que é um choro geral, porque a violência e o crime organizado superou a visão do Estado.

Então, nós melhoramos, evoluímos. Evoluímos nas estatísticas, melhoramento do desempenho da polícia, diminuição da violência. Claro que não é coisa de comemorar ainda, mas, o nossos números de homicídios e de crimes têm reduzidos na escala comparativa entre os estados.

NEWS – O senhor veio ao Acre debater segurança nas áreas de fronteira com os governadores da Amazônia Legal. Como obter mais segurança nesses lugares?

Precisamos fazer um enfrentamento, buscar uma solução, ideias por meio do corpo de segurança pública e desarticular o crime organizado que ainda desafia o poder do estado, que desafia a justiça, o bom-senso, que amedronta a população brasileira. Acredito que é preciso consolidar um consórcio, que é uma política jurídica importante para o Brasil. Não estamos satisfeitos com o governo federativo.

Não estamos satisfeitos com a concentração de poder em Brasília. Não estamos satisfeitos com a burocracia para a solução dos problemas da Amazônia. As mudanças das leis é algo indispensável para que tenhamos maior autonomia.

NEWS – O senhor se apresenta como uma pessoa transparente nas publicações no Blog do Confúcio. Às vezes, na visão de muitos, criticar o próprio governo pode criar uma imagem negativa. A sua equipe já chamou atenção, puxou sua orelha, por falar “verdades” ou “inflamar” temas ocultos?

Eu faço aquilo sem revisão. Às vezes vai até com uns erros, eu não sou letrado, né! Então, cometo deslizes e muitas vezes, sim sou repreendido, até pela imprensa por falar determinadas palavras, coisas. Tenho mostrado a transparência não somente na minha escrita como também nos dados da CGU e do Ministério Público Federal. Inclusive temos nota 10 na transparência.   

NEWS – E sua equipe, seu secretariado? Vez ou outra, o senhor tem cobrado deles, via internet, cumprimento de planos, metas. Essa forma de chamar atenção não desgasta a “amizade”? Com o senhor lida com isso?

A gente quer o maior desempenho da equipe. A gente quer avaliação das nossas obras, dos serviços prometidos. Por isso fazemos uma ação integrada, que cobra resultados.

Já fizemos isso. Então, o rendimento do nosso secretariado, da nossa equipe, é feita por muito debate e nós só queremos resultados, que eles cumpram seus objetivos.

NEWS – O senhor pensa em mudar algum gestor de determinada pasta?  

As mudanças vão ocorrer nos próximos dias, mais por conta que muitos serão candidatos a deputado federal ou deputado estadual nas Eleições de 2018.  Desta forma o jeito é mudá-los, porém, somente nessas circunstâncias de candidatura.

NEWS – Confúcio foi considerado o melhor governador do país, entre os que mais cumpriram promessas de campanha. Como recebeu esta notícia?

Eu não sei se eu tenho esse merecimento de ser o melhor do país. Nós temos que trabalhar nesse sentido, e nesse caso, ser bem classificado é motivo de honra e orgulho para mim.

NEWS - Pensando nas Eleições 2018. Qual será o futuro político do Confúcio Moura?

Posso confessar a você que estou com muito medo da política. Eu já estive em nove campanhas, já fiz de tudo. Fui deputado federal, prefeito, governador e nesses cargos fui eleito duas vezes e até três, mas, estou com muito medo de ser candidato a senador da república.

Eu não falo nada ainda, só estou observando o Brasil. Estou na fase de observação, vamos ver um pouco mais para frente se fico encorajado em disputar mais uma eleição. A população vive e está muito descrente de todos nós políticos. E posso dizer que estou muito cauteloso, quero deixar esse assunto para março, maio de 2018.

NEWS – Nas nossas análises, de redação de jornal, percebemos que o senhor vem pregando no blog um lado negativo de muita coisa. Muitas das vezes passando a impressão de ser pessoa sem esperança, depressiva. Estamos enganados?

Eu acho que nem sou assim. A gente reclama da situação do estado brasileiro. A gente fala da verdade, da percepção da política. Apontamos dados. Falamos aquilo que a população sente, tratamos de falar da crise moral, da situação deprimente da classe política brasileira, na falta de fé. Eu procuro falar dos fatos que a gente percebe na população, mas não é um desencanto, de forma alguma, pois se fosse desencanto a gente não estaria trabalhando. Estamos animados! Na realidade, esse lado negativo é a realidade que impõe a gente falar de determinados assuntos.

NEWS – Existe uma pressão por deixar, nos próximos meses, o poder? Qual o sentimento?

Não existe pressão, de maneira alguma. O nosso sentimento é de dever cumprido, de ter trabalhado bastante. Eu vou completar 70 anos. Minha esposa tem quase a mesma idade. Então, a gente praticamente não tem tirado férias.

A gente não vive como pessoas comuns. Vivemos sempre atropelados por agendas, necessidades dos outros. Queremos viver um pouco, voltar para a realidade de uma pessoa comum.

NEWS – O cenário político vem desenhando nomes para chapas majoritárias visando à cadeira de executivo do Palácio Rio Madeira. Quais outros bons nomes que o senhor poderia citar na seleta lista?

Ainda temos embrionários, temos poucos nomes de pré-candidatos. O meu partido, PMDB, anunciou o presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho, que é um bom nome. Tem ainda o senador Acir Gurgacz que também é excelente. Esses dois têm manifestado claramente seus desejos. Existem também outros quatros candidatos que esporadicamente falam em candidaturas. O PMDB não teria um nome para provocar caso o Maurão de Carvalho seja impedido, mas acredito que temos sim, dentro da nossa equipe, bons nomes para indicar.

NEWS – E no cenário nacional. Quem teria o seu aval?

Eu acho que o Governador de Goiás, Marcone Perillo [PSDB]. É um nome muito bem preparado. É um excelente comunicador e é ótimo em relacionamento com todos os poderes e o nome que poderia ser avaliado. Cito também o Raimundo Colombo [PSD], Governador de Santa Catarina. Um homem excelente, respeitado.

Hoje Santa Catarina é um estado brasileiro que tem um padrão de excelência, superou até o Chile quando comparamos o crescimento de um estado em relação a um país. Santa Catarina elevou em inovação, produtividade e tem muita qualidade em todos os serviços. São nomes que deveriam ser avaliados e que infelizmente, ainda, estão debaixo do tapete.

NEWS – O senhor é médico, foi militar, deputado, prefeito e como governador tem dois mandatos. Já surgiu convite talvez de ser Presidente da República? O senhor pensa em ser presidente do Brasil?

Não! Não de maneira nenhuma! Não tenho estrutura e estatura. O nosso estado não tem estrutura para um cargo desta dimensão Nacional. Para se presidente é preciso ter um nome falado, ter porte, eu sou muito apagado aqui. Elevamos o nosso nome somente na região, nada mais. Vamos ficar somente aqui mesmo.

NEWS – Finalizamos a entrevista. O senhor teria alguma mensagem aos leitores?

Só tenho a agradecer o carinho da população e também de todos. Estamos trabalhando muito. Aqui no Acre estamos participando de encontros com outros governadores, e com outras autoridades do governo federal, onde juntos traremos boas novas nas mais diversas áreas para a população. Vamos procurar melhorar ainda mais o nosso estado, nossa região e país. Muito obrigado!

Fonte: NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias