Sexta-Feira, 03 de Novembro de 2017 - 13:22 (Colaboradores)

L
LIVRE

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE NEUROCIÊNCIAS: [019] – INDUÇÃO NEURAL - Por Max Diniz Cruzeiro

Hans Spemann (1869 – 1941) e Hild Mangold (1898 – 1924) formam pioneiros em estudar experimentalmente a determinação da identidade neural do neuroectoderma.


Imprimir página

No início da formação do embrião uma região do embrião do ectoderma forma por transformação em neuroectoderma em um processo inicial conhecido como neurulação (identidade neural). O restante do ectoderma dará origem aos componentes da pele.

Hans Spemann (1869 – 1941) e Hild Mangold (1898 – 1924) formam pioneiros em estudar experimentalmente a determinação da identidade neural do neuroectoderma.

O estudo foi realizado com anfíbios através de uma lupa. Os anfíbios foram dissecados na região precursora do mesoderma, em seguida inseriram cada pedaço no ectoderma e outros embriões, longe da região precursora do mesoderma deles, conforme relata Lent, os hospedeiros continuaram vivos e observados etapa por etapa. Na região transplantada uma segunda placa se formou e um segundo tubo neural adjacente. Se prosseguiu o experimento até se formar o animal que tinha formação xifópaga (dois animais colados um no outro). A conclusão é que o tecido transplantado induziu a formação do ectoderma em neuroectoderma dos dois animais. Por isto foi batizado como indução neural.

A região indutora é a região organizadora ou organizador. Então procuraram saber quais os sinais indutores capazes de gerar o neuroectoderma e como era desencadeado os sinais para esta transformação.

Em 1970 as primeiras respostas começaram a emergir, no qual se descobriu que a diferenciação neural era o caminho normal a ser seguido dentro do processo. E mesmo utilizando células de ectoderma em meios de cultura todas elas eram transformadas em células neurais com o desenvolvimento do meio.

Então, se descobriu a existência de um grupo de proteínas do ectoderma não neural que não possibilitava a transformações de parte do ectoderma em células neurais. São as chamadas proteínas morfogenéticas ósseas (BMPs) da família de fatores tróficos transformantes (TGFs).

Os sinais indutores presumidos emitidos pela região organizadora bloqueiam o bloqueador, ou seja, suprimem as BMPs no ectoderma vizinho em termos de efeitos. A inibição da atividade das BMPs se devem a presença de três fatores indutores a folistatina, a noguina e cordinha.

Então a neurulação direciona a expressão gênica das células ectodérmicas para a síntese de proteínas específicas do tecido nervoso, na transformação das células precursoras em células nervosas.

Lent enumerou 5 diferentes elementos que a interação entre as células vizinhas através das moléculas sinalizadores está condicionada:

1 – fatores morfogenéticos secretados (ex. BMPs) que provoca a diferenciação entre as regiões;

2 – Fatores indutores difusíveis (ex.: cordinha, noguina e folistalina) secretadas por células próximas, desviando sua diferenciação inicial, mesmo à distância;

3 – moléculas de transdução ex. enzimas) encarregadas de reações intracelulares que influenciam a expressão gênica;

4 – fatores de transcrição que regulam a expressão gênica; e,

5 – segmentos gênicos encarregados da síntese de proteínas específicas de cada tipo celular.

Fonte: 010 - Max Diniz Cruzeiro/NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias