Sabado, 12 de Novembro de 2016 - 17:13 (Política)

L
LIVRE

COM OS CHEFES DO EXECUTIVO E LEGISLATIVO NA CADEIA, VILHENA EM RONDÔNIA ESTÁ SEM ADMINISTRADOR PÚBLICO

Com a linha de investigação apontando o prefeito e também empresário José Luiz Rover como mentor da quadrilha, o Ministério Público de Rondônia pediu a prisão preventiva dele, que culminou na ultima quinta-feira (10) por agentes da Polícia Federal.


Imprimir página

Considerada uma cidade onde o clima é um dos mais amenos de Rondônia, Vilhena distante 700 quilômetros de porto velho ultimamente anda com a temperatura em alta. Hoje a cidade está sem administrador público. É que o prefeito, o vice, o presidente da câmara municipal e mais cinco vereadores foram parar atrás das grades. Eles são acusados de envolvimento em vários crimes, investigados pelo Ministério Público do Estado.

Com a linha de investigação apontando o prefeito e também empresário José Luiz Rover como mentor da quadrilha, o Ministério Público de Rondônia pediu a prisão preventiva dele, que culminou na ultima quinta-feira (10) por agentes da Polícia Federal. Sem apresentar qualquer tipo de resistência, Rover foi levado de casa direto para uma cela na casa de detenção de Vilhena de onde continua mantido preso por exigência da justiça.

O prefeito de Vilhena vinha sendo investigado há quase dois anos pelo ministério público de Rondônia. O inquérito apontou que Rover usava as secretarias de obras e de comunicação para ‘fraudar’ contratos com empresas, sem o uso de licitação. Estima-se que os acordos que começaram em 2010 até a presente data ultrapassem os cinco milhões de reais.

O vice-prefeito, Jacier Dias (psc) também foi preso acusado de integrar o organismo criminoso. A investigação ainda revelou o envolvimento de cinco dos dez vereadores da Câmara Municipal. Todos continuam apreendidos por determinação da justiça.

“A Polícia Federal e o Ministério Público do Estado juntaram esforços no sentido de colher provas no sentido de responsabilizar quem de direito está envolvido”, lembra o delegado da Policia Federal, Flori.

Com a prisão do prefeito e do vice, os vilhenenses estão sem administrador público. O presidente da câmara, júnior Donadon séria o mais indicado para assumir a função, porém ele também foi preso por envolvimento com a quadrilha.

Sem lideres escolhidos pelo povo restou ao Procurador-Geral do município, Carlos Eduardo Machado assumir temporariamente a administração até que, o vereador, célio batista tome posse como determinado pelo desembargador, Oudivanil de Martins. Mas ainda que ele assuma, a Câmara não teria parlamentares suficientes para votar projetos de interesse dos cidadãos, pois dos dez vereadores, seis respondem processo por associação com o esquema criminoso. 

Fonte: NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias