Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017 - 17:58 (MINHA HISTÓRIA)

L
LIVRE

APÓS 64 ANOS, IDOSO DA CASA DO ANCIÃO REENCONTRA FAMÍLIA E COMEMORA NOVO LAR

Agora ele se prepara para encontrar amigos na Colônia Viçosa, na capital, onde ficará alguns dias até partir definitivamente para Brasília, onde irá morar com a irmã.


Imprimir página

Por Larissa Vieira
fotos: Seas

Era 1964 quando, aos 14 anos, Ana Maria viu o irmão Antônio Gomes, na época com 16, pela última vez. Era o início de um distanciamento de mais de seis décadas, repleto de saudade e de dúvidas. Antônio veio para Rondônia em busca de oportunidades, enquanto Ana ficou no interior do Ceará, vivendo com os pais e mais seis irmãos.

“Naquela época não tinha telefone e nenhuma facilidade das que temos agora, só carta. E quando nossa mãe morreu, o pai pediu para que não contássemos a ninguém, já que poderia chegar aos ouvidos dele e assim a gente se afastaria mais”, explicou a aposentada.

Até que há duas semanas, em Porto Velho, tudo mudou. Com a ajuda de amigos e do corpo técnico da Casa do Ancião, Ana localizou o irmão no abrigo e não pensou duas vezes: veio até solo rondoniense para este reencontro tão esperado.

“Ele estava no Hospital de Base, entrando na internação, quando ela chegou. Foi lindo e engraçado ao mesmo tempo, já que ele sentia que era ela, mas não tinha certeza. Depois de muita conversa aconteceu o abraço e eles não se desgrudaram mais”, conta Rosi Imperiano, psicóloga da Casa do Ancião e uma das responsáveis pelo reencontro.

Antônio, de 78 anos, precisa de cuidados especiais e por isso só foi liberado para sair do abrigo após uma avaliação médica minuciosa. Agora ele se prepara para encontrar amigos na Colônia Viçosa, na capital, onde ficará alguns dias até partir definitivamente para Brasília, onde irá morar com a irmã. “Eu tenho 78 e ela 71 (anos), é bom por que eu cuido dela e ela cuida de mim”, diz.

Assim como Antônio, outros dois idosos tiveram a alegria de voltar ao seio familiar desde o início de 2017. Dos 28 idosos que continuam na casa, 60% deles têm família em outros estados, mas um trabalho contínuo entre a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social (Seas) com a equipe da Casa, tem como objetivo diminuir esse percentual.

“Nós entramos com a missão de aproximar ou reencontrar os familiares. Eles se sentem sozinhos e precisam desse amor, nada substitui a família”, explica Ione Braga, diretora da Casa.

Fonte: RONDONIA RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias