Segunda-Feira, 11 de Abril de 2016 - 16:22 (Pecuaria)

L
LIVRE

ANÚNCIO DA NORMALIZAÇÃO DO PREÇO DA CARNE MARCA O LANÇAMENTO DA CAMPANHA CONTRA A FEBRE AFTOSA EM RONDÔNIA

Os números colocam Buritis como o quarto maior rebanho do estado, ficando atrás de de Porto Velho, Jaru e Nova Mamoré.


Imprimir página

O lançamento da 40ª Etapa da Campanha de Vacinação Contra a Febre Aftosa, no sábado (9), no município de Buritis, serviu para mostrar aos pecuaristas que investir na saúde do rebanho é garantir bons negócios no futuro. Uma extensa programação foi desenvolvida pela Agência de Defesa Agrossilvopastoril de Rondônia (Idaron) para a região, que já detém o quarto maior rebanho bovino do estado.

Na ocasião, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Maurão de Carvalho, levou a notícia que mais agradou. Segundo ele, o preço da carne bovina exportada, que é objeto de investigação parlamentar, está se normalizando.

A febre aftosa é uma enfermidade contagiosa e pode causar importantes perdas econômicas. Atinge animais bovinos, caprinos, ovinos e porcos, mas a mortalidade é baixa em adultos. O período para vacinação vai de 15 de abril a 15 de maio. E o produtor deve declarar que fez a vacinação até 20 de maio.

O vice-governador Daniel Pereira, que representou o governador Confúcio Moura, afirmou que o estado tem rebanho mais de 13 milhões de cabeças de gado, e que é possível avançar ainda mais até cinco vezes “sem cortar um pedaço de cipó”.

Ele anunciou que uma delegação da Comissão Europeia vem a Rondônia, nas próximas semanas, para certificar o gado e assegurar a manutenção do comércio. Daniel Pereira informou, também, que a Idaron está concluindo a programação para que o produtor possa processar eletronicamente a Guia de Trânsito Animal (GTA) e até fazer o pagamento da taxa através de aplicativos digitais.

REBANHO

A campanha de vacinação foi precedida de uma semana de atividades voltadas para a educação sanitária na agropecuária. Os donos de pequenas propriedades, que são a maioria, receberam da Idaron informações sobre boas práticas de vacinação, sanidade vegetal e animal e ainda participaram de um dia campo no Projeto de Assentamento Rio Alto.

A preocupação com a saúde animal e vegetal é fundamental para Rondônia, cuja economia tem o agronegócio como uma das frentes mais positivas.

Segundo Josimar dos Santos Mateus, chefe da unidade da Agência Idaron, Buritis tornou-se um polo das atividades agropecuárias por concentrar produtores dos municípios próximos, e por estar localizado estratégica para a logística, com saídas para outros centros produtores.

Estas facilidades fizeram com que o rebanho bovino, por exemplo, crescesse rápido. No ano de 2000 havia 843 produtores atendidos e 53. 670 cabeças de gado declaradas. No ano seguinte, passou para 1.485 produtores e 107.071 cabeças; e em 2015, 3.280 produtores e 458. 741 cabeças.

Fonte: rondônia ro

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias