Domingo, 11 de Dezembro de 2016 - 12:24 (Entrevistas )

L
LIVRE

ALEKS PALITOT: TRILHANDO UMA NOVA HISTÓRIA EM SUA VIDA

Temos compromisso com o coletivo. É assim que pretendemos atuar a partir de 1º de janeiro de 2017, na câmara de vereadores de Porto Velho.


Imprimir página

Aleksander Allen Nina Palitot como vereador mais votado no último pleito para a câmara de Porto Velho, conseguiu o direito de falar em nome de seus pares, na solenidade da diplomação dos eleitos, na ultima sexta-feira.

Ao iniciar sua fala, lembrou que justamente neste ano de 2016, está completando o centenário da eleição do primeiro prefeito eleito de Porto Velho, Joaquim Augusto Tanajura. Outra coincidência lembrou Palitot, este ano a eleição aconteceu no dia 2 de outubro data do aniversário de criação do nosso município e tem mais, foi Tanajura quem criou o Jornal Alto Madeira aqui neste recinto, representado pelo senhor Euro Tourinho uma pessoa a quem tenho muito respeito e consideração. O Alto Madeira vai completar 100 anos em 2017. O que quero dizer com tudo isso, é que, como historiador, me sinto honrado em ter sido eleito como representante do povo da cidade onde nasci e me criei, justamente em datas tão importantes da nossa história. Lembro de outro grande historiador: Amizael Gomes da Silva, que foi vereador, deputado estadual e vice prefeito de Porto Velho. É lembrando isso tudo que assumo a cadeira de vereador, com a responsabilidade de manter a história de Porto Velho cada vez mais viva e respeitada. Temos compromisso com o coletivo. É assim que pretendemos atuar a partir de 1º de janeiro de 2017, na câmara de vereadores de Porto Velho.

ENTREVISTA

Zk – Vamos começar com sua identificação?

Aleks Palitot – Sou filho de Helena Nina professora e diretora durante muito tempo ali na área do Areal. Filho do falecido Clemenceua Palitot gráfico dono da gráfica Santana na Alexandre Guimarães e depois na Baixa União na Rogério Weber. Irmão de Carlla Palitot advogada, meu falecido irmão advogado Fabio Palitot. Nasci em Porto Velho na fronteira entre a Baixa União e o Areal dois bairros tradicionais e importantes, sou um filho da terra que ama sua cidade, que se lembra das boas histórias, das boas vivencias na nossa Porto Velho provinciana e que tem verdadeiro amor pela cidade e o comprometimento em transformá-la em melhor.

Zk – Graduação?

Aleks Palitot – Tenho 38 anos de idade, formado em história pela Universidade Federal de Rondônia. Sou professor, escritor, historiador, sou praticante de esportes radicais e sou uma pessoa que adora a cultura da minha cidade, desejo contribuir pra cultura, educação e turismo.

Zk – O que te levou a decidir a ser candidato a vereador?

Aleks Palitot – O grande momento aquele que deu o estalo, foi em 2013, quando fui homenageado pela Academia de Letras de Rondônia numa solenidade que aconteceu na Câmara de Vereadores. Foi ouvindo o discurso do vereador Allan Queiroz que falou quando eu me pronunciei naquela homenagem, que eu deveria me candidatar que me daria muito bem como vereador pelo pronunciamento que eu havia feito naquele dia e então comecei a estudar a possibilidade.

Zk – Se preparou de que maneira?

Aleks Palitot – Fiz curso de formação política, finalizei o mestrado, fiz o curso de administração pública (MBA), curso técnico em turismo. Como historiador, professor, em sala de aula sempre falo aos meus alunos: estudar sempre faz bem. Procurei me qualificar, para como funcionário público agora, prestar um bom serviço a minha cidade.

Zk – Sei que todo candidato tem como objetivo ser eleito. Você esperava ser o mais bem votado?

Aleks Palitot – Não esperava! Foi surpreendente. Me encontrava em casa enclausurado, meus assessores, meus amigos estavam no comitê. Moro ao lado do TER e foi um momento de muita emoção.

Acompanhei a apuração pela Internet e foi uma sensação fantástica, uma coisa imensurável, uma sensação de você ser escolhido no aniversário da cidade de Porto Velho um professor, um historiador, isso é fantástico simbolicamente, pra mim é muito importante em a população ter absorvido minha campanha, do resgate da identidade daquilo que a gente tem de melhor, as nossas raízes, precisamos trazer isso de volta, precisamos trazer aquilo que estar esquecido, mas, que não estar perdido e as pessoas entenderam o mote da nossa campanha. Acredito que a votação veio como uma surpresa, mas, veio também como uma grande responsabilidade, a gente tinha pouco recurso. Sei que meu eleitorado realmente veio pelo ideal.

Zk – Qual eleitor foi o responsável por tão expressiva votação?

Aleks Palitot – Setenta por cento dos meus votos vieram dos meus ex alunos, alunos, pais de alunos. Tenho que agradecer imensamente os 27 historiadores que apoiaram minha candidatura. Da Yedda Bozarcov a Abnael Machado de Lima, Tadeu, Mário Sávio, Lourismar e tantos outros. Os 92 professores que apoiaram minha candidatura e o exército dos meus alunos e ex alunos que se mobilizaram conscientizando a sociedade da importância de escolher um professor para ser vereador em Porto Velho.

Zk – Por que a história de Porto Velho e de Rondônia?

Aleks Palitot – Na realidade isso é um processo que a gente aprende na academia, os professores nos ensinam a valorizar nossa história, nossa identidade e eu como outros professores de história, sempre fiz aula de campo na Estrada de Ferro, em Santo Antônio, na Praça das Caixas D’água, isso foi com certeza um elemento que agregou, porque passei a fazer meus vídeos e colocar na Internet. Foi daí então que houve um produtor que percebeu que existia mercado pra isso, que Porto Velho queria se conhecer, que Rondônia queria se conhecer e aí passa a entender que aquele programa televisivo que era improvisado, que era algo do youtube pudesse ser algo muito marcante naquelas pessoas a partir da televisão. Me sinto honrado, porque a cada gravação, a cada pesquisa, a cada programa a cada lugar que mostro da minha cidade do meu estado, tenho certeza que estou contribuindo para criar a idéia de pertencimento naqueles que são os rondonienses e rondonianos.

Zk – E a infância?

Aleks Palitot – Foi brincando na rua, jogando peteca, empinando papagaio, uma vida muito tranqüila. Fiquei órfão de pai aos sete anos por isso, vivia muito na rua com os amigos e gostava muito de aventura. Como morava na Baixa União e ainda não existia o prédio do TER, ali era um pântano, onde a gente brincava, muito ligado ao Boi Bumbá Corre Campo o curral era ali próximo.

Vivi muito de perto a cultura, os valores de Porto Velho a Porto Velho beradeira de você ir pro cine Lacerda, cine Resk, clube Ferroviário, Moto Clube, de brincar de carrinho de rolimã na Presidente Dutra e correr atrás de papagaio e roubar manga, de tomar tacaca enfim, minha infância foi como a de qualquer beradeiro da Porto Velho.

Zk – Qual será tua plataforma de trabalho na Câmara de Vereadores?

Aleks Palitot – Educação, Cultura, Turismo! Quando falo turismo envolve a preservação do patrimônio histórico, o resgate da nossa identidade. Educação porque sou professor, sou um vereador com cheiro de sala de aula e quero fazer o melhor pra minha cidade.

O turismo que entendo através da economia criativa, através da economia solidária a forma de potencializar o artesão o pequeno comerciante, aquele que está na informalidade a ter a capacidade de ser um empreendedor, isso reforça o índice do IDH, reforça o índice de emprego, isso melhora a qualidade de vida das pessoas e orgulho de sentisse portovelhense.

Zk – Como será o teu relacionamento com o prefeito Hildon já que você foi eleito por um partido que fez oposição a candidatura dele?

Aleks Palitot – O prefeito já me ligou numa oportunidade, já conversou comigo em outra oportunidade pessoalmente. Ele perguntou para mim o que eu queria? Falei: O que o senhor deseja pra cidade prefeito? Estou aqui pra oferecer meus préstimos à população. Pra todo eleitor que chega pra mim eu falo, não peça para si, peça pra cidade, estou para o coletivo e não para o individual é esse o meu comportamento.

Fonte: Zé Katraca

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias